sábado, 12 de janeiro de 2013

Foi você que pediu um abate?



Pensei escrever um post sobre a morte de um bebé, em Beja, provocada  por um pitbull (arraçado). Sobre o que penso dos cães ditos perigosos e suas relações com os seres humanos já escrevi  várias vezes, a última das quais aqui
Tencionava, por isso, escrever sobre as razões que me levam a assinar a petição onde se pede a suspensão do abate do cão.
Comecei o post( que nunca será escrito)  invocando o facto de o cão ser mais vítima do que algoz em toda esta trama ( se alguém deve ser punido é o avô do bebé, cujas declarações às televisões me deixaram agoniado). Foi então que me lembrei de um comentário feito pela Patti  (sim, eu lembro-me de muitos dos vossos comentários, mesmo alguns  meses depois...)  naquele post,  que enuncia todas as razões que eu poderia invocar. Por isso, limito-me a reproduzir o que a Patti escreveu: ( os sublinhados são da minha responsabilidade)

"Os animais, primeiro que tudo são irracionais. Não se pode esperar um comportamento sempre igual, coerente e ordenado da parte deles.
Há raças mais indolentes, outras mais agitadas, outras tímidas, outras nervosas, outras dominantes e por aí afora.
 Ora da irracionalidade de um animal, há que esperar tudo, e aqueles cuja raça é mais agitada, enérgica, dominante ou como lhe queriam falar, é preciso ter cuidado redobrado. O inesperado acontece um dia. Ou nunca.
Aqui falham os donos, os "criadores" e a legislação. E as desgraças, como as que o carlos fala, acontecem.
 Agora que muitos destes bichos, devido às características próprias da sua raça, são instigados à agressividade gratuita, isso é um facto. Eu testemunho isso todos os dias.
 Assim como é um facto, ainda mais vergonhoso, que não há legislação eficaz que puna verdadeiramente este comércio escandaloso e desumano, de lutas de animais de raça potencialmente perigosa, às nossas portas.
Não há legislação que puna os donos de cadelas enjauladas, unicamente parideiras de cachorros que logo desde bebés são ensinados a matar.
Não há legislação que os salve, às mãos, destes donos, eles sim verdadeiros assassinos! E racionais, ainda por cima.
 Assim como não há legislação, neste país vergonhoso, onde um animal de estimação é ainda considerado como "coisa", e que quem abandona, maltrata e mata, sai completamente impune.
 Há toda um código civil obsoleto, pré-histórico que tem de ser mexido, no que diz respeito aos direitos dos animais nesta terra terceiro mundista!"

12 comentários:

  1. Às vezes até estamos de acordo e, desta vez, estou absolutamente de acordo com o Carlos e com a Patti!!!

    ResponderEliminar
  2. Não devia ser permitida a existência deste tipo de animais em meio urbano. Por mais dóceis, bem treinados e conscientes que sejam os donos, um animal é um ser irracional capaz de comportamentos inesperados. Por outro lado não vejo a necessidade de alguém ter um bicho daqueles em casa. Principalmente pessoas de poucos recursos e que vivem de ajudas do Estado. Um cão daqueles sai caro e se fazem questão de ter um animal de estimação arranjem um caniche. Ou um canário.

    ResponderEliminar
  3. Concordo totalmente com o que diz a Patti e com a ideia do Carlos de voltar a falar no assunto e ter "retrazido" este comentário.

    ResponderEliminar
  4. Também concordo com O Carlos e a Patti e aproveito para dizer que a veterinária dos meus ainda há pouco tempo me disse que tinha mais "medo" dos Caniches do que dos PitBull....
    Já pensaram quando estes cães começarem a ser abandonados? Porque é algo que poderá acontecer!

    ResponderEliminar
  5. Seria bom é que se conseguisse arranjar uma lei que protegesse os animais e punisse os verdadeiros culpados.

    ResponderEliminar
  6. Acabei agora mesmo de comentar um texto parecido com este e não quero nem consigo repetir-me com as explicações que lá deixei para não assinar a petição.
    Claro que não "exijo" o abate do animal, mas compreendo-o.

    ResponderEliminar
  7. Sou totalmente contra o abate do animal em causa.
    Um cão é o que o dono quer que seja.
    Que tal mandar abater o dono?

    Não assinei a petição.

    ResponderEliminar
  8. Se sou contra a pena de morte para pessoas ainda com mais razão sou contra o abate de animais irracionais, só em caso de doença contagiosa ou estar completamente fora de controlo, o que não é o caso deste que até se mostrou dócil!
    Acontece que a história nem me parece estar muito bem contada!
    Lamento profundamente a morte do bebé devido à irresponsabilidade de uma família incapaz de proteger filhos, netos e de ser possuidora de um animal deste tipo!
    Também assinei a petição!

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Declaração de interesses: Quanto mais conheço os homens, mais gosto dos animais.

    Sinto-me terrívelmente dividido nesta questão. De um lado, o animal que, provavelmente, apenas reagiu ao que interpretou como ameça ou agressão. Do outro, o ataque reiterado a pessoas que não prognostica um comportamento socialmente aceitável.

    Não podendo condenar o animal a prisão perpétua, nem sequer o encerrar em local de reeducação garantida qual a solução?

    Tenho pena de que tenha de ser abatido, mas certamente terei muito mais pena se mais alguém vier a ser vítima de comportamento seu no futuro.

    Será que quem quer impedir o seu abate garante a sua sociabilidade futura?

    E se não garante, o que pretende? Salvar o animal por entender que a sua vida vale mais do que a de um humano?

    Por muito que goste de animais, e não lhes atribua responsabiloidades nos seus atos naturais, não posso defender que alguém os treine para a agressão e depois aceitar que eles partilhem o mesmo espaço que as eventuais vítimas. Nalgum lado se tem de parar, não será assim?

    Porque não punir exemplarmente os donos que não criem ou propiciem condições adequadas de segurança a este tipo de animais? Porque não legislar consequentemente sobre os espaços destinados a albergar as diferentes raças? Porque entender que um simples registo do animal resolverá alguma coisa? Será tão dofícil entender que um animal é um animal e por isso não é um ser racional com direitos e deveres iguais aos dos homens?

    ResponderEliminar
  10. Em total acordo com o Carlos e a Patti!

    ResponderEliminar
  11. Estou completamente de acordo com a sua opinião e a da Patti. Também a mim repugna a desresponsabilização dos donos dos animais e a placidez com que se resolve o problema. Eu tenho dois cáes, dóceis, plácidos, brincalhões. Tenho uma sobrinha, com quase três anos. Não há qualquer hipótese de eu a deixar com os meus cães, dóceis e brincalhões. Jamais. Sem supervisão está fora de questão. É só bom senso, não é preciso ser um génio. E fico por aqui, que estas coisas enojam-me. Amanhã o dono do cãe arranja outro, a mãe do pobre bébé engravida de novo e se for preciso daqui a dois anos estamos a falar do mesmo. É isto Portugal. Que falta cá faz uma RSPCA e um quadro penal efectivo para estas coisas, como há em Inglaterra.

    ResponderEliminar
  12. Carlos concordo plenamente com o que foi dito que aliás é idêntico ao que eu disse no meu post. Espero que algum dia as pessoas sejam mais responsáveis e assumam os erros. Não vi a reportagem do avô da criança, ficaria com uma ideia mais certa sobre o meio que envolvia o cão e a criança. Beijinhos

    ResponderEliminar