terça-feira, 11 de setembro de 2012

Reconheço, Pedro. Foi um golpe de mestre.Parabéns!

Senhor Pedro:
O senhor utilizou o Facebook para se desculpar publicamente pela merda que anda a fazer e a sua ventoinha faz espalhar por quem trabalha.
Nessa mensagem apresentou-se como cidadão e pai e é nessa circunstância que lhe respondo de forma muito sucinta:
1- Não me trate por amigo. Não  sou amigo de ladrões, nem de mafiosos que protegem vigaristas e ladrões, oferecendo-lhes lugares de ministro.
2- Quanto à sua condição de pai, apenas lhe digo que lamento pelas suas filhas. Terem um pai da sua estirpe deve envergonhá-las diariamente. São, certamente, alvos fáceis de insultos por terem um pai tão miserável.
3- Diz-me que é cidadão. Acredito, pois deve ter um BI, um nº de contribuinte e de eleito, mas o seu conceito de cidadania, tal como o de milhares de criminosos que andam à solta, ou estão a cumprir penas nas prisões, não vai mais além disso. Um NÚMERO! 
4- Tem a lata de  roubar o salário de milhões de trabalhadores para o oferecer aos patrões e ao grande capital e no dia seguinte vem pedir desculpa? Vá bugiar, cidadão Pedro! Vá gozar com a sua mãezinha, que neste momento deve estar a dar voltas na tumba, arrependida de ter parido um filho da sua estirpe.
5- Se você fosse cidadão, Pedro, escrevia na sua página do FB:
" Errei e reconheço que sou incompetente. Peço desculpa aos portugueses e a todos os que confiaram em mim, mas como sei reconhecer os meus erros, já apresentei o pdeido de demissão ao sr. Presidente da República"
6- Se fosse um bom pai, escreveria:
" Não quero que as minhas filhas me vejam como o inimigo do país que condenou os portugueses á pobreza. Quero que se orgulhem de mim, por isso, decidi demitir-me".
Mas você, Pedro, é um COBARDE e por isso mantém-se no seu lugar , entretido com carrinhos e motoristas, despesas de representação e outras mordomias, enquanto fornica os portugueses.
Você é um mau cidadão e um pai obsceno e hipócrita, Peddro
7- Mas há uma coisa em que o felicito, senhor Pedro! Ao mostrar o seu arrependimento no FB, convidou os portugueses a desabafarem e descarregarem a sua ira num ecrã de computador. Alguém lhe ensinou- e bem- que para evitar a ira do povo nas ruas, se devem criar mecanismos alternativos para que ele possa desabafar, de modo a chegar à rua amansado, ou mesmo perder a vontade de se manifestar na rua.
Essa lição você aprendeu-a  e pô-la em prática. Ao ver os comentários na sua página de FB, resultou em cheio.
No entanto, não esqueça... até aqueles a quem o senhor entregou milhões dos trabalhadores estão contra si. O seu fim está próximo e, nesse dia, vou celebrar até às tantas. 

Deixem-me respirar, por favor!




Chego a Lisboa por volta da uma da tarde e compro jornais para saber pormenores da comunicação de PPC ao país na última sexta-feira
Ainda mal refeito do impacto provocado pela leitura dos jornais, ligo a televisão e apanho com um supositório com braços que, durante duas horas, me revolve as entranhas. A custo sustenho o vómito, no .momento em que ele anuncia um aumento dos impostos de 3,5%sobre as mais valias e sublinha que assim fica assegurada a equidade no pedido de sacrifícios aos portugueses.
Ou seja... para ilustre economista supositório, taxar por igual depósitos das pequenas poupanças e grandes fortunas, é equidade. 
Roubar entre dois e três salários a trabalhadores, reformados e pensionistas, agravar o desconto para a segurança social em 7 pontos percentuais é uma medida equiparável ao aumento de 3 pontos percentuais sobre os impostos dos lucros dos accionistas e dos pequenos aforradores.
Estou conversado. Não vale a pena discutir com gente desta estirpe.
Vou à internet e encontro um ladrão a tratar-me como amigo. Apetece-me responder na mesma medida, mas contenho-me.
Ainda agoniado- mas não surpreendido, pois já aqui avisara como o governo iria reagir ao chumbo do TC, - respio fundo e decido deixar a análise destas questões para mais tarde. Como faz o Paulinho das feiras, agora promovido a caixeiro viajante, ganho tempo para não escrever aqui impropérios de que me venha a arrepender mais tarde. 
A diferença, é que enquanto o Paulinho convoca os órgãos do partido, eu vou distrair-me a ler os vossos blogs que não visito há uma semana e dos quais já sinto imensas saudades.