quarta-feira, 16 de maio de 2012

À noite, digo-vos por música

Marcadas as eleições gregas para dia 17 de Junho e ouvidas as declarações (ameaças) de Durão Barroso, parece-me que esta é a canção apropriada para assinalar o dia de hoje a nível europeu.

Em Cannes com Marilyn




Começou  hoje o Festival de cinema de Cannes. que prestará homenagem a Norma Jean ( Marilyn Monroe, se preferirem...)Em 2009 falhei a presença e João Salavisa ganhou a Palma de Ouro para curtas metragens com “Arena”.
Este ano, com muita pena, volto a estar  ausente, o que talvez seja uma boa notícia para o cinema português...

Eles não têm emenda!

Nunca  esquecerei as palavras do PR elogiando a exemplar democracia da Madeira ( também não esquecerei o volte face de Jaime Gama se um dia  decidir candidatar-se a PR, estejam descansados...);
Nunca esquecerei que Cavaco foi humilhado na Madeira ( mas também nunca perceberei por que se deixou humilhar);
Nunca esquecerei estas palavras abjectas da putativa primeira dama;
Nunca esquecerei as encomiásticas palavras dirigidas a AJJ e ao PSD-M pelos sucessivos líderes do P(artido) de S(alteadores) da D(emocracia);
Nunca esquecerei o enriquecimento supersónico dos amigos laranja do nosso PR ( Duarte Lima, Dias Loureiro, Oliveira e Costa, etc) a braços com a justiça, porque se serviram das teias do PSD  e da sua proximidade com o PR para perpetrar os mais variados crimes.
Porque não esqueço nada disso, ao ler esta notícia sinto nojo, mas nenhuma surpresa. Apenas a sensação que até Al Capone respeitava mais os seus adversários do que esta escumalha que vive há quase 40 anos à custa dos meus impostos.
Declarem a independência, porra!

Da(s) Esquerda(s)


Tomei conhecimento deste manifesto através do  Rodrigo
Também eu quero
" UMA ESQUERDA MAIS LIVRE, com práticas democráticas efetivas, sem dogmas nem cedências sistemáticas à direita, liberta das suas rivalidades, do sectarismo e do feudalismo político que a paralisa. Uma esquerda de cidadãos dispostos a trabalhar em conjunto para que o país recupere a esperança de viver numa sociedade próspera e solidária" ( o texto completo está no blog do Rodrigo)

É verdade que a redacção do manifesto nem sempre é  a mais feliz e o título poderia ser mais assertivo mas,  invocar  a  discordância da forma, para  justificar a recusa do conteúdo, não vai com a minha maneira de ser. Por isso assinei, apesar da ressalva que  deixei  expressa  neste comentário ao Rodrigo:
“Não é que acredite na possibilidade de a esquerda se emendar, porque o desentendimento é genético. Aqui e em quase todos os pontos do globo, a esquerda não se entende e abre sempre o caminho à direita. Depois lamenta-se. Por vezes, penso se o objetivo da esquerda não é mesmo passar a vida a lamentar-se e a acusar a direita…”
O exemplo da Grécia, onde a esquerda recusou entender-se com o Syria é bem sintomático, não vos parece?

Papandreou tinha razão, agora não adianta chorar...


Quando Georges Papandreou propôs um referendo, para perguntar aos gregos se queriam permanecer no Euro e aceitavam as regras de austeridade draconianas impostas pela troika, o casal Merkozy esbracejou, vociferou, considerou a proposta uma blasfémia. Papandreou foi obrigado a demitir-se, sendo substituído por um governo "nomeado" pela troika.
Na altura ( dia 7 de Novembro) escrevi isto:
 “Papandreou mostrou que a sua decisão de convocar um referendo foi certa. Demite-se, mas sai como um vencedor. Desmascarou a direita das carpideiras e oportunistas que não têm outra credibilidade senão a de serem bons carteiristas que roubam a quem trabalha, para depois depositarem o produto do roubo nos bancos e viverem com os juros. É o que fazem os assaltantes de ourivesarias...”
Os resultados eleitorais de 6 de Maio  deixaram a Grécia ingovernável e a possibilidade de sair da zona euro é cada vez mais forte. Aqueles que se opuseram ao referendo, porque acima de tudo pretendiam derrubar mais um governo socialista e transformar a Europa numa pasta monocolor liderada por gente  com cérebro de lagosta, percebem hoje que foi um erro. Se o referendo tivesse avançado,  o mais provável é que os gregos tivessem  votado favoravelmente o plano de resgate e os resultados eleitorais teriam sido substancialmente diferentes, permitindo a formação de um governo.
Por muitas medidas preventivas que tenham sido tomadas neste interregno pelas instâncias europeias, a saída da Grécia do euro vai provocar uma onda de estilhaços em todos os países da moeda única.  O contágio a outros países está longe de ser evitado. Mas, muitas vezes, é no caos que se consegue renovar e progredir. A "tragédia grega" poderá ser uma boa oportunidade para reconstruir a Europa.
A direita blogueira cá do burgo ainda não percebeu. Não é que seja burra...é apenas néscia.

Os invencíveis


Esta foi a equipa do SL Benfica de 1972/73 que venceu o campeonato invicta:
José Henrique, Adolfo, Simões, Nené, Toni, Eusébio, Humberto Coelho, Malta Silva, Vitor Martins, Messias, Jaime Graça, Rui Rodrigues, Artur Jorge, Vitor Baptista, Jordão, Artur Correia, Matine, Diamantino, Nelinho, Shéu, António Basto Lopes e Bento

Até àquele dia, Cátia Janine só conhecia Eusébio mas, depois de ouvir os elogios de Artur Agostinho e Ribeiro Cristóvão, fixou o nome de Bastos Lopes. Quando chegar a casa vai perguntar ao pai quem é aquele jogador...