terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Ele é que é o presidente da Junta

Nós já sabíamos mas, dito por um destacado membro do partido, a coisa pia mais fino. O CDS/PP não existe. É um brinquedo de Paulo Portas. Com que ele se entretém quando não lhe apetece brincar com submarinos, ou que lhe serve de refúgio precisamente por causa dos submarinos. 

Acordai!


Em Setembro, o médico disse à minha empregada que tinha de ser operada com urgência. Feitos os exames necessários, a operação foi marcada para ontem.
À hora aprazada, entre choros e muita angústia, apresentou-se no Hospital. Consigo levava a carta que lhe fora enviada pelo Hospital a confirmar a cirurgia. A caminho de Lisboa, vinha o filho, a trabalhar na Suíça há um ano, em gozo antecipado de férias de Natal, que lhe valeram a perda de alguns dias de salário. A filha meteu férias na fábrica para acompanhar a mãe.
Chegada ao hospital, foi informada que a operação não estava marcada. Exibiu a carta. Veio o médico. Aparentemente surpreendido por a intervenção que ele próprio agendara e rotulara de urgente não estar marcada, mas também deixando transparecer a sua impotência. 
"Negligência! Incompetência!"- estarão a pensar alguns leitores. Eu também pensei o mesmo, até me lembrar desta notícia: 
Gaspar libertou verbas para as autarquias, masrecusou-se a fazê-lo para os hospitais.
A minha empregada não sofre de uma doença mortal. Terá de ser operada aos dois joelhos, porque estão gastos pela vida dura a que foram submetidos.
Por estes dias centenas de operações estão a ser canceladas nos hospitais portugueses. Alguns dos doentes poderão morrer. Gaspar preferiu libertar verbas para as autarquias, porque dão votos. Não as libertar para os hospitais, pode ser um bom negócio para o Estado. Se forem reformados ou desempregados e quinarem é menos uma despesa.
Para eles as pessoas são apenas números que inscrevem nas colunas do Deve e Haver do OE. É a esta escumalha que estamos entregues, mas jornais e vox populi apontam o dedo acusador a médicos e demais funcionários hospitalares.É altura de acordar!

Carta ao Pai Natal




Querido Pai Natal

Não estou certo que este ano possas fazer as tuas habituais entregas na noite de Natal, pois andam por aí a anunciar o fim do mundo no dia 21.
Talvez esteja enganado, mas parece-me que isso é mais uma patranha de coelho e só se aplica em Portugal. 
Este ano não te peço presentes para mim. Peço-os para oito milhões de portugueses ( os outros dois milhões votaram no coelho ou no Portas, por isso o único presente que lhes poderias oferecer seria um barrete ou um daqueles bonecos das Caldas).
Então aqui fica a lista:
1-     Vai a um hospital e traz um doente de Alzheimer- daqueles mais profundos- para substituir pelo nosso presidente da república.
2-     Vai a uma CERCI , escolhe um deficiente mental profundo, mas bem arranjadinho, com muito gel  no cabelo que saiba dizer umas frases foleiras e no dia seguinte seja capaz de dizer o contrário do que disse na véspera, com a lata inconsciente dos imbecis, para substituir pelo Passos Coelho.
3-     Quando passares pela Sicília pega num mafioso que venha ocupar o lugar do Relvas.
4-     Se encontrares o Quino, pede-lhe por empréstimo o Manelinho, que eu prometo dar o Gaspar para a troca. Eu sei que  estou a propor a  troca de um imbecil por um pilha galinhas, mas penso que o Quino fica a ganhar com a troca.
5-     Assim que chegares a Portugal pega no coelho e leva-o contigo ao circo. De caminho, passa pela AR e convida também os 120 deputados do PSD e do CDS. Quando chegares ao circo troca-os por 120 palhaços, contorcionistas, malabaristas e ilusionistas, porque todos vivem com grandes dificuldades e também  têm direito  à vida e  a um lugar no Parlamento.
6-     Não te peço que tragas um leão para comer o Portas, porque o homem não risca absolutamente nada. Quando muito, traz um bobo castrado, que faz o mesmo efeito.
7-     Se na tua viagem pela Europa encontrares três seres humanos que substituam o etíope, o careca e o eunuco, também dava jeito.
8- Deixo para o fim o pedido mais urgente. Como deves saber, por cá dizemos que "o Seguro morreu de velho". Ora nós temos por cá um Seguro que é já um cadáver putrefacto. Peço-te por isso, de rojos e com as mãos postas, que substituas este cadáver por um homem novo que esteja genuinamente interessado em fazer oposição aos tipos que estão a vender o país ao desbarato. 

Eu sei que estes meus pedidos não vão mudar grande coisa no futuro do meu país, porque o mundo vai acabar no dia 21, quando aquele senhor que anda a passear pelos corredores de Belém com a vaquinha pela trela, promulgar o orçamento do circo mas, pelo menos, sempre temos caras novas na governança portuguesa.

Querido Pai Natal
Eu sei que o teu trabalho é sazonal e nem sequer recebes os 43 cêntimos por hora que aqui pagam a Pais Natal a fingir, mas sei também que sendo tu  uma pessoa  generosa, compreendes que estamos fartos desta escória de embusteiros e ansiosos por nos vermos livres deles.
Se não satisfizeres os meus pedidos, vou dizer ao Medvedev para nunca mais acreditar no Pai Natal e dou-lhe a morada e os números de telemóvel dos extraterrestres que andam a flanar aqui pelo país, disfarçados de políticos.
Desejo-te uma boa viagem e aconselho-te a ter cuidado quando passares por Portugal. É que o tal de Gaspar, que tem a mania que é Rei Mago, é um perigoso salteador e confisca os bens de toda a gente. Não julgues que lhe escapas, só por seres o Pai Natal!