quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Caderneta de cromos (41)


Durão Barroso, o fugitivo que deixou o país em pantanas e foi para Bruxelas servir de caniche à Merkel, teve o topete de afirmar que a culpa da crise é de Portugal.
O aborto político que Maria José Morgado levou para o MRPP por ser um tipo de discurso fluente e empolgar as massas não se enxerga?  Ninguém lhe explica que a sua incapacidade e inação à frente da Comissão Europeia é co-responsável pela situação catastrófica que se vive nos países do sul da Europa?
Ainda não percebeu  que o resultado das eleições italianas foi um cartão vermelho às políticas de austeridade impostas pela Comissão Europeia?
Será que este cromo ainda terá  lata para se candidatar à presidência da república em 2016?

Aviso do Ministério das Finanças


Avisam-se  os potenciais interessados de que o facto de receber uma esmola obriga à emissão de recibo. Não se esqueçam de exigir sempre a factura!!!
           ( Recebido por mail)

Os novos proletários



Organizado por José Nuno Matos e Nuno Domingos, “Novos Proletários – A precariedade entre a “classe média” em Portugal”, é a segunda parte do estudo sobre o processo de degradação e precarização laboral em curso.
 Na primeira parte, o estudo incidiu sobre a construção civil, as indústrias do Vale do Ave e do Vale do Sousa,  grandes superfícies comerciais, call-centers e trabalho doméstico.
A proliferação dos estágios não remunerados, o trabalho temporário e os falsos recibos verdes, bem como a contradição entre o aumento da qualificação escolar dos jovens e a redução dos salários de trabalhadores mais qualificados estão no centro da análise desta segunda parte do estudo onde, à guisa de introdução, os autores sublinham que a educação por si só não resolve os problemas da deficiente organização produtiva- essa sim, responsável pela proletarização do trabalho qualificado...
A precariedade não é apenas uma condição laboral. É resultante da deterioração das relações entre o capital e o trabalho, sendo os jovens as suas principais vítimas, mas não as únicas. “Portugal tem taxas de desemprego dos jovens adultos entre os 25 e os 34 anos abaixo da média na União Europeia no que toca aos níveis de escolaridade mais baixo, mas acima da média no que se refere aos níveis de escolaridade secundário e superior”- sublinham os autores.
A precariedade está na insegurança do vínculo de trabalho dos estagiários e no espírito manso e obediente que ela promove. Está na ausência de proteção social em caso de despedimento.
Numa análise à proletarização do jornalismo e à submissão do jovem jornalista aos interesses das sociedades detentoras dos órgãos de comunicação social, os autores escrevem:
 “Cada vírgula, cada palavra, cada passo pode significar a ausência de trabalho e até o fim da estrada no jornalismo. Não podemos ser responsabilizados criminalmente pelos nossos erros, mas porque podemos ser apagados rapidamente por termos pisado os calos de alguém. E se um precário perde o trabalho em determinado jornal, perde quase sempre a hipótese de trabalho em todos os jornais, revistas, rádios ou televisões do mesmo grupo económico”.
Em resumo: uma análise sobre o mundo laboral dos nossos dias, que é um retrato do modelo de desenvolvimento que estamos a construir.

Já temos o nosso Gril(l)o


Fernando Seara, o político comentador desportivo, quer trazer Paulo Futre para a política e candidatá-lo a presidente da Junta de Freguesia de Campolide. 
Influenciado pelo efeito Beppe Grillo ou, quiçá, ainda resquícios da noite de passagem de ano, Seara quer abandalhar as eleições autárquicas, propondo aos lisboetas a eleição de um presidente de junta que alcançou a ribalta depois do célebre número dos charters de chineses que encheriam Alvalade.
Seara é apenas mais um dos que não resiste à política-espectáculo. Para ele a vida é um showbizz, a que a política serve de cenário.  Quanto aos actores, pouco lhe interessa que sejam bons ou maus, o importante é que atraiam público e digam umas piadas. 
Seara talvez gostasse de ser Grillo mas, conhecida de todos a sua falta de humor, agarra no comediante que tem mais à mão e atira-o ao público como oferenda. Não podendo ser protagonista, quer pelo menos ser agente artístico. É mais ou menos como os agentes no futebol. Não sabem jogar à bola, mas fartam-se de ganhar dinheiro à  custa dos artistas que evoluem nos relvados.
Seara nunca ficará na História de Lisboa e, muito menos, na de Portugal. Daqui a uns anos, talvez alguns portugueses se lembrem dele, como nota de rodapé, por ter sido marido de Judite de Sousa e ter iniciado a política circense.  Mas isso só acontecerá quando Jel  se candidatar às legislativas e Bruno Nogueira  à Presidência da República.

Foto do dia (18)

                                    Estudante de biologia na Universidade do Cairo (1987)

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Papa compara Deus a Cavaco

Por aqui o "Senhor" também dorme, mas Coelho não resigna, porque continua a pensar que vive com Alice no País das Maravilhas.
Alguma alma caridosa lhe explica  que a mulher dele se chama Laura e o país em que vive é "A Terra dos Horrores"?

Relvas vai ser demitido amanhã!


Custou, mas foi! Finalmente, Relvas vai ser demitido. Amanhã. A notícia vem no “Público” de hoje, mas não é possível fazer link.  Resumidamente, as razões da demissão explicam-se assim:
O ministro da licenciatura da farinha Amparo tem faltado aos seus compromissos e a oposição decidiu avançar com a sua destituição, por incumprimento dos deveres inerentes ao cargo.
Bem, mas não abram já as garrafas de champagne, nem se ponham a cantar o Grândola Vila Morena, porque a destituição a que me refiro diz respeito, apenas, ao cargo de presidente da mesa da assembleia municipal de Tomar.
Desgraçadamente continuará a exercer o cargo de ministro, porque Relvas é o Viagra de Coelho. Como todos sabem, os coelhos são herbívoros e gostam de relva com aditivos.

EDP cria empresa de citrinos

Há seis meses Nogueira Leite jurava ao país que, se os impostos sobre os rendimentos do trabalho aumentassem, sairia do país. Os impostos aumentaram. Abandonou o lugar de administrador na Caixa Geral dos Depósitos, mas não saiu do país.
Hoje, foi nomeado administrador da EDP Renováveis e membro da Comissão de Retribuições da empresa
Mais um aldrabãozeco da pandilha a alambazar-se no pote. Com tantos laranjas a refugiarem-se na EDP, um dia destes a empresa ainda muda o símbolo e abre uma empresa de citrinos
Quanto a mim, limito-me a mudar de fornecedor...

Retrato de um Gril(l)o Falante



A grande surpresa das eleições italianas foi o surpreendente resultado alcançado por Beppe Grillo, o ex- comediante  fundador do Movimento 5 Estrelas.
A sua campanha eleitoral decorreu sob o lema “A honestidade vai ficar na moda” e centrou-se no combate cerrado aos partidos. Para já os frutos traduzem-se numa centena de deputados e 60 senadores eleitos.
Ninguém sabe quem é Beppe Grillo, mas um em cada quatro italianos não hesitaram em dar-lhe o seu voto.Não terá sido por acreditarem na promessa dos 1000 euros de rendimento mensal mínimo, nem na semana de trabalho de 20 horas que o ex-palhaço prometeu. Votaram nele, apenas porque estão fartos dos políticos tradicionais e da corrupção que lhes está subjacente.Mais... votou nele quase o triplo dos italianos que apoiaram o governo Monti imposto pela Europa para governar Itália!
Entre as singularidades do Movimento 5 Estrelas, realce-se o facto de a maioria dos candidatos ter sido escolhido através das redes sociais. Com que critérios? Ninguém parece saber… mas ficámos a saber que no Parlamento, os votos dos deputados do Movimento 5 Estrelas serão precedidos de uma consulta nas redes sociais. Enfim, o circo perfeito!
O triunfo da política espectáculo atordoou a Itália e são imprevisíveis, por agora, os efeitos que poderá ter noutros países europeus. 
Pessoalmente não me sinto confortável ao ler as notícias que vêm de Itália sobre esta personagem do show bizz e chamou-me a atenção, em particular, uma notícia do Público onde se relata um episódio ocorrido em Viterbo, num dos últimos dias da campanha eleitoral. Durante o comício chovia e Beppe Grillo pediu aos apoiantes que fechassem os guarda –chuvas. Foi prontamente obedecido!
O desespero das pessoas pode conduzi-las à alienação e a entregar o seu voto a um ditador, que se faz eleger em nome da democracia e em luta aberta contra os partidos de regime.
Talvez fosse oportuno os nossos partidos pensarem um bocado sobre o assunto. E os eleitores portugueses também...


