quarta-feira, 27 de junho de 2012

Aspirador

 Ora confessem lá...

Seja no formato mais simples, ou mais sofisticado, quem dispensa o aspirador eléctrico, inventado no século XIX, mas que apenas conheceu a sua versão doméstica em 1902?
Eu não...

Portugal fora do Euro, já!


Presumo que esta noite, pela hora do jantar, o país esteja especado diante do televisor, expectante, na ânsia  de ver um remake de Aljubarrota, onde Cristiano Ronaldo reencarnará a figura da padeira Brites e Paulo Bento a de Nun’Álvares Pereira. Se vencermos a Espanha, não faltarão jornais a invocar a reedição da mítica batalha, pelo que me adianto a fazer essa evocação, mas formulando um desejo que  alguns talvez considerem  anti patriótico.
Nunca se começa uma história pelo fim mas eu abro aqui uma excepção,  para vos dizer que espero não ver repetida a História e a selecção portuguesa saia hoje derrotada da peleja com os espanhóis.  Esse meu desejo radica no facto de amar Portugal e assenta num pressuposto que pode não se confirmar, mas encaro como o mais provável: se Portugal  vencer a Espanha terá de defrontar na final a Alemanha que, contrariando  a tradição futeboleira das anteriores edições da prova, derrotará a Itália amanhã, para satisafazer os desejos do senhor Platini, um Sarkozy do futebol, mas sem uma Bruni por companheira de cama. (Recordo que a Alemanha nunca venceu a Itália em jogos do Europeu).
Ora se é verdade que vejo com grande entusiasmo  a possibilidade de Portugal se vingar em campo dos alemães que infernizam a Europa desde 1914, tendo provocado duas guerras – e ansiando por uma terceira, onde a vitória seja alcançada sem disparar um único tiro- temo que esse meu desejo seja refreado pela realidade. Todos os meus pelos se eriçam perante a ideia de imaginar o nosso PM , sorridente, a baixar uma vez mais as calças perante a senhora Merkel e a cumprimentá-la pela justa vitória da selecção alemã, mesmo que Portugal tenha sido roubado em três penalties e tenha visto anulados dois golos mais limpos do que a reputação de Relvas, que Coelho lava com OMO Super. 
Que humilhação pior para o nosso país, do que ver o nosso PM a pedir desculpa à senhora Merkel, se ganharmos, ou a cumprimentá-la efusivamente, se formos derrotados?
Desde 1640 que Portugal não conhecia um traidor à Pátria deste  jaez. Nunca ninguém terá imaginado que  Miguel de Vasconcellos chegasse a primeiro ministro de Portugal, depois de reencarnar   como Pedro Passos Coelho. Eu não quero ser humilhado perante o mundo. Não quero ser apontado  a dedo como súbdito de um file servidor da Hitler de saias.
Embora não possa ver a final do Euro 2012, por estar em viagem à hora do jogo, não suporto a ideia de, na segunda-feira, deparar com fotografias nos jornais, exibindo a confraternização entre o traidor da Pátria e a coveira da Europa. Não conseguiria suportar uma tal afronta, perpetrada por um lambe-botas que nunca fez nada na vida, salvo apascentar-se à sombra dos favores de padrinhos como Ângelo Correia, Miguel Relvas e, agora, de uma terrorista  alemã que espero ver submergida pela sua arrogância e julgada no TPI, por crimes contra a Humanidade.
Se os meus prognósticos saírem furados e no domingo a final for Portugal-Itália, então vou ter muita pena de não assistir ao espectáculo. Seja qual for o resultado, Portugal escapará à humilhação de ver o seu  PM ajoelhar-se perante uma alemã apostada em destruir a Europa, com todo o mundo a ver.
Mas há um pormaior  que convém não menosprezar. Se Portugal se sagrar campeão europeu, PPC aproveitará o dia seguinte para capitalizar os louros da vitória, receberá a selecção com todas as honrarias e, enquanto o povo estiver a celebrar nas ruas, alguém no seu gabinete estará a ultimar o diploma que aplica mais medidas de austeridade a partir do dia seguinte. Eu já conheço de ginjeira a estirpe de quem nos governa! Por isso, o melhor, é que Portugal saia do Euro já!