sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Saudade, saudade!

Afinal, o problema do Pedro Manuel é a  saudade que o rói. Palavra do senhor barbeiro

Guten Abend, Frau Merkel



Cara , (aliás caríssima €€€€€), senhora Merkel!

Escrevo-lhe  novamente  ( provavelmente a carta anterior não lhe terá chegado às mãos) para tentar explicar-lhe que a senhora anda um pouco afastada da realidade e estou  farto de receber ordens suas. O que a senhora precisa é de ouvir umas verdades e descer à Terra para perceber o que se está a passar na Europa.
Já não lhe chega ter roubado gregos e portugueses ( não falo do senhor Kadhaffi e de outros ditadores a quem a senhora vendeu armamento, para depois os destituir e vender material reciclado aos seus sucessores) com essa merda dos submarinos que deviam ter ido para a sucata, mas que a senhora convenceu o Portas a comprar, depois de ter pedido ao seu ministro para se encontrar com ele num hotel perto do Marquês de Pombal?

Que moral tem a senhora para exigir aos portugueses que tenham menos férias e salários e vão para a reforma mais tarde? E por alma de quem quer padronizar a vida de todos os europeus pela do seu país? Já comparou os salários dos seus súbditos com os dos restantes europeus? E por acaso sabia que os trabalhadores portugueses trabalham mais horas do que os alemães, mas recebem salários muito mais baixos? Feche a boca, senhora Merkel! Se está assim tão espantada com as notícias que lhe dou, aproveite para pedir aos portugueses que escolham gestores mais competentes para as suas empresas e acabem com os subterfúgios dos cartões de crédito, dos automóveis de luxo e outras mordomias com que engordam os seus salários.
O problema deste país não são os salários baixos, são os gestores incompetentes!

Permita-me que lhe lembre uma frase de Victor Hugo ( não sei se sabe quem é…)
“ Virá um dia em que todas as nações do continente, ( europeu) sem perderem a sua qualidade distintiva e a sua gloriosa individualidade, se fundirão estreitamente numa unidade superior e constituirão a fraternidade europeia. Virá um dia em que não haverá outros campos de batalha, para além dos mercados abrindo-se às ideias. Virá um dia em que as balas e as bombas serão substituídas pelos votos”.

Esta frase foi proferida em 1849 e foi com esse espírito que Robert Schuman e o chanceler Konrad Adenauer criaram, por inspiração de Jean Monet, as bases da União Europeia que a senhora pretende abocanhar como se fosse pertença sua.
A senhora está a pôr em causa um projecto solidário e de unidade, porque é casmurra e pensa que é dona da Europa. Não é! A senhora é líder de um dos mais jovens países europeus, com apenas 20 anos de História, enquanto nós andamos por cá há quase 900 e os gregos são uma civilização milenar.
A senhora não é só egoísta. Também é mesquinha. Eu sei que a culpa dessa postura arrogante é, em parte, do caniche português que, sendo incapaz de governar o nosso país se alistou como lacaio de Bush e, quando se viu no desemprego, tornou-se seu fiel servidor. Mas isso não lhe dá o direito de querer colonizar a Europa, percebeu? Não se esqueça que nós, portugueses, também temos um cão de água infiltrado na Casa Branca, a quem podemos pedir para dar uma palavrinha ao Obama. Dizem-me que ele se dá muito bem com as miúdas e a senhora sabe o que um pai faz pelas filhas, não sabe?
De acordo com notícias que de lá recebi recentemente, o sr Obama tem problemas em casa e não anda lá muito satisfeito com o que se está a passar na Europa. Basta enviar-lhe um mail e ele é bem capaz de mandar o cão de água falar com o seu caniche, para vos meter na ordem.
É que Obama já percebeu que os alemães, em questões bélicas, são sensíveis àquele ditado“ quem faz um cesto faz um cento" . Vocês pelam-se por uma boa guerra, mas nós aqui somos pacíficos e o Obama , coitado, já tem de alimentar guerras que chegue, não está interessado em atravessar o Atlântico, para meter os europeus na ordem.

A sua sorte é que os governos europeus em apuros são liderados por gente sem tomates, caso contrário, em vez de estarem à espera que a desgraça se abata sobre o vizinho, na esperança de salvarem o seu quintal, já se teriam unido e proposto, em conjunto, a saída do Euro.

Muito gostava de ver a sua cara se Portugal, Espanha,Grécia, Irlanda, Itália, Espanha e Bélgica ( sim, a crise também já lhe bateu à porta) decidissem sair da zona euro e boicotassem os produtos alemães. Já fez as contas a quanto iria perder? Então pergunte ao senhor Draghi que ele explica-lhe...

Não estique demasiado a corda, senhora Merkel! Um dia ela rebenta-lhe nas mãos e pode magoar-se . Já sei, já sei… a senhora tem os seus trunfos e não enjeitará a hipótese de os jogar no dia em que se vir à rasca. Mas isso vai custar muitas vidas e derramar muito sangue, enquanto a medida que eu preconizo é indolor. Quer dizer… só vai mexer nos bolsos dos seus contribuintes.

Tenha juízo, senhora Merkel. Se os portugueses são pacíficos e os protestos dos gregos não lhe causam mossa, não menospreze os espanhóis. Ao contrário de nós, eles são bravos e a mostarda está a chegar-lhes ao nariz. São gente muito capaz de mostrar aos turistas alemães aquilo a que estão dispostos, se a senhora insistir na ideia de se tornar uma Czarina da Europa, ditando ordens aos europeus submissos. No dia em que quiser pôr-lhes a pata em cima eles vão morder-lhe e atiçar os ânimos dos europeus em dificuldades. Digo-lhe, ainda, que querer tornar-se na manda chuva da Europa, não é boa ideia. Seria apenas líder de um cadáver e a sua função seria servir de coveira. Sempre a tive em melhor conta…

Só mais uma coisinha. Disseram-me que anda a servir de cenoura ao coelho do país das maravilhas, enquanto o engana com o Gaspar. Permita-me que lhe lembre um ditado popular português que diz “ homem pequenino ou é velhaco, ou bom dançarino”. Posso garantir-lhe que bom dançarino, ele não é. Por isso, cuide-se, vá beber umas bejecas para se distrair e deixe-nos em paz, tá? 

A sua visita a Lisboa - capital da sua colónia tuga- vai ser muito dispendiosa ( só em polícias vamos gastar um dinheirão!) e, como a senhora costuma dizer, em tempos de austeridade não podemos andar em festejos. Portanto, ou nos traz uns bons investimentos alemães, ou o melhor é ficar por aí, Czarina!
Com respeito e nenhuma consideração
O tuga

PS: Desculpe não lhe agradecer a “ajuda” ao meu país. É que essa ajuda vai hipotecar o futuro de, pelo menos, duas gerações de portugueses dependentes dos agiotas que a senhora protege.

O muro de Berlim



Faz hoje 23 anos que foi derrubado o muro de Berlim. O Ocidente exultou com o fim da separação entre a Europa Ocidental e a Europa de Leste (Nem por um só minuto alguém pensou que naquele dia se iniciava a terceira guerra mundial?)
Duas décadas depois, um novo muro foi erguido separando a Europa do Sul dos restantes países. Quantos anos teremos de esperar até que seja derrubado?