terça-feira, 10 de julho de 2012

Lembranças de férias para o governo (1)

Tenho andado a comprar algumas lembranças de férias para oferecer aos membros do nosso governo. Comecei por comprar dez mioleiras.  Parece-me que uns miolos fazem sempre jeito a qualquer governante. Eu sei que os membros do governo são 12  mais o apêndice do Borges, mas só comprei 10 porque:
- Não ofereço presentes aos apêndices
- Pedro Passos Coelho não precisa, porque tudo o que se enxerte naquela mona é rejeitado
-Álvaro Santos Pereira nunca perceberá a utilidade de miolos. Pensa que a mioleira é para ser comida no prato com ovos mexidos. Se quiser uns miolos, vá comprá-los ao Canadá.


Os dias da rádio



Em1906, ano em que a cidade de S. Francisco é abalada por forte terramoto e o Vesúvio entra em erupção, a noite de Natal vai ficar para a história da Humanidade: é nessa noite que, inesperadamente, nasce a rádio. A bordo de um barco, ao largo da costa de Nova Inglaterra, a tripulação escuta, atónita, um excerto do Evangelho de Lucas e uma gravação de Händel, acompanhada pelos votos de um Feliz Natal. O autor da proeza é Reginald Fessenden, um  canadiano que há muito sonhava com a proeza.
O estrondoso êxito da rádio, que haveria de marcar gerações ao longo do século, começa numa fria noite de Natal, mas aquecerá o Planeta durante décadas. Até ao aparecimento da televisão.
Por falar nisso... quem nunca teve um aparelho destes, ou é muito jovem, ou andou perdido na vida!

Perguntar não ofende

Funcionários públicos e reformados não receberam o subsídio de férias. Alguém me sabe dizer se o Tribunal Constitucional já legalizou o roubo e perdoou os violadores da Constituição em nome do interesse nacional?
Vá lá, senhores juízes. Sabemos que a (in)justiça é lenta, mas não vale a pena demorarem tanto tempo a decidir de acordo com a vossa douta consciência patriótica. Será que vos pesa a consciência, ou estão à espera que o governo anuncie novos cortes para depois aprovarem tudo por atacado?