segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Jogo do empurra


Até aqui o governo tem justificado a selvajaria de algumas medidas que tem tomado, escusando-se nas exigências da troika.
Hoje, depois de se reunirem com o trio de agiotas, os parceiros sociais ficaram a saber que afinal as medidas de ajustamento são da responsabilidade do governo.
Neste jogo do empurra, a troika parece querer enxotar as suas responsabilidades no falhanço e, simultaneamente, enviar um recado a Cavaco Silva, que ontem saiu em defesa do seu partido e pediu à troika que reconhecesse os seus erros na implantação do programa.
Como sempre, quem se lixa é o mexilhão...

Golpe de calor

A UTAO afirma que o défice  este ano se situará entre 6,7% e 7,1%, ultrapassando largamente os 4,5%  impostos pela troika.
Cavaco Silva reagiu, dizendo que não devemos dar demasiada importância a um desvio de umas décimas. Ou seja, para o homem de Boliqueime, um desvio de 50% ( no mínimo...) nas metas do défice não nos deve preocupar.
No discurso de encerramento da Universidade de Verão do PSD, Pedro Passos Coelho continuou a defender que no essencial o governo está a cumprir e continua no bom caminho.
O que mais impressiona nas declarações do par laranja já  não é a displicência com que tratam estas questões, é a completa falta de senso.

Tarros e frigoríficos


Terminados os JO, retomo a série sobre os objectos que mudaram o mundo. Em dias de calor, nada melhor do que recordar  este nosso amigo, não vos parece?


 Em 1913 Marcel Proust publica o primeiro volume de “ A la Recherche du Temps Perdu” e, num restaurante parisiense, um cozinheiro  é admoestado pelo patrão, porque está  a cortar as batatas muito grossas e os clientes reclamam.

O cozinheiro Cartier  reage com virulência e "inventa" as batatas fritas às rodelas. 
Quem nunca as terá provado, terá sido Pu-Yi- o pequeno imperador chinês que subira ao trono em 1908, com apenas três anos e abdica neste ano de 1913. Terá sido, provavelmente, o único grande líder mundial que ascendeu ao Poder e dele abdicou, sem nunca se ter apercebido do que estava a fazer.
Quem tem razão para sorrir são as donas de casa pois, nesse mesmo ano, inicia-se o fabrico dos frigoríficos domésticos. O preço era ainda elevadíssimo e só algumas bolsas o alcançavam. 
À época também ninguém se preocupava com o facto de os frigoríficos serem demasiado energívoros, por isso eram blocos canhestros como o que a foto reproduz, que devoravam kilowatts com a rapidez dos coelhos a comer cenouras. 
Anos mais tarde, quando os frigoríficos começam a ficar mais elegantes e a adapatar-se às cozinhas das casas modernas, a UE  dividirá os frigoríficos em classes, de acordo com a sua apetência para o consumo de energia. O problema é, que nos tempos que correm, há cada vez mais gente que não tem nada paar meter lá dentro...
Eu ainda sou do tempo em que alguns alimentos ( como a carne) se conservavam num" tarro"- recipientes feitos em cortiça capazes de permitir a conservação de alimentos durante algumas horas. 
Para quem não saiba o que é um tarro, aqui fica uma imagem  roubada  aqui



A inversão possível



Pedro Passos Coelho continua a falar de inversão em 2013. Como todos os dados contrariam a hipótese de crescimento do país, temo bem que a inversão de que PPC fala seja outra e nada tenha a ver com a economia do país. Olho para esta foto e as minhas dúvidas aumentam. Seria bom que PPC fosse claro quando fala com tanta certeza de inversão em 2013...

Biblioteca de Verão (22)

Se já tenho dificuldade em escrever sobre livros, ela é ainda maior quando escrevo sobre um autor que é também um amigo. São muitos os livros de Baptista Bastos que poderia aqui recomendar-vos, mas optei por "Lisboa Contada pelos Dedos", porque é um livro de crónicas e BB é, em minha opinião, um dos melhores cronistas portugueses.
Acresce que é uma bela oportunidade para revisitar Lisboa, embalado pela belíssima prosa de Baptista Bastos.