sexta-feira, 14 de junho de 2013

A Fórmula do sucesso


Goste-se ou não dos seus livros ( e eu não gosto...)  é imperioso reconhecer que José Rodrigues dos Santos  é, hoje em dia, um dos escritores portugueses com maior sucesso de vendas lá fora.  Não é fácil a nenhum escritor entrar para os tops dos mais vendidos em França, mas JRS está lá com dois livros: "A Fórmula de Deus" e "O Último Segredo" conquistaram os leitores franceses. Chapeau!

7 comentários:

  1. Tenho amigos que gostam muito dele mas eu ainda não consegui ler nenhum, talvez um dia...
    xx

    ResponderEliminar
  2. É uma fórmula que vende e que rende. Já li vários. E ele está de parabéns. :)

    ResponderEliminar

  3. Viciada na net, tenho cada vez menos vontade e coragem de me atirar a livros de lombada grossa... (lol)

    Mas as férias estão a chegar... e depois de acabar de ler o "Símbolo Perdido" de Dan Brown e antes ainda de chegar ao Natal (onde pretendo pedir ao Menino Jesus - e agora repara no trocadilho - que me coloque no sapatinho o livro "Inferno" do mesmo autor...), espero conseguir ler um dos livros do JRS.


    Beijinhos celestiais
    (^^)

    ResponderEliminar
  4. Já li muitos (quase todos) deste autor. Elogiei-o por um dos seus livros que estava a ler na altura e foi simpático ao ponto de me responder. Fiquei na lista dos seus milhares e milhares de leitores de forma que sou informada por email sobre o lançamento dos seus livros o que muito me agrada.

    Quer seja ou não do agrado dos portugueses (em Portugal) conseguiu ter sucesso no estrangeiro. Por que será que os seus compatriotas não lhe dão o mesmo valor? : )

    ResponderEliminar
  5. Pessoalmente não gosto da maneira dele de escrever os chamados romances.

    Prefiro que quando o autor pretende falar de um tema o faça em ensaio e não em ficção. E esta moda começou com Umberto Ecco em "O Nome da Rosa", cuja adaptação ao cinema é uma daquelas raras vezes em que o filme é melhor que o livro.

    No entanto, como já o ouvi explicar a razão da sua opção, até concordo com ele: se, por exemplo, falar dos submarinos de Portas em ensaio tem que apresentar provas e documentos , em ficção pode contar o que sabe porque num romance pode-se dizer tudo.

    Fico contente por ser valorizado no estrangeiro, porque prestigia o país. Aliás , em Portugal também o é.

    Poiares jura que nunca criticou o Governo e eu ri imenso quando a criatura fala tanto em consenso e sai a meio de uma reunião com os Parceiros Sociais.

    Acho que o Governo está completamente desfasado da realidade e imbuído da certeza da sua missão salvífica.Que nos está a arruinar a (quase) todos e a destroçar o país, com a bênção da medíocre criatura vinda de Boliqueime, donde nunca deveria ter saído nem para ir a Faro!

    Bom fim de semana, meu amigo.

    ResponderEliminar
  6. Ele faz livros como um padeiro faz pão: tem a receita, depois é só repetir...
    Infelizmente é isto que se vende mais, e isto não é a literatura!

    ResponderEliminar
  7. Eu até gosto e fico contente pelo sucesso dele!

    ResponderEliminar