domingo, 7 de outubro de 2012

Disfunções erécteis

António José Seguro anda há meses à procura de uma ideia, de uma alternativa para a política ruinosa do governo.
Pensou, pensou, pensou, mas a única ideia que teve foi a redução do número de deputados. Eu até percebo que a ideia de Seguro seja criar problemas na coligação, porque  o PSD sempre foi favorável à redução, mas o CDS  opõe-se, já que seria um dos partidos mais penalizados.
No entanto, com tantos problemas no país, esta proposta  é populista, cria ainda mais clivagens à esquerda e vem completamente fora de tempo e a despropósito.
PPC não quis ficar atrás de Seguro e foi até Malta tecer uma tímida crítica a Merkel. Azar! No dia em que o fez, a senhora Merkel deu um passo atrás no seu discurso, centrado na destruição da Europa e quase fez um mea culpa. Até ela já percebeu que a Alemanha vai sofrer muito com uma Europa estilhaçada e as notícias que lhe chegam da Catalunha estão a deixá-la ( finalmente!!!) preocupada.

Há muito, muito tempo, quando a temperatura aquecia na Sala Oval



Ontem, a SIC comemorou 20 anos e, para assinalar a data, ofereceu-nos uma bela retrospectiva que vi a espaços.
Talvez muitas pessoas já não se lembrem como era o mundo em 1992, por isso, aqui fica uma breve resenha:

No ano em que o escudo adere ao Sistema Monetário Europeu (1992), Portugal estreia-se na Presidência da CEE e, em Lisboa, o polémico Centro Cultural de Belém é inaugurado para acolher a Presidência portuguesa. Fecha logo de seguida e reabrirá no ano seguinte. Ele há coisas assim...
Com os Jogos Olímpicos e a Expo -92 a realizarem-se em Espanha, os portugueses passam o ano a saltar a fronteira, inaugurando as "escapadelas de três dias". Quem também se escapa, mas por período mais longo, para os EUA, é o corrector da Bolsa Pedro Caldeira. O jogo da Bolsa dera para o torto e várias figuras públicas ficam sem umas massas valentes. Quem não anda muito bem de finanças são os estudantes. Novos actores da sociedade de consumo, os jovens não têm dinheiro para as propinas. Vai daí, manifestam-se em frente à AR. Derrubam o Ministro mas azar... os pais vão mesmo pagar propinas.
Finalmente a RTP deixa de ter o monopólio televisivo. A esperança numa televisão melhor nasce com a SIC, mas o sonho dura pouco tempo. A qualidade passa a ser nivelada por baixo. No entanto, a aposta no Poder do Dinheiro revela-se acertada. Por meia dúzia de contos, qualquer um se despe em palco, mas desta vez os púdicos espectadores e os atentos Bispos não reagem contra a ofensa aos costumes perpretada por filmes como "O Império dos Sentidos" ou “Pato com Laranja”. A sociedade de consumo ri-se baixinho... enquanto as iras se voltam contra Saramago e o seu "Evangelho Segundo Jesus Cristo".
O Mundo parece estar arrependido por ter tentado destruir a diferença. Por isso atribui o Prémio Nobel da Paz a Rigoberta, uma índia guatemalteca, ignorando dois ex-inspectores da PIDE a quem o Governo concede pensões por "serviços excepcionais". Injustiças.
A Europa passa a ter a sua Disneylândia. Esteve a um passo de ficar em Portugal, mas Paris ganha a corrida. Conviver com o Rato Mickey e o Pato Donald é agora mais fácil. Tão fácil como aceder ao crédito bancário. O dinheiro está barato e os portugueses aproveitam para comprar todas as futilidades que a sociedade de consumo lhes oferece. Também compram casas, porque fica mais barato do que arrendar mas, 20 anos depois, as casas que adquiriram e pensavam suas, são nacionalizadas pelo governo que os obriga a pagar uma renda astronómica, a que chama IMI.
O ambiente está,durante três semanas, no centro das atenções: no Rio de Janeiro discute-se o futuro da Terra, ameaçada pelos efeitos nefastos do progresso. No final da Cimeira da Terra, as cenas do costume. Trocam-se muitos abraços e beijinhos, chega-se de madrugada, e à pressa, a compromissos mal amanhados que abrilhantarão os discursos finais, mas a discussão fundamental é adiada. Em Tóquio é que vai ser. Os EUA, como sempre, estão-se nas tintas e o Presidente Bush ( pai) nem põe os pés no Rio de Janeiro para discutir seja o que for. Limita-se a enviar recados pela imprensa. Bem feito. No final do ano será substituído na Casa Branca por Bill Clinton. Na sala oval vai-se sentir o efeito de estufa: o ambiente vai aquecer, graças aos calores de Monica Lewinski.

Uma xaropada com prazer

Woddy Allen já não me faz correr para uma sala de cinema. Mesmo assim, logo que pude fui ver "Para Roma com Amor". 
Não esperava grande coisa e confirmei as minhas expectativas. O filme, apesar de aqui e ali nos fazer sorrir, é uma enorme xaropada. Só que quando do elenco faz parte Penélope Cruz, qualquer xaropada se vê com prazer.

Le premier bonheur du jour