Foto do dia (17)

                                                               Lewis Hine (Newsie-1912)

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

O homem da Remax

 Pedro Passos Coelho, o homem da Remax, mandou o agente Álvaro a Londres, para vender imobiliário

Quem tem amigos não morre na cadeia

António Ferreira da Silva é um engenheiro de 65 anos que saltou para as luzes da ribalta, depois de ter assassinado o genro, crime que foi filmado e exibido em noticiários televisivos.
Condenado a 20 anos de prisão, Ferreira da Silva ficou a cumprir pena no Estabelecimento Prisional de Aveiro.
Acontece, porém, que o engenheiro é pai da juíza Ana Joaquina, pelo que teve tratamento privilegiado naquela prisão, com direito a receber visitas diárias, não permitidas aos restantes reclusos.
Por razões ainda não apuradas, o engenheiro foi transferido a semana passada para Coimbra e, mais uma vez, com direito a tratamento VIP. Em vez de ir para a "Ala Geral" como acontece com os outros reclusos, o pai da juíza Joaquina foi directamente para uma cela individual.
Lá diz o povo, na sua imensa sabedoria, que "quem tem amigos não morre na cadeia". Quem tem uma filha juíza também não mas, obviamente, que a senhora juíza nada tem a ver com o tratamento especial dedicado ao homicida Ferreira da Silva...

A derrota dos calvinistas


A Itália foi a votos e instalou-se a confusão. Vai ser difícil formar um governo estável e há já quem fale em novas eleições.
Os italianos votaram contra a austeridade, relegando o tecnocrata Monti para a quarta posição, o que constitui um sério aviso à Europa: aqui mandamos nós! Queremos políticos a governar e não técnicos obedientes aos ditames dos países do Norte, munidos de  folhas de Excel enviadas por Bruxelas.
Os países do Norte da Europa - que impuseram Monti para agradar aos mercados e defender os seus interesses -sofreram um forte revés. Os mercados, como se esperava, reagiram negativamente e o futuro dos italianos é sombrio, mas não mais do que o futuro da própria Europa, se insistir nas suas políticas cegas de austeridade para resolver os problemas dos países em dificuldades.
Seria desejável que Coelho e Gaspar percebessem a mensagem, mas isso seria pedir demasiado a quem olha para Portugal como um laboratório de experiências. 
Da troika do etíope e do careca também pouco há a esperar. São meros contabilistas sem visão global dos problemas do país e, muito menos, da Europa. Logo, daí também nada de positivo se poderá esperar a não ser, eventualmente, um alargamento do prazo que, isoladamente, pouco contribuirá para aliviar os nossos sacrifícios, ou resolver os problemas estruturais que afectam o nosso desenvolvimento.
Voltando às eleições italianas. Os italianos votaram contra a austeridade e contra os calvinistas do Norte da Europa, mas o resultado das eleições, além de ter lançado uma enorme confusão sobre o futuro, revela que os italianos estão de tal maneira fartos de austeridade, que não hesitaram  em apostar num palhaço que entrou em cena vindo do nada. Pior ainda… votaram num velho palhaço que nunca cumpriu uma promessa eleitoral e é um dos principais responsáveis pelo descalabro italiano.
Os italianos devem estar loucos, mas conseguiram pôr os nervos em franja aos calvinistas que quiseram impor as regras do circo. Só nos próximos meses se saberá quem ganha este braço de ferro. Talvez em setembro, depois das eleições alemãs, se comece a vislumbrar quem irá ceder. 

Porque somos o melhor povo do mundo?

Custa-me a perceber o conformismo dos portugueses perante a crise e os sucessivos ataques aos seus direitos e aos seus bolsos. Quando via imagens do Relvas no Clube dos Pensadores, fiquei a pensar por que razão as pessoas que assistiam ficaram indiferentes aos protestos protagonizados por duas dezenas que entoavam "Grândola Vila Morena". Se eu lá estivesse, de certeza que me teria juntado ao coro por isso, interroguei-me se a passividade da plateia se deveria ao facto de serem todos apoiantes de Relvas ( o que é preocupante...) ou se eram pessoas apáticas, conformadas com o seu destino que esperavam ali ouvir um sinal de esperança no discurso de Relvas ( o que, a confirmar-se será grave).
Uma terceira hipótese me foi sugerida ontem, ao ler uma notícia sobre a depressão que afecta 200 mil irlandeses, tendo levado já muitos ao suicídio.
Reza a notícia que o governo está extremamente preocupado com o problema e procura soluções para o minorar. Com esse intuito tem promovido diversas conferências, tentando ouvir a opinião de especialistas. Numa delas, um  psiquiatra (ex-deputado trabalhista) propôs uma medida: adicionar à água da rede de abastecimento público, pequenas doses de sais de lítio, substância utilizada em medicamentos para combater as depressões.
Afirma o psiquiatra que esta prática já é seguida no Texas com resultados positivos, pelo que propõe ao governo irlandês que faça uma experiência-piloto numa cidade irlandesa.
Será que por cá já andamos a beber água com sais de lítio e não sabemos?

Foto do dia (16)

Tem barbas, eu sei, mas eu não sou de modas...

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Nós queremos é pilim, pá!


A Santa Casa da Misericórdia decidiu renovar a imagem da lotaria e convidou designers para fazerem a evocação da iconografia nacional nas cautelas.
Há dias foram divulgados os seis vencedores, que receberam mil euros de prémio.
É de louvar a iniciativa da Santa Casa, mas haverá por lá quem acredite que os portugueses vão passar a jogar mais na lotaria, só porque as cautelas mudaram de imagem?
Quem aposta nos josgos da Santa Casa quer é pilim e está-se borrifando para a imagem. Até podem pôr lá o Relvas, porque ninguém vai protestar se for contemplado com a taluda!

Um problema de identidade

Nos últimos tempos os portugueses tiveram de  viver com a pressão provocada por dois dramas pungentes:
1- Deve dizer-se  tomar no cu, ou levar no cu?
2- Eles serão filhos da puta ou filhos de puta?

Para outros, entre os quais me incluo, o drama é não saber se:
1- Cavaco é Presidente da República ou presidente do PSD.
2- Este governo serve os portugueses, ou  se serve dos portugueses?
  Isso sim, faz toda a diferença!

Transferência milionária?

