terça-feira, 24 de julho de 2012

Este é mesmo o último...

Afinal, ainda arranjei uns cêntimos para comprar um presente para o Tó Zé Seguro. Pode ser que com esta bússola ele se oriente e consiga encontrar o caminho a seguir: uma verdadeira alternativa a Coelho, ou a porta de saída!

Ah, pois, a incompetência dos funcionários públicos!

Leiam esta cena até ao fim e depois digam-me se a culpa é dos funcionários públicos, tá?
Ao final da manhã de um chuvoso dia de Maio, telefonaram-me de uma empresa (PRIVADA!!!!) a pedir a entrega até ao final do dia de determinada documentação. A única forma de o fazer seria recorrer ao serviço de estafetas, ou ir pelo próprio pé. ( Neste caso de carro, porque a empresa fica nos arredores de Lisboa, sem transportes acessíveis). 
Fiz contas e decidi ir lá eu. Até porque o meu futuro profissional estava em jogo...
Quando cheguei dirigi-me à recepção com um volumoso envelope que pretendi entregar.
- Se quer entregar alguma coisa, terá que se dirigir ao terceiro andar e fazer a entrega mas, como já passa das 5, já lá não está ninguém para dar entrada.
- E a senhora não pode receber?
- Eu não recebo correspondência para ninguém.
- Então pode chamar a F...... para eu lhe entregar pessoalmente?
- O envelope é para a F....?
- É.
- Ah, para ela eu recebo.
- Posso então deixar o envelope consigo?
- Pode, claro. Esteja descansado que eu já lhe entrego.
- Olhe que isto tem de ser entregue hoje até ao final do dia...
- Já lhe disse para estar descansado!
- Ok, então obrigado!
.................................................................................................................................................................
 No dia seguinte telefonei à F... a perguntar se a documentação lhe tinha sido entregue. Não tinha. 
Disse-lhe que a tinha deixado na recepção e a senhora  me tinha garantido que seria entregue de imediato. Agora como é que posso justificar o atraso? 
- Não se preocupe, respondeu-me a F.....  Como ainda não é meio-dia, é como se tivesse entrado ontem.Eu trato disso.
NOTA: Tudo se resolveu, porque tive um pressentimento que as coisas não iriam correr bem. Por isso telefonei à F... para confirmar se tinha recebido a correspondência. Caso contrário, a minha proposta teria dado entrada fora do prazo e eu perderia a possibilidade de concorrer a um concurso que, tenho quase a certeza, vou ganhar.Porquê? Porque ninguém terá, de certeza absoluta apresentado uma proposta tão criativa como a minha. Pronto, está bem, às vezes sou convencido, gabarolas e até um pouco impertinente, mas eu tenho de ganhar este concurso, tá?

Hmmm! Cheira a torradas...



Que seria dos filmes americanos sem a torradeira eléctrica?
Não é preciso um grande esforço para recordar rapidamente 10 filmes americanos onde há cenas ao pequeno almoço. Com um esforço um pouco maior seremos capazes de recordar cenas em que alguém deixa queimar as torradas. Apenas mais um esforço e seremos capazes de separar os filmes em que as torradas queimadas dão origem a tragédias, daqueles em que geram cenas hilariantes. 
Mas a torradeiras eléctrica, inventada entre 1915 e 1918 ( as diversas fontes não coincidem quanto à data) , também contribuiu para tornar os pequenos almoços mais agradáveis nos dias em que não há pão fresco.
E, num domingo chuvoso de Inverno, quem não gosta de ficar em casa  a ler um livro ou a ver um filme, na companhia de um chazinho com torradas?
Viva a torradeira eléctrica!