sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Convite aos leitores

Tenho o prazer de informar todos os leitores do CR que reabriu a filial.
Neste momento está a ser servida uma sopa a todos os passantes mas, se quiserem provar uns jaquinzinhos que servi no dia da reabertura,  basta meterem-se no elevador e descer uns andares. Ainda  sobraram alguns...
Tenham um excelente fim de semana!

O Bobo




Creio que todos nós, na escola  primária ou no liceu, tivemos um colega que se destacava por se esforçar em por as turmas a rir com piadas mais ou menos parvas. Eu lembro-me particularmente de um, que me acompanhou desde o primeiro ao quarto ano do liceu. Chamava-se Gaioso, nome que condizia na perfeição com o seu espírito, mas que nós passamos a apelidar de Bobo, desde o dia em que ficámos a conhecer a obra de Alexandre Herculano. 
Para além das piadas, o Bobo das escolas destacava-se por ser normalmente cábula e utilizar o seu sentido de humor duvidoso, para perturbar as aulas e dar cabo da paciência aos professores que, não raras vezes, os expulsava da sala. 
Vem isto a propósito da intervenção do PR na atribuição dos Prémios Gazeta de jornalismo, ontem realizada. Apesar de o momento do país ser sério, Cavaco Silva não resistiu a fazer um discurso(?) cheio de piadas de evidente mau gosto, com o qual tentou cativar a  atenção dos jornalistas presentes.
Creio que, tal como eu, muitos dos presentes se terão lembrado do Bobo que tiveram como colega . Admito mesmo que, entre os presentes, pudessem estar outros ex- Bobos de escola, mas ontem Cavaco Silva ofuscou todos.  Com as suas palavras irónicas, sobre o que os portugueses pensam do seu silêncio, o PR apenas explicou que se deve ao facto de ser cábula e não saber, por isso, resolver os problemas do país.Mais valia ter estado calado, mas optou por se comportar como  Bobo da turma. Pena não haver nenhum professor que o expulse da sala.

Transparências

Eu ainda sou do tempo em que o PSD fazia campanhas eleitorais a prometer transparência nas privatizações e a dizer que não haveria lugar para boys.
As escandalosas nomeações ( pelo número e pela qualidade de alguns dos nomeados) para gabinetes ministeriais e empresas públicas, são testemunho de que, em termos de boys, este governo é igual aos que o precederam.
Quanto à transparência das privatizações até Marcelo Rebelo de Sousa levantou dúvidas, mas com esta nomeação quem é que ainda tem dúvidas de que  o governo põe os amigos a vender o património dos portugueses? 
Ora, lá diz  o povo,  "quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é tolo, ou não tem arte". E nós todos sabemos, muito bem, que de tolos os nossos governantes nada têm, mas são uns grandes artistas.