Eu pensava que a época de transferências tinha acabado em 31 de janeiro, mas estava enganado. Já com fevereiro a chegar ao fim há uma transferências milionária. O Marcelo da II Liga acaba de ser promovido para um canal generalista

Meneses, o manipulador das palavras


O “Movimento Cidadãos por Gaia” entregou uma petição pública na câmara, pedindo a redução da factura da água para valores semelhantes aos praticados no Porto.
Na esteira da liderança laranja, hábil  a deturpar a realidade manipulando as palavras, Meneses veio defender que a água em Gaia é mais barata do que no Porto. Na verdade, assim é: no Porto 10m3 custam ao consumidor 11,29€, enquanto o consumidor gaiense paga 11,10€.
Só que o cerne da questão não é esse!  O que o “MCpGaia” pede é a redução da factura, não a redução do preço da água…
Fazendo-se desentendido, LFM ignorou na  resposta que são as taxas de RSU ( resíduos sólidos urbanos) e de saneamento a provocar um agravamento da factura da água dos gaienses em relação aos portuenses.  Com efeito, enquanto no Porto a RSU incide apenas sobre 40% do tarifário, em Gaia esse valor é cobrado a 100%. Já no que concerne à taxa de saneamento, LFM justifica que seja mais gravosa do que no Porto, devido à necessidade de “pagar os avultados investimentos feitos nos últimos 15 anos”.
Já aqui elogiei o enorme desenvolvimento de Gaia durante a presidência de LFM e, quem conhece a cidade, não pode ignorar essa verdade. É natural que sejam os gaienses a pagar esses investimentos da autarquia, pois são eles que estão a beneficiar deles. No entanto, o mesmo não se aplica para a taxa sobre os RSU…
Se chamo à colação este episódio, é para alertar uma vez mais os portuenses para o embuste que poderá ser a criação da cidade Porto/Gaia, se LFM for eleito. Será dos seus bolsos que sairá o dinheiro necessário para pagar a astronómica dívida contraída por Meneses em...Gaia!
À guisa de conclusão, parece-me que a forma habilidosa como o edil gaiense contornou esta questão lhe garante, caso não seja eleito presidente da câmara do Porto, um lugar no elenco governativo pós autárquicas. Ele é feito da mesma massa dos actuais dirigentes do PSD : uma boa dose de aldrabice, percentagem q.b. de malabarismo dialéctico e uma mão cheia de má fé. Depois leva-se ao forno, cobre-se com falta de vergonha na cara e sai um soufflé de laranjas podres. 

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Era uma vez em África...

Havia um café em Sá da Bandeira onde se reuniam três amigas inseparáveis. Quarenta anos depois, uma delas recorda algumas dessas tardes de uma forma original. Em guardanapos de papel. Querem saber mais?  Então vão ver aqui e aproveitem para tomar um café.

Carlos Carvalhas dixit

Já aqui escrevi várias vezes, ser minha convicção que poderíamos não ter chegado a este ponto, se a aliança espúria entre PCP, BE e a direita que assaltou o pote não tivesse chumbado o PEC IV e derrubado o governo.
Fundamentei a minha posição, com o facto de Merkel estar apostada em evitar o pedido de resgate ( tal como veio a acontecer mais tarde com Espanha). Escrevi mesmo que Merkel tinha ficado furiosa com Coelho por ter derrubado o governo...
Alguns leitores criticaram esta minha teoria.
Qual o meu espanto quando oiço esta entrevista de Carlos Carvalhas a corroborar a minha posição, nesta entrevista à Antena 1 na sexta-feira. Ora oiçam lá e espantem-se! 
Mas não é só por esse facto que vale a pena ouvir a entrevista. Carvalhas fala sobre outros aspectos muito interessantes...

Le premier bonheur du jour

Tenham um domingo  mágico!

sábado, 23 de fevereiro de 2013

La vache qui rit

( Via FB)

O cúmulo da inocência

É acreditar que foi mera coincidência Cavaco ter divulgado " a desconformidade" da Lei dos mandatos autárquicos, enquanto estava reunido com Seguro.
Está provado que afinal ele está vivo, mas a fingir-se de morto.

Carne ou peixe?

É sabido que a maioria dos portugueses prefere carne a peixe, mas  na União Europeia o cardápio é variado e aponta para um maior consumo de peixe em 2013. Depois dos PIGS, o que está a dar este ano é o FISH

Arte Urbana (19)

Sim, também é arte urbana criar um recanto assim. Não vos parece?

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Olhó robô!



O Gaspar já se estatelou contra a parede um número indeterminado de vezes, mas continua com aquele ar sorridente que nunca abandona. Só pode ser um robô. Made in BCE, obviamente.
Há, no entanto, uma alternativa... pode ser como a hiena que ri e ninguém sabe porquê!

Puseram-lhe alguma coisa no chá!...

Em Viena, meia dúzia de portugueses convidou PPC para beber uma cerveja e o PM acabou por os convidar para tomar chá (além de ser curiosa esta preferência pelo verbo tomar, compreende-se que PPC tenha optado pelo chá. É uma coisa de que tem falta desde pequenino!).
Rezam as crónicas que a conversa foi agradável, mas omitem que os portugueses terão posto alguma coisa no chá. Logo após a divulgação das previsões da Comissão Europeia que prevêem o dobro da recessão e o aumento do desemprego em 2013, PPC falou aos jornalistas em Viena.
Só a ingestão de alucinogéneos explica estas declarações do dandy da Porcalhota

Seguro foi a Belém anunciar moção de censura?.



Depois da cena de Costa " Agarrem-me senão eu ainda me candidato", Seguro surge remoçado e, esta semana, foi ele a marcar a agenda política.
É certo que beneficiou da desorientação- e até indignação, como ontem Paulo Rangel e Marques Mendes deixaram claro- que grassa nas hostes laranja, depois de Gaspar ter batido contra a parede ao assumir mais uma vez o erro das suas previsões ( Alguém acredita que um dia será capaz de acertar?), mas a  missiva à troika foi reconhecida à esquerda e à direita como uma cartada bem jogada. 
Seguro não só  mostrou ter percebido que o nosso futuro se joga no tabuleiro da política europeia, como marcou pontos ao ser recebido por Durão Barroso. Esquivou-se também, de forma hábil, à tentativa de aproveitamento do PSD que pretendeu aproveitar a oportunidade para restabelecer o diálogo com Seguro.
Hoje, por esta hora, está a ser recebido por Cavaco e não me parece que tenha ido a Belém para tomar chá. Sendo certo que nada se irá saber da conversa entre Seguro e Cavaco ( o líder do PS deve ter um grande poder  de persuasão, para conseguir dialogar com um morto...), é legítimo fazer especulações e eu arrisco-me a fazer a minha. 
Além de apresentar a sua perspectiva sobre a situação política em Portugal,Seguro irá pedir a Cavaco o mesmo que  Miguel Ângelo pediu à estátua de Moisés: FALA!  ( obviamente  não dirá como o escultor, Fala, ou que a peste te leve! mas vontade certamente não lhe faltará)...
O mais provável é Cavaco responder-lhe que falará quando entender e Seguro aproveitará para anunciar que chegou a hora de apresentar uma moção de censura. Obviamente que em nada contribuirá para derrubar este governo, mas marcará pontos cá dentro e também perante a troika que já terá percebido a necessidade de ouvir as reclamações do maior partido da oposição, porque a queda do PSD é apenas uma questão de tempo.
Nessa altura, glosando Cavaco, Seguro dirá "Eu tinha avisado!"
O problema é o que virá depois...

A lei do álcool explicada aos totós

Tratando uma vez mais os portugueses como totós, o governo veio "explicar" o tratamento diferenciado entre a cerveja, o vinho e as bebidas espirituosas, previsto na lei do álcool, dizendo que se deve ao facto de ser "totalmente diferente beber um copo de vodka ou dez cervejas"
Nem me dou ao trabalho de pedir ao governo para fundamentar a sua afirmação, porque isso seria pedir demasiado a quem  anda a enganar os tugas ou não percebe rigorosamente nada do assunto. Peço apenas que não nos tratem por totós!
De qualquer modo, este tema não tem qualquer interesse, porque se trata de mais uma lei que ninguém vai cumprir, como acontecia com a que já está em vigor. Só quem nunca entrou numa discoteca depois da 1 da manhã é que nunca viu jovens de 12, 13 e 14 anos completamente bêbados.
Assim sendo, recomendo que emoldurem a lei num gabinete da Gomes Teixeira, ou perguntem ao Viegas se tem uma melhor solução.

