sábado, 5 de maio de 2012

Noites de cinema

Voltam hoje as noites de cinema com um filme que tenho a certeza todos vão gostar e muito vai agradar às leitoras da Alemanha que por aqui passam.
Trata-se de um filme institucional sobre Lisboa produzido por uma empresa...alemã!
Ora vejam lá estes 7 minutos e deliciem-se.


Estudos dão-me razão

Há uns meses defendi que devíamos defender as nossas tradições. O relatório sobre a cunha que hoje vai ser apresentado, vem dizer que eu estava certo quando escrevi este post

Humor fim de semana


Um alentejano anda a regar a horta. Começa a chover mas ele continua a regar. Passa um vizinho que lhe pergunta: 
- Atão compadri está a choveri e vomeçê continua a regari? 
Responde o agricultor:
- Ê cá nã preciso de favores de ninguém! 

A "cassette"




Muitos dos leitores do CR se lembrarão ainda da revolucionária cassette, mas poucos serão os que ainda a utilizam.
Hoje em dia, a cassette é mais  lembrada para mencionar repetitivos discursos políticos, do que como objecto que nos permitia gravar as músicas preferidas.
Lembrei-me deste objecto a propósito da vitória inesperadamente antecipada do meu F.C.do Porto na Liga 2011/2012.
Como é habitual, quando os Dragões ganham qualquer coisa, logo um sem número de resistentes recorrem à “cassette” para denegrir a vitória dos azuis e brancos, argumentando que foram ajudados pelas arbitragens e acusando Pinto da Costa de influenciar tudo o que mexe no futebol.
Já dei demasiadas esmolas para esses coitadinhos e agora não tenho trocos. Limito-me a lembrar a esses argumentistas dois episódios que explicam a razão de tantas vitórias azuis e brancas  e tantos insucessos encarnados.
Começo por recordar  estas palavras de Jorge Jesus no dia 8 de Abril: " Só posso dizer bem dos árbitros portugueses" ( Se não acreditam, sigam o link e leiam...)
O segundo episódio pia mais fino...
Quando o FC do Porto foi eliminado da Taça de Portugal pela Académica, depois da uma humilhante derrota por 3-0, Pinto da Costa saiu do estádio da Briosa ao lado de Vítor Pereira. Com este gesto, o presidente de todos os portistas quis manifestar a sua solidariedade com o treinador e mostrar aos sócios e adeptos que pediam a cabeça de Vítor Pereira, que também ele era co-responsável pelo insucesso da equipa.
Ontem à noite, tive a oportunidade de ver num desses programas desportivos que pululam nas televisões indígenas,  Jorge Jesus a sair de Vila do Conde assobiado pelos adeptos benfiquistas. Saiu sozinho e de cabeça baixa, porque nem Luís Filipe Vieira, nem Rui Costa ou Carraça, tiveram a coragem de dar a cara e manifestar o seu apoio ao treinador que escolheram para dirigir o SL Benfica. Fugiram como ratos!
Esta diferença de relacionamento entre a estrutura dirigente de um clube e o seu treinador ajuda a explicar o sucesso do meu clube.
A verdade, meus amigos benfiquistas, é que o vosso clube tinha há três meses cinco pontos de avanço sobre o FC do Porto e o campeonato na mão, mas deixou-se apanhar, ultrapassar e em três meses ficou a seis pontos da liderança.
Não se desculpem com as arbitragens, nem crucifiquem o treinador. E, por favor, mantenham o LFV à frente dos destinos do SL e Benfica. Como já aqui escrevi há uns anos, LFV é um certificado de garantia para o sucesso azul e branco e para as minhas alegrias sazonais…
Logo à noite, lá estarei no Dragão para celebrar mais este título.




Arte Urbana (8)