sábado, 28 de abril de 2012

Das línguas da sogra


Comemora-se hoje, pelo menos no