Foto do dia (15)


quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Estás a pedi-las, Crato!

Nuno Crato mostrou hoje, na AR, estar em sintonia com Gaspar e Cavaco. Para o ministro da educação, o que importa em relação ao desemprego é o futuro. Os actuais desempregados ( a maioria dos quais nem tem subsídio de desemprego, nem esperança de voltar a encontrar um posto de trabalho), que se lixem! São carne para canhão. Que se f....!
Esta estirpe de gente reles está a pedi-las. Mesmo que o sr Assis, o sr Santos e o sr Pedroso achem a legítima defesa antidemocrática.

Está lá? Daqui fala o morto!

O pastel de Belém saiu do congelador, para aconselhar os jovens a estudarem.
Subitamente voltaram a metê-lo no congelador, pelo que não teve tempo de acrescentar: estudem, porque assim obtêm mais qualificações para poderem emigrar.
Pior do que um disco riscado, só mesmo este pastel de Belém! Não podemos exportá-lo?

Uma pedrada no charco

Afastado da blogosfera durante uns dias, só hoje li este belíssimo texto de Paulo Varela Gomes. Se também não leu, não deixe de ler. JÁ. AQUI

Conselho de ministros reúne hoje às 21 horas!


A polícia aconselhou o governo a mudar a agenda e o governo acedeu. A partir de agora, as reuniões do conselho de ministros passam a realizar-se a partir das 21 horas e a agenda de deslocações dos ministros decorrerá entre a 1 e as 6 da manhã.
O CR conseguiu uma entrevista exclusiva com Miguel Relvas que justificou assim a decisão:
“ Nós aceitamos as opiniões de todos os portugueses, sejam eles cidadãos anónimos ou ex membros do governo. É natural, por isso, que acatemos os conselhos da polícia…”
Mas isso vai alterar profundamente os hábitos do governo…
"Está enganado! O que realmente nos atrapalhava era a luz do dia. Como bons vampiros, que nos orgulhamos de ser, exercer a nossa actividade durante a noite vai contribuir, de forma significativa, para melhorar a nossa relação com os portugueses e defender os seus legítimos interesses, num país próspero e moderno".
Quer então dizer que a partir de agora os portugueses podem esperar um alívio das medidas de austeridade?
Não foi isso que eu disse e sublinho. Tal como anunciamos, logo no início deste governo, que haveria uma selecção natural das empresas, chegou a hora de os portugueses também serem seleccionados de acordo com as suas capacidades.Quem aguentar, aguenta. Quem não aguentar, é porque não tem lugar neste país. Que emigre, porque há muitos bons países por esse mundo para acolher os portugueses. Temos de ser realistas e pragmáticos. As pessoas só atrapalham a nossa governação e Portugal tem gente a mais. Você também não gosta de andar num autocarro a abarrotar de gente, pois não?



Foto do dia (14)

Sunderland, 1974
Foto de  Ian Berry

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Voto nessa...

Não gosto de  ouvir "Grândola Vila Morena"  ser entoada a toda a hora perante inimigos do 25 de Abril. Apoio por isso a sugestão de alguns que, no FB, vão pedindo que os manifestantes passem a  cantar "A Mula da Cooperativa" ou, em alternativa que me atrevo a sugerir, "Qual é a tua, ó meu?" de que aqui deixo o refrão
Qual é a tua, ó meu? 
Andares a dizer "quem manda aqui sou eu"? 
Qual é a tua, ó meu? 
Nesse peditório o pessoal já deu. 

Eu explico..

Para quem não sabe o que é estar com gripe e  ter 39º de febre, eu explico:
É ter a cabeça oca como a Lili Caneças, as pernas pesadas como um lutador de sumo e o corpo tão dorido, como se tivesse apanhado uma sova da Juve Leo.
Felizmente já passou e regressei à normalidade.
Obrigado a todos(as) que me desejaram as melhoras.

Qual foi a parte que não percebeste, Gaspar?

Apenas três meses depois de ter conseguido a aprovação do OE para 2013, por um conjunto de meliantes que se proclamam deputados do povo, Vítor Gaspar veio admitir que a recessão de 1% prevista para este ano irá atingir os 2%. (pelo menos, digo eu, sustentado em análises que por aí tenho lido e admitem um aumento bastante superior...).
Vitor Gaspar ainda não acertou uma única vez nas suas previsões. Erros sistemáticos são razão suficiente para qualquer funcionário público ser alvo de um processo disciplinar mas, quando se trata de ministros, a música é outra. O seu superior hierárquico defende-os até ao fim.
Resultado: vem aí mais austeridade, mais desemprego, mais falências, mais pobreza, mais suicídios, mais criminalidade violenta. Os portugueses estão a ser vítimas de um grupo de fanáticos que adoram números, mas nem sequer aprenderam a tabuada. Sonolento e preguiçoso, o pastel de Belém boceja e diz aos seus amigos: " Eu já tinha avisado!"
Em tempo: Depois da gozação do Gaspar,ainda há quem acuse os estudantes de não respeitarem a democracia? 

Toma lá, que é democrático!


Estou de acordo com os que dizem que a manifestação dos estudantes contra Relvas não foi democrática, mas isso não significa  que concorde com as críticas que lhes têm sido dirigidas.
Antes de mais, se houve algum erro no ISCTE, foi cometido por quem convidou Miguel Relvas a discursar.  Foi um erro de casting, porque o ministro não pertence àquele filme. ( Já se esqueceram do caso Público?)
Os estudantes  desrespeitaram as regras do jogo democrático mas, ao contrário do que já li por aí, não foram eles a quebrar as regras. Apenas se limitaram a responder, com as armas que têm, à batotice de um governo que já demonstrou, sobejas vezes, que convive mal com a democracia e não perde qualquer oportunidade para violar os direitos dos cidadãos.
Já há muito defendo que o governo perdeu a legitimidade, porque fez batota para ganhar as eleições.
Aqueles que acusam os estudantes de ter exorbitado o âmbito da sua luta devem ter esquecido o tempo em que, para combater o Estado Novo, os estudantes saíram à rua em protesto tendo alguns pago com a vida a sua luta.
Não se pode combater um governo anti-democrático, que escraviza um povo e o vende aos interesses da alta finança internacional,  sem ser pela luta. 
Pedir aos estudantes que joguem as regras da democracia, é pedir-lhes que se defendam com penas de quem os agride com pedras.
Este governo vendeu os portugueses e o seu património, mas  nunca foi legitimado democraticamente  para o fazer. É um governo fora da lei e, como tal, deve ser combatido por todos os meios que os portugueses tenham ao seu alcance. 
Todos os dias vemos pessoas a aumentar o rol dos desempregados- a maioria dos quais nunca mais voltará a ter emprego;
Diariamente, centenas de pessoas são atiradas para a pobreza sem retorno;
Diariamente vemos pequenos e médios empresários a fechar as portas das suas empresas que eram o seu sustento;
Assistimos a um crescendo do número de suicídios;
Aumenta o número de pessoas com depressões e, por tabela, a violência doméstica e a criminalidade motivada pelo desespero dos que perderam a esperança no futuro.
Perante tudo isto, alguns indignam-se e condenam os estudantes por terem impedido, com protestos, que um trapaceiro discursasse numa assembleia de engravatados.
As regras da democracia devem ser respeitadas quando o governo as cumpre. A partir do momento em que o governo começa a fazer batota e o árbitro que dirige o jogo faz vista grossa às agressões, qualquer reacção à margem da lei deve ser encarada como legítima defesa.

