sexta-feira, 21 de setembro de 2012

A frase canalha de Cavaco Silva

Cavaco perdeu esta manhã uma oportunidade para mostrar que era presidente de todos os portugueses. Após uma visita a Évora, onde foi apupado e obrigado a fugir, fez questão de vincar  que o Memorando da troika tinha sido assinado pelo anterior governo, transmitindo a ideia sustentada por PPC de que o governo apenas está a cumprir o que o PS negociou. A isto se chama deslealdade e canalhice.
Quando se lhe pedia que pusesse água na fervura, o PR atirou gasolina para cima da fogueira. Oxalá se queime!

Cavaco acaba com a crise por decreto

Outro que não percebe  patavina do  que se está a passar no país. Deve andar a ver demasiadas telenovelas e pensa que lá porque os dois pombinhos resolveram declarar que tinham feito as pazes, a crise passou.
Apetece perguntar "E o povo, pá?"
Mas não vale a pena, porque ele não faz a mínima ideia do que é o povo. Só vê cifrões à frente e pensa que isto se resolve com uns investimentos estrangeiros. Deve ter sido para pedir aos conselheiros de estado que partam como apóstolos pelo mundo a pedir aos amigos que invistam em Portugal, que convocou o Conselho de Estado. Ou então foi para tomarem chá...mas  não se percebe a razão de ter convidado Gaspar. Foi só para humilhar Coelho diante dos conselheiros, mostrando-lhes que não confia numa única palavra do PM? Ou terá sido para redigir o decreto presidencial que determina o fim da crise?
Haja pachorra para aturar os disparates de Belém!

Acorda, Pedro!

Há, em Pedro Passos Coelho, sinais evidentes de problemas de saúde. Não me refiro a problemas físicos, mas sim mentais. 
Hoje, Monti convidou  todos os países europeus para uma reunião mas, segundo confissão do próprio PM italiano, PPC não foi convidado. 
Ontem, a revista  "The Economist", sempre alinhada com as medidas da troika e uma mãos largas em elogios ao governo, publica um artigo onde tece severas críticas a PPC e de que destaco apenas este excerto:
"Nos 15 minutos que Passos Coelho demorou para anunciar o seu esquema na televisão, no início do mês, conseguiu a notável proeza de unir não só os partidos da oposição contra o seu plano 'intolerável', mas também os sindicatos, os patrões e os economistas"

Perante isto, PPC  afirmou hoje na AR que Portugal  é muito bem visto lá fora, graças às medidas que tomou, continua a insistir que estamos no bom caminho e, desplante máximo, garante que os reformados não foram atingidos pelas medidas, apesar de lhes ter cortado dois meses de salários. Não há pior doença para um governante, do que deixar de perceber a realidade do país. Seria obrigação do PR chamá-lo à realidade e, persistindo Passos na sua obstinação, demiti-lo. Ao contrário, o PR continua a assobiar para o lado à espera que a crise passe, como se não fosse nada com ele. ou a dizer que ela acabou, o que ainda é mais grave!

Cuidados paliativos


A coligação criou um "Conselho" para melhorar a articulação
Acredita que o problema é artrite reumatóide e as declarações alienadas de PPC e PP, nos últimos tempos, denunciam que acreditam  nesta cura  (Se insistirem na receita, vão acabar nos Alcoólicos Anónimos...)
Toda a gente sabe que é mentira. A doença é muito mais grave e o governo apenas sobrevive graças aos cuidados paliativos.Cavaco fez saber que é ele que está a ministrar esses cuidados e está feliz, porque acredita na recuperação, mas assim que Portugal receber a nova tranche da mesada, o PR vai perceber que estava errado no diagnóstico. Talvez nessa altura compreenda que tinha sido melhor dar ouvidos aos  conselheiros de Estado.

Cavaco e os serviços mínimos

Reúne hoje o Conselho de Estado. Cavaco anda desde domingo a tomar ansiolíticos em dose redobrada, tal é o seu pavor só de pensar que pode ser obrigado a tomar uma decisão, depois de ouvir os conselheiros: demitir Pedro Passos Coelho por incompetência e traição ao país.
Ninguém acredita que Cavaco o faça. Irá escudar-se na defesa dos interesses do país ( como se o interesse do país fosse ter um governo autista e um primeiro ministro que vende o país a retalho e oferece os cidadãos aos agiotas como escravos) e ficará à espera que o governo caia de podre.
Cavaco Silva custa demasiado dinheiro ao país. Exige-se-lhe que cumpra os serviços mínimos, não se exima das responsabilidades e faça o seu trabalho na defesa de Portugal e dos portugueses.
É por isso importante que hoje, às 18 horas, todos estejamos em Belém, para lhe lembrarmos os seus deveres. Para o obrigarmos a ser, pela primeira vez em seis anos, presidente da República. 
Eu sei que a maioria dos conselheiros de Estado lhe irá exigir isso, mas a nossa presença em Belém reforçará a posição da maioria dos conselheiros.
É imperioso  fazer Cavaco perceber que ao pactuar com Pedro Passos Coelho, está a ser cúmplice de uma traição e, na altura própria, será julgado por isso. Espero que o PR tenha percebido este sinal

A figura da semana

António Costa
                                                                             Por isto
Mas também por que o CDS o escolheu como alvo para a intervenção política na AR, como forma de evitar responder ao PSD. Mas, dois dias depois das alterações, já ninguém fala de problemas..