terça-feira, 22 de janeiro de 2013

O artista Meneses


Luís Filipe Meneses apresentou, no sábado, a sua candidatura à câmara do Porto.
Já aqui elogiei, diversas vezes, o seu trabalho em Gaia. Mudou por completo a face do concelho, tornando-o atractivo e devolvendo aos gaienses a sua orla marítima.
Afirmei, também, que LFM era o candidato de que o Porto precisava para sair do marasmo das últimas décadas e que teria votado nele se fosse eleitor no Porto.
Agora, que LFM formalizou a sua candidatura à Invicta, não tenho a mesma opinião.
O país mudou substancialmente e  LFM não poderá reeditar o que fez em Gaia, uma das mais endividadas autarquias do país. Hoje em dia, as autarquias estão asfixiadas financeiramente e o Porto ( como muitos outros concelhos) precisa de ter um presidente imaginativo e que defenda o Porto.
Ora LFM não é, neste momento, o candidato ideal para fazer nem uma coisa, nem outra.
Em primeiro lugar, porque aceitou o apoio de Relvas, esse elemento cancerígeno do governo que destrói tudo em que toca.
Por outro lado, LFM já manifestou ser um apoiante incondicional deste governo que tem tratado o Norte como um subproduto do país. Ora isso  fragiliza o seu poder reivindicativo e coloca-o numa posição idêntica à de Fernando Gomes que, depois de um bom mandato, traiu os portuenses e se pirou para Lisboa, atraído por um lugar de ministro.
Finalmente, LFM não é um homem que saiba fazer bem com pouco dinheiro.
Posto isto, parece-me que LFM seria, na conjuntura actual, o pior candidato possível para o Porto, pois não tem poder reivindicativo junto do governo e trairá os portuenses assim que alguém em Lisboa lhe acene com a cenoura do poder.
Foi, no entanto, uma declaração de LFM durante a cerimónia de apresentação da sua candidatura, que me deixou com os cabelos em pé.
Prometeu o candidato à autarquia portuense que, uma vez eleito, iria propor ao seu homólogo de Gaia a fusão das duas cidades. “ Para que se poupem e rentabilizem recursos e para transformar Porto/Gaia na maior cidade do país”- afirmou.
Como discurso bairrista, não está mal. O problema é que esta proposta esbarra numa realidade incontornável: a fusão de Porto com Gaia seria, neste momento, um negócio ruinoso para o Porto.
Com efeito, a fusão das duas cidades iria permitir maquilhar a dívida que contraiu em Gaia  e cujos custos passariam a ser partilhados pelo Porto.
Espero que os portuenses percebam o logro e rejeitem, liminarmente, uma proposta destas. 

5 comentários:

  1. Eis um artigo politico onde percebi muito bem as ideias expressas. Claro, com as informações necessárias e sem floreados complicados.

    Obrigado pela partilha informativa.

    beijo

    ResponderEliminar
  2. Essa declaração foi a machadada fatal!Também a ouvi...
    Nem parece de um autarca tão experimentado quando sabe que as duas margens têm imensos anti-corpos...
    Mas quis agradar ao poder central!

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Alguma terá feito , tal como Seabra, a Relvas para este lhe dar apoio, rrsss

    Juntar Porto e Gaia? Porque não fundir Lisboa e Almada?!

    Que pena o comboio do post anterior não ter descarrilado!!

    Um abraço, Carlos

    ResponderEliminar
  4. Nunca imaginei que alguma vez o Sr Carlos pudesse ter votado em LFM!
    O discurso dele sempre me cheirou a falso, e se fez alguma coisa em Gaia, deixou um monte de dívidas. E agora, é daqueles que nos dizem que andámos a viver acima das nossas possibilidades...!
    Estou curioso para ver a percentagem de pessoas que ele vai enganar no Porto!

    ResponderEliminar
  5. "Com efeito, a fusão das duas cidades iria permitir maquilhar a dívida que contraiu em Gaia e cujos custos passariam a ser partilhados pelo Porto."

    BRUXO!!! :)))
    O CDS já lhe está a tirara o tapete a colocar-lhe uns patins.
    Vai bater com a tromba no chão de uma maneira!!!
    A menos que o Seguro consiga arranjar para o Porto uma lesma à sua imagem.

    ResponderEliminar