Foto do dia (13)

Entrada de uma estação de metropolitano
Bruno Barbey- Xangai 2010

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Relvas expulso do ISCTE

Por causa da gripe não pude estar hoje na conferência da TVI, mas acompanhei pela televisão algumas intervenções, de que destaco a de Miguel Sousa Tavares.
Tudo estava a decorrer dentro da normalidade, até ao momento em que Miguel Relvas se levantou da plateia para fazer a sua intervenção. Nesse momento, os estudantes irromperam em protesto ruidoso, empunhando cartazes e exigindo a demissão do ministro e do governo.
José Alberto Carvalho anda subiu ao palco numa tentativa de apaziguar os ânimos. Debalde. Ao fim de alguns minutos o ministro foi mesmo obrigado a abandonar a sala. Literalmente escorraçado !
Se Coelho pensava que o caso Relvas estava encerrado, passado que foi o período de nojo, deve agora parar para reflectir. No momento em que são exigidos mais e mais sacrifícios aos portugueses, ainda há quem não tolere a continuação de um trapaceiro a ocupar o lugar de ministro.
Até quando aguentará  coelho Relvas no governo?  Ou quando é que Relvas compreenderá que está a ser um problema para um executivo cada vez mais desacreditado e apenas se mantém porque  algures,num palácio,um reformado em estado comatoso continua a fingir que é presidente da república.
Adenda:Em menos de 24 horas, Relvas foi alvo de duas acções de contestação. É o bombo da festa e bem merece.

Vi fadas e duendes...

... e foi então, quando a febre baixou, que me lembrei disto...

Sem ofensa para os porcos...


Cantar Grândola Vila Morena a Miguel Relvas é como atirar pérolas a porcos. O homem nem sequer sabe a letra, porra!

Foto do dia (12)


domingo, 17 de fevereiro de 2013

Terei de apresentar atestado médico?

Estou com gripe e sem forças para me deslocar ao café, mas vou fazer um esforço para ver se ainda envio um SMS a explicar a minha ausência.Azar! Logo hoje que há por lá uns acompanhamentos à moda antiga! 
Se passarem por aqui vão até lá e expliquem a razão da minha ausência, sff. Obrigado!

Acabou-se o pagode!


Dez anos depois, acabou-se o pagode!
 Uma bandeira portuguesa hasteada à entrada do conselho europeu desde 2003, onde os pagodes ocupavam o lugar dos castelos, foi finalmente substituída.  Não pensem, porém, que o lapso foi detectado por algum dos nossos governantes, de pin ao peito.  A descoberta foi feita por eurodeputados do PCP.
O que mais espanta é que, depois da polémica das bandeiras portuguesas "made in China" que durante o Euro 2004 agitaram a consciência nacional,  tenham sido necessários 10 anos para alguém perceber que a bandeira hasteada à entrada do conselho europeu, terá provavelmente a mesma proveniência.
Agora que se acabou o pagode, podemos aspirar, finalmente, a ter um governo de portugueses que não sejam de contrafacção e um PR a exercer as suas funções na plenitude?
Não acreditem... isso era bom demais

Le premier bonheur du jour

Bem, como não consegui inserir o video, isto hoje vai mesmo com link. É que vale mesmo a pena ver este show de sapateado irlandês, acreditem!
Ora vejam lá!

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Ainda vamos ter uma surpresa...

UE aprova plano para despistar carne de cavalo. Ainda vamos descobrir que nas refeições de coelho com laranja, o láparo foi substituído pelo equídeo e as laranjas por limões.

E agora, sr. Silva?



Há um mês, Pedro Passos Coelho respondia ao discurso de Ano Novo de Cavaco Silva, dizendo peremptoriamente "não há nenhuma espiral recessiva".
Hoje, na AR,  veio admitir que afinal é capaz mesmo de haver, mas a culpa não é dele... é da conjuntura externa e, claro, de Sócrates!
Por este andar, é bem provável que um dia destes acabe por admitir que entrámos num caminho sem retorno para o abismo e a luz ao fundo do túnel afinal, apagou-se. De qualquer modo nunca admitirá que a culpa é da política autista que o governo vem seguindo. Os incompetentes nunca admitem os seus erros e  coelho é bem capaz de dizer que a culpa é dos portugueses,que não colaboraram,e acabe por pedir a extradição de Sócrates, essa nefanda figura que está em Paris a fazer tudo para que as políticas do governo não dêem certo e a incitar os portugueses contra a sua tralha govenativa.
Agora que PPC vem admitir  a espiral recessiva e a sua incapacidade para tirar o país do atoleiro em que o meteu, o sr Silva vai continuar encerrado no seu palácio de marfim num tenebroso silêncio?
Ao menos seja digno uma vez na vida, sr. Aníbal Silva, e faça o que tem a fazer: demita este governo por incompetência e aventureirismo.
Nós cá estaremos para julgar essa trupe por genocídio premeditado!
Em tempo: hoje, quando nas galerias da AR as pessoas começaram a cantar o "Grândola Vila Morena" o homem que assaltou o pote reagiu dizendo que era de muito bom gosto. Pedro acredita que pode vencer as pessoas pelo cinismo. Respondamos na mesma moeda e perguntemos-lhe: gostava de ser  fiscal de impostos e encontrar o Viegas à saída de um restaurante, não gostava? 

Deficiência de comunicação? Não sejam tolos!

Imagem da Net

Todos sabem que qualquer grupo  fechado tem um código vocabular próprio, só interpretável pelos seus membros.  É por isso que quando um grupo mafioso, por exemplo, fala para o exterior, a sua mensagem tem um significado para o público que é entendido de forma diferente pelos membros da seita.( ver imagem: como comunicam Paulo, Pedro e o sr Silva?)
São também conhecidos inúmeros casos em que os membros de um grupo de criminosos comunicam entre si em linguagem cifrada, através de anúncios publicados na imprensa, para combinar o modus operandi, ou a data e local de um crime minuciosamente planeado. No entanto, essa linguagem só é cifrada para os membros do grupo, sendo interpretada pelo público em geral, como um banal anúncio, com linguagem vulgar.
Vem isto a propósito das constantes críticas feitas ao governo, por ser incapaz de comunicar com os portugueses. Alguns comentadores, como Marcelo Rebelo de Sousa ou Marques Mendes, pródigos em repetir esta acusação, deviam saber que um código de comunicação demora a ser construído e o governo ainda está a experimentar diversas versões que lhe têm sido apresentadas pelos inúmeros especialistas em comunicação contratados pelos diversos gabinetes ministeriais.
Há, no entanto, sinais de evolução. Um deles refere-se ao roubo de quatro mil milhões, onde a linguagem do governo tem manifestado uma grande capacidade de adaptação no seu discurso.
Pedro começou por chamar-lhe “refundação do Estado”. Depois, Gaspar falou em reestruturação do Estado. Mais tarde, alguém aventou que se tratava simplesmente de um corte na despesa.
Há dias o Moedinhas veio dizer que se trata de poupança.
Um dia, num futuro ainda longínquo, algum historiador utilizará uma expressão mais burilada:golpaça constitucional, com dispositivo de roubo incorporado”.
Ao fim e ao cabo, todas estas expressões podem ser reduzidas a uma simples palavra: ROUBO!
Um dia alguém admitirá que é exactamente isso que o governo se prepara para fazer, com o apoio de um gang de criminosos internacionais, contratados pela Goldman Sachs e que exercem a sua actividade no FMI, BCE e UE.
O único objectivo é roubar nos salários e nas reformas, para entregar o dinheiro aos bancos que posteriormente devolverão parte do produto do roubo aos membros do governo sob a forma de cargos em organismos internacionais  e outras mordomias em espécie.
Os comentadores que falam em deficiência de comunicação estão apenas a complicar o que é simples. Se tivessem lido livros policiais, nunca cometeriam esse erro infantil…

Mas quais direitos? Está tudo doido?

