terça-feira, 26 de junho de 2012

Roubo por esticão

"Quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga"- cantava António Variações nos idos de 80.
Adaptada a letra ao país e ao tempo actual, bem se pode dizer que quando um naif que nunca  soube o que era trabalhar a sério chega a primeiro ministro, o povo é que paga.
Já toda a gente sabia, há mais de seis meses, que o modelo de Gaspar era um aborto que  aumentaria o desemprego e diminuiria a receita fiscal.  Não é preciso ter andado na Universidade... basta saber fazer contas de mercearia...
Mas para o PM que vive à conta dos portugueses ( ele nunca viveu sem ser à custa de alguém) não há problema. Se o ministro das finanças é incompetente e as contas não batem certo, esmifra-se mais os portugueses. Se eles reagirem ao roubo por esticão, manda-se a polícia arrear.Até um dia!

A Pátria dos Abusos


Eu sei que a notícia tem barbas, mas ainda não tive oportunidade de a comentar e não podia deixar passar  em claro.

Poucos já se lembrarão que o ministro de todas as pastas  mentiu na AR  e  mantém relações íntimas com um ex-espião pidesco.  No entanto isso aconteceu e não se passou nada…
Não pode por isso causar estranheza  que a ERC  tenha  deliberado a "absolvição" de Relvas no caso das ameaças a uma jornalista do “Público” É a lei natural das coisas, como já na altura aqui afirmei. Quem tem amigos não morre na cadeia e Relvas soube pôr na ERC um correligionário do partido e uma amiga do peito, a jornalista Raquel Alexandra. Quanto a Carlos Magno joga sempre por quem ganha, por isso a sua decisão é sempre favorável ao elo mais forte.
Noutros tempos, jornalistas sérios recusar-se-iam a fazer parte desta ópera bufa. Actualmente, é um orgulho prestar favores a amigos e atacar ex-camaradas de profissão. Pronto, está bem, eu sei que Raquel Alexandra não chama camaradas aos outros jornalistas. Prefere chamar-lhes colegas. Se tivesse andado na tropa, ela saberia que colegas são as putas. Muitas também têm amigos no poder. E o Carlos Magno idem, idem, aspas, aspas.
A ERC devia exercer um papel fundamental mas, manipulada que está pelos partidos, é uma inutilidade cara. Substituam os agentes partidários por bonecos articulados. Poupa-se um dinheirão e ganha o jornalismo.
Tenho dito

Um país em crescimento constante?

O Brasil está em grande. É, hoje em dia, um país pujante que se alcandorou ao estatuto de vedeta entre os BRIC e vai manter-se no centro das atenções mundiais nos próximos anos. Terminada a Rio+20, todos os olhares se centram na realização do Mundial de Futebol (2014) e, assim que o evento termine, as atenções voltar-se-ão de novo para o Rio de Janeiro, sede das Olimpíadas de 2016. Há quem já fale, também, na realização de uma EXPO de nível 1 a realizar até 2020. Uma festa constante num país que, liberto da ditadura, encontrou no metalúrgico Lula da Silva a mão certa para o conduzir ao crescimento e reconhecimento internacional.
Dilma Rousseff é cada vez mais admirada pelos brasileiros, mas nem todos lhe reconhecem o rasgo de Lula da Silva, para continuar a projectar o país no exterior. Outros, quiçá mais pessimistas, temem que a seguir a este período de ouro cheguem dias difíceis. Não são raros os que apresentam Portugal como exemplo de um crescimento que resultou em "flop" e não se deixam convencer quando se fala dos inúmeros recursos e potencialidades que o Brasil dispõe e que Portugal nunca teve. E não é que há  há quem recue até aos Descobrimentos, para garantir que a razão está do seu lado?