Um tipo chumba no exame, porque não estudou a matéria. Duas semanas depois, o ministro é acusado de estar envolvido num caso de corrupção. O tribunal iliba-o.
Que faz o aluno?
Exige passagem administrativa, porque os seus direitos foram violados. Está tudo doido, ou quê?

Foto do dia (10)






quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Governo celebrou Dia dos Namorados

Miguel Relvas queria ir hoje  jantar sozinho com Passos Coelho. Levou uma nega porque o Pedro aderiu ao Poliamor

Foi você que pediu um Dia dos Namorados?

Lamento, mas aqui não há! Que tal experimentar aqui?

Quem se lixa é sempre o mexilhão



«Caro Paulo Núncio [secretário de Estado dos Assuntos Fiscais]: queria apenas avisar que, se por acaso, algum senhor da Autoridade Tributária e Aduaneira tentar `fiscalizar-me´ à saída de uma loja, um café, um restaurante ou um bordel (quando forem legalizados) com o simpático objetivo de ver se eu pedi fatura das despesas realizadas, lhe responderei que, com pena minha pela evidente má criação, terei de lhe pedir para ir tomar no cu, ou, em alternativa, que peça a minha detenção por desobediência», escreveu Francisco José Viegas.
Ele, pobre funcionário, não tem culpa nenhuma; mas se a Autoridade Tributária e Aduaneira quiser cruzar informações sobre a vida dos cidadãos, primeiro que verifique se a Comissão Nacional de Proteção de Dados já deu o aval, depois que pague pela informação a quem quiser dá-la» 
Francisco José Viegas no blog A Origem das Espécies ( sublinhado meu)

 FJV seria  um homem corajoso se, em vez de agir contra o mexilhão - ele está a lutar pelo ganha pão- enviasse essa mensagem ao mandante. 
De qualquer modo, o desabafo explica ainda melhor as razões de saúde alegadas por FJV quando abandonou o governo. 

A nova táctica dos falhados

O governo tem uma nova táctica para justificar os seus sucessivos falhanços. Agora já não diz que está a trabalhar para que as coisas melhorem... diz que se as coisas não melhorarem a culpa será de circunstâncias externas.
No fundo, o que eles querem dizer é que as previsões do Banco de Portugal vão confirmar-se, mas em vez de assumirem o erro, PPC e comandita vão usara a táctica da vitimização.
A culpa de não haver crescimento, de o desemprego aumentar e a economia definhar não é do taralhoco do Gaspar, nem do inapto coelho, é de uns mauzões que andam lá por fora a fazer mal ao país.
É por culpa desses mauzões que as exportações estão a diminuir e o desemprego disparou de 11,1%, quando eles tomaram posse em 2011, para 16,9%. Com tendência para subir, como assumiu  coelho com aquele ar de beata de sacristia.
O que esta gente merecia era passr o resto da vida a beber água e comer caralhotas. Bem rijas!

Foto do dia (9)

Viajar de comboio na Índia é uma aventura inesquecível! Eu viajei, mas com um "bocadinho" menos de gente a fazer-me companhia. No entanto, ainda tenho entranhados em mim os odores e as memórias do que presenciei.durante a viagem.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Há Chocos com Caralhotas!



Depois de "A BOLA" ter dedicado uma primeira página ao FC do Porto, para informar os benfiquistas que os azuis e brancos estavam afastados da Taça da Liga, hoje deve ter havido muitos chiliques, muito ranger de dentes, muita promessa de vingança na sede daquela agremiação com carteira de jornalista. É que afinal a notícia era falsa e visava, exclusivamente, pressionar o Conselho de Disciplina.
Indiferente às pressões da redacção de "A BOLA" e daquele clube habituado a ganhar na secretaria, o CD julgou o caso e  confirmou a presença dos portistas na prova. Nem de outra forma poderia ser, se tivermos em consideração casos similares ocorridos esta época, que Miguel Sousa Tavares aqui explica  
 Entretanto o clube dos chocos terá marcado uma conferência de imprensa para protestar contra tamanha injustiça.  notícia a  que o jornal das  Caralhotas deu o merecido destaque. Eles gostam muito que os adversários do FC do Porto ganhem na secretaria, quando não o conseguem fazer em campo.
Parece perceber-se agora melhor os contornos daquele assalto à FPF, como salienta MST no seu artigo de opinião. 
Quando se juntam Chocos e Caralhotas tudo é possível.

Vocês estão a precisar de uma ensinadela...

Já por diversas vezes defendi que pedir factura é um dever cívico.Sempre as pedi nos restaurantes e estabelecimentos comerciais, antes da crise, apesar  de saber que muitos consideravam esse meu gesto como "mau feitio".
No entanto, quando o governo começa a fazer ameaças deste jaez e pretende fazer de cada cidadão um polícia, começo a ter vontade de mandar o Moedinhas, o Gaspar e toda a trupe governativa dar uma voltinha ao bilhar grande.
Está na hora destes gajos levarem uma ensinadela para ver se percebem que gozar com a malta pode acabar mal!
Entretanto, aproveito a oportunidade para fazer uma pergunta:
Em Janeiro pedi cerca de 20 facturas. Por que razão só uma consta no meu registo no portal da AT? 
Talvez consiga fazer a pergunta a um  PIDE  fiscal que me aborde à saída de uma loja, para confirmar se eu pedi factura na compra do jornal. Ou de uma bica...

Cartas do Além

Está confirmado: No Céu não há Internet!  O morto que jaz em Belém  e às vezes dá sinais de vida, através do Facebook, desta vez pretendeu comunicar com o representante de Deus na Terra e utilizou a ancestral forma de comunicação: escreveu uma carta. 
Trata-se de uma carta fantasmagórica e, só por isso, não me atrevo a dizer que mete nojo. Também não digo que é uma vergonha, porque os fantasmas não têm cara. Limito-me por isso a chamar a atenção dos leitores para uma omissão grave:
Só lhe faltou dizer que o Oliveira e Costa e o Dias Loureiro mandavam beijinhos e punham o BPN e a SLN ao seu serviço 

Quarta- feira de cinzas


Coincidência ou premonição, foi numa quarta-feira de cinzas ( 9 de Março de 2011) que Cavaco Silva tomou posse para exercer o segundo mandato de Presidente da República.
Nessa quarta-feira escrevi: entramos finalmente na Quaresma da democracia. Talvez não haja festejos na marquise da Rua do Possolo mas, cumprindo as promessas de Cavaco Silva, os juros da dívida começarão a baixar. Poderemos respirar de alívio e organizar uma peregrinação a Boliqueime para agradecer ao inquilino de Belém. Cumprindo a tradição deste dia, Cavaco será ungido pelo celebrante com as cinzas simbólicas do arrependimento?
Quase dois anos depois, o país continua de luto. O Rei Momo jaz morto e arrefece num palácio com vista para o rio. Há quem afirme que às vezes, durante a madrugada, vê o seu fantasma passear nos jardins a contar os lucros das acções do BPN. 
Quando um medium lhe lembra o estado em que ele  e os seus amigos deixaram o país, responde com um sorriso nos lábios e acena com um maço de notas atado a uma tira de papel onde se lê:
"A má moeda expulsa a boa moeda"- o inverso do que escrevera num artigo há muitos, muitos anos...

Foto do dia (8)

                                           Paris é uma festa!

Pobres diabos


Esta terça feira de Carnaval mostrou, uma vez mais, que o governo está completamente alheado da realidade do país. Ao teimar em não dar tolerância de ponto aos funcionários públicos, PPC foi mais uma vez desautorizado.
 As empresas privadas que costumavam fechar, continuaram a fazê-lo.  
As escolas, por força da pausa lectiva, estiveram encerradas.
Centenas de autarquias marimbaram-se para o PM e fecharam as portas.
O director regional de turismo da zona centro, zurziu forte e feio no governo, acusando-o de estar a asfixiar a economia local. 
As empresas públicas não fecharam, mas a maioria deu opção aos seus trabalhadores para folgarem hoje, ou escolherem um outro dia de folga. 
Os transportes públicos cumpriram os horários  de fim de semana. O metropolitano funcionou com o número de carruagens do fim de semana e com os horários desses dias.
Resumindo, apenas parte do funcionalismo público foi trabalhar. Ou melhor… fingir que trabalhava. Em vários organismos públicos ( muitos deles quase às moscas...) as pessoas apareceram mascaradas. Afiançam-me, vários amigos, que se navegou muito pela Net, se conversou bastante e os almoços duraram até às tantas.  Às cinco da tarde não havia praticamente ninguém a trabalhar.
O balanço da teimosia governamental redundou  em gastos desnecessários.  Se tivesse havido tolerância de ponto, poupar-se-ia muito em energia, água, consumíveis, etc e os funcionários não teriam recebido subsídio de refeição. Teria sido uma poupança significativa, mas o governo preferiu insistir na teimosia e mostrar "quem manda", fingindo ignorar que o dia hoje foi muito pouco produtivo e que a despesa não deu para os lucros.
Não seria muito grave, se isto não explicasse a razão de o governo estar constantemente a errar as contas e a enganar os portugueses, com a sua inépcia contabilística de mercearia rasca de bairro. Nem sequer são capazes de perceber que a sua medida autista prejudica economias locais, num período de grandes dificuldades. 

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Os meninos traquinas da esquerda folclórica

Na véspera da terça feira de Carnaval de 2011 ( 7 de Março) o Bloco de Esquerda entregou na AR uma moção de censura ao governo Sócrates. Foi uma boa medida. Pelo menos acabou-se a tolerância de ponto, o país virou um Carnaval permanente com a esquerda a atirar serpentinas aos cabeçudos em cortejo e o governo a intoxicar-nos com bombinhas de mau cheiro.
Lindo serviço, camaradas, mas agora é o momento de limparem o lixo, tá? 
Portugal não é um quarto de brinquedos de criancinhas ricas e  mimadas que, depois da brincadeira, vão à sua vida enquanto as criadas se esfalfam a arrumar o quarto, para que esteja em condições para nova brincadeira.
O PS prestou-se, demasiadas vezes, a desempenhar o papel da criada que limpava a sala de brinquedos onde a esquerda se divertia. Tantas vezes foi maltratado pela esquerda, que agora arranjou um líder que se recusa a ser criada de servir. Amancebou-se com o patrão e tem um futuro mais próspero.
Foi isto que a esquerda mimada arranjou. Agora, aguentem-se com as novas regras: quem suja e desarruma, não fica à espera da criada, limpa a sua própria porcaria.
Ah, é verdade, não percam tempo a chamar pelo povo! Ele está-se marimbando para vocês. Está-se marimbando para tudo que vá além do seu umbigo, aliás... O sonho deste povo é ser igual a quem o rouba. Passar-se para o outro lado enquanto é tempo. Enquanto não consegue fazê-lo, vai-se escondendo o mais que pode. Não faz barulho, nem reivindica. Espera a sua oportunidade. Com a mesma perseverança com que joga no Euromilhões.
Se é com este povo que contais, camaradas, desenganai-vos. Este povo não vale um traque. Olha para os partidos de esquerda como um grupo de meliantes que chuta na veia e detesta trabalhar. Se vocês tivessem lido Marx com atenção, já tinham percebido que (genericamente) o povo é o vosso pior aliado e o melhor amigo da direita.

Baile de Máscaras à escala global



O caso da carne de cavalo encontrada nos produtos da empresa sueca Findus, ilustra de forma clara como a globalização, em vez de servir os interesses dos consumidores, é um belo pretexto para ocultar vigarices.
Para se perceber melhor o que se passa explique-se o que aconteceu:
Uma empresa sueca encomenda as suas refeições ultracongeladas a uma empresa francesa, que pede a uma empresa cipriota que lhe forneça a carne. Esta, por sua vez, subcontrata uma empresa holandesa, que adquire o produto na Roménia. 
Consumidores de todo o mundo compram o produto que, seguindo as regras da União Europeia, informa os consumidores, na rotulagem, que está a comprar um produto com genuína carne de vaca.
Numa demonstração de pieguice ( como se desconfiasse que aquilo fosse carne), um laboratório do Reino Unido descobre que o produto adquirido pelos consumidores não contém carne de vaca, mas sim de cavalo. 
Começam a procurar-se os culpados, aplicando as regras  da rastreabilidade, que permite seguir o rasto  dos produtos alimentares e seus componentes, até à origem. 
Conclusão: os romenos são os culpados, porque foram eles que venderam a carne. Ninguém se espanta, porque os gajos são ciganos e "todos sabem que essa gente é vigarista". De qualquer modo, os consumidores podem estar descansados, porque a carne de cavalo não faz mal à saúde, avisam as autoridades alimentares da União Europeia.
Os consumidores tranquilizam-se com a explicação e ficam felizes porque foram encontrados os culpados. MENTIRA! 
Mesmo partindo do princípio que a carne de cavalo foi adquirida na Roménia, houve negligência na fiscalização dos intermediários: cipriotas,holandeses,franceses e também suecos são de igual modo responsáveis, pois não respeitaram as regras da União Europeia que impõe a obrigatoriedade de fiscalização do produto. Claro que culpar os romenos é mais fácil, porque a Roménia é o elo mais fraco nesta cadeia. Os suecos e holandeses calvinistas estão acima de qualquer suspeita, até porque são loiros e ricos. Com os franceses é melhor não criar problemas e, se for preciso arranjar outro culpado para acalmar a opinião pública, os cipriotas estão mesmo a jeito...
EM PORTUGAL tudo seria mais fácil. Detectada a fraude, logo um ministro viria desvalorizar a questão dizendo que estando nós a viver em época carnavalesca,  afinal se tratava de vacas mascaradas de cavalos, pelo que não há razão para alarme. E siga o baile... de máscaras!


A foto do dia (7)

É Carnaval, nem as árvores levam a mal...

Um papa a falar português?



A renúncia de Bento XVI apanhou o mundo inteiro de surpresa mas, ao saber da notícia, a primeira coisa de que me lembrei foi do filme de Nanni Moretti "Habemus Papam" e das semelhanças entre a ficção de um filme e a realidade da amargura de um Papa. A diferença é que no filme de Nanni Moretti, o Papa eleito em conclave Michel Piccolli), não chega a tomar posse, enquanto Bento XVI assumiu o pontificado durante oito anos.
Poucas horas depois do anúncio, já se movimentam as bolsas de apostas quanto ao nome do seu sucessor e isso leva-me a recordar cenas do filme e a expressão de terror no rosto de alguns candidatos. É muito provável que essa situação ocorra no mundo real, mas pouco provável que, ao ver o filme de Moretti, muitos tenham pensado que uma situação de renúncia pudesse ocorrer.
Não dou palpites quanto à nacionalidade do futuro Papa, porque é matéria em que sou absolutamente leigo, mas gostaria de ver, pela primeira vez na História, um latino-americano a ser eleito Papa. 
Se isso acontecer, o futuro Papa falará português pois, de acordo com os especialistas, é brasileiro o único cardeal latino-americano com aspirações ao lugar. 
É a segunda vez que um Papa renuncia. Bento XVI- é importante dizê-lo- mostrou  grande dignidade ao tomar a decisão. Demonstrou clarividência e  evita a repetição de um final de pontificado doloroso, como foi o de João Paulo II. 


segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Sr. Aníbal e D. Maria têm novos amigos!


Não tenho tido tempo, nem disposição, para ler jornais. Só de quando em vez deito uma olhada aos noticiários e não me tem sido possível visitar os blogs de que tanto gosto ( embora espere ainda hoje regressar às visitas, mesmo que lentamente,,,). 
Um dia destes, porém, quando fui entregar o boletim do Euromilhões ( estou muito empenhado em ajudar o governo, contribuindo com 20% de um  prémio superior  a cinco mil euros, como determinou Vítor Gaspar por decreto...),  dois jovens galhofavam sobre uma notícia do JN. Dei uma espreitadela, fixei o título e hoje  fui recuperar a notícia e esta fotografia que me tinha sido enviada por e-mail há bastante tempo.
Congratulo-me, por isso, ao saber que os jovens cumpriram bem o seu papel e o Sr. Aníbal e a D. Maria têm novos amigos Acção, aliás, muito elogiada pela Organização Mundial de Saúde!
Agora, só falta o sr. Aníbal ser amigo dos portugueses...

Relvas, o Pensador



O Clube dos Pensadores resolveu  pregar uma partida de Carnaval aos frequentadores daquela tertúlia, por onde já passaram alguns nomes ilustres da política, da cultura e da ciência. Vai daí, o convidado de hoje é, nada mais nada menos,Miguel Relvas, o ministro inamovível que norteia a sua vida pela procura do conhecimento permanente.
Será que Miguel Relvas  vai aproveitar a ocasião para explicar aos presentes como se obtém uma licenciatura por equivalência, sem nunca por os pés na Universidade? Não me parece, porque o segredo é a alma do negócio e Relvas não quer ter concorrência nesta matéria.
Talvez opte por esclarecer como é possível votar num candidato autárquico sem ser eleitor no círculo do candidato que apoia
Também é possível que desvende o mistério da secretária partilhada com o PM
Talvez disserte sobre outro tema qualquer, mas uma coisa é certa: não peçam ao pequeno Torquemada de Tomar para ter um pensamento, porque como o próprio diz,  não há fundo sem poço...

A foto do dia (6)

Festival das Lanternas em Chiang Mai ( Tailândia)

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Noites brancas

O café de hoje é servido em Saint Germain. Não no Café del Fiore, nem no Les Deux Magots, mas num sítio muito especial a que só quem ama a vida tem acesso. Querem provar? Então vão até aqui!

Ouvi dizer...

Eu cá não sou de intrigas, mas ouvi dizer que hoje os socialistas se reúnem para dizer a Seguro:
" Avança lá, pá!  A gente está contigo. És amigo do Coelho e em 2015 vocês lá se hão-de entender!"

Le premier bonheur du jour


sábado, 9 de fevereiro de 2013

É sempre bom lembrar....


Terminou ontem,na SIC, a exibição do trabalho de investigação de Pedro Coelho ao caso BPN.  É altura de recordar estes brindes  e nos revoltarmos um bocadinho mais. Depois, só falta passar à acção...
Tenham um excelente fim de semana
22230


Não batam mais no ceguinho!

Daniela Ruah
Soraia Chaves

Marta Leite Castro
Assim à pressa, foi o que arranjei para a troika portuguesa, mas este estabelecimento tem Livro de Reclamações...

A foto do dia (5)


sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Jimmy, o Justiceiro


(Continuado daqui)
Nos Estados Unidos pegou moda fazer justiça por iniciativa própria. Um dos casos abordados na reportagem de  que vos falei ontem, é o de um fulano que decidiu ganhar  a vida fazendo de justiceiro. Todos os dias se mete no carro e percorre a zona de prostituição da cidade (cujo nome não fixei)  munido de uma câmara de filmar. Quando vê uma prostituta entrar num carro, segue-o à distância. Quando presume que o acto esteja a ser consumado, aproxima-se do carro, filma e obriga o homem a abandoná-lo… nu!
Depois exibe os filmes no You tube e com isso consegue ganhar dinheiro de diversos patrocinadores. Diz, no entanto, que o seu objectivo não é ganhar dinheiro, mas sim humilhar as vítimas e manifesta-se muito feliz por já ter desfeito muitos casamentos e muitas famílias.
Outro tipo patusco, actua em Nova Iorque. Não anda atrás de criminosos, mas sim de polícias. Isso mesmo…polícias!
Este cidadão americano que se auto intitula  “ Jimmy o Justiceiro” anda pelas ruas  do centro de Nova Iorque, ( especialmente Times Square e adjacentes) de câmara na mão,a  filmar polícias que estacionam em locais proibidos,  desrespeitam os semáforos e sinais de trânsito e não param nas passadeiras.
Sempre que pode aborda os infractores mas, em todas as ocasiões envia os filmes para a Polícia de Nova Iorque, reclamando a punição dos infractores. A verdade é que já conseguiu  diversas vezes os seus intentos e tornou-se o terror dos polícias nova-iorquinos. Ninguém percebe é como ainda continua vivo… e em liberdade!
Talvez seja esse o segredo do "Sonho Americano"



A foto do dia (4)


quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Portugal e Alemanha mais próximos

Merkel mantém confiança na ministra plagiadora.
Por cá, Pedro mantém confiança no Relvas inventor.

The American Dream


Numa das últimas madrugadas vi, na SIC, uma reportagem que me deixou com os cabelos em pé. No Arizona há uma prisão a céu aberto, onde os prisioneiros dormem em tendas, suportando temperaturas de 60 graus no Verão e temperaturas negativas no Inverno. Quem passa ao largo da prisão pode ver, no alto da “torre de menagem”, um letreiro luminoso com a palavra “Vacancy” ( lugares disponíveis).
Os presos não estão em permanência no estabelecimento prisional. Em alguns dias da semana são  exibidos à população.  Percorrem as ruas em fila, acorrentados e agrilhoados, envergando o seu fato de presidiários ( às risquinhas, como o usado pelo deputado Coelho no seu protesto na AR da Madeira),sob os quais espreita a lingerie cor de rosa, de uso obrigatório na prisão.
O xerife do Arizona confessa a sua satisfação pelas medidas adoptadas. “ A prisão não é um hotel e mostrar à população as condições que proporcionamos aos presos é um motivo dissuasor”.
Os números desmentem a afirmação. Na verdade, mais de 60% da população prisional no Arizona é reincidente, logo, não são as condições ultrajantes nem a exposição pública que impedem os “criminosos” de voltar a prevaricar.
Apesar de tudo, a população do Arizona gosta. A comprová-lo, o facto de eleger este xerife há 20 anos consecutivos ( nos Estados Unidos os xerifes são eleitos). A reportagem também não deixa quaisquer dúvidas: a maioria dos entrevistados aprova o modelo prisional, embora alguns manifestem desagrado por ter de suportar aquela exibição de rua, a lembrar tempos imemoriais.
O Arizona não é um estado isolado nestas práticas. Noutros estados do “sonho americano” as pessoas condenadas por crimes de furto, ou burla, podem substituir a pena de prisão por actos de humilhação pública.  A reportagem mostrava, por exemplo, um casal condenado por ter burlado os beneficiários de um fundo de pensões. Condenados a 10 anos de prisão, aceitaram a pena alternativa.
À porta da casa foi colocado um cartaz em que pode ler-se “ Somos ladrões. Roubámos dinheiro do fundo de pensões, prejudicando muitas famílias”.  Cumulativamente, ao fim de semana ( e durante seis anos) marido e mulher são obrigados a passear na rua mais movimentada da cidade, onde está localizado o maior centro comercial do estado, exibindo um cartaz “sandwich”  onde se pode ler como título “ I’m a thief” ( sou um ladrão)  e depois se descreve o crime que cometeram e a pena a que foram condenados.
A maioria dos americanos também é favorável a esta humilhação pública e isso explica algumas atitudes ( no meu conceito, aberrantes) que abordarei aqui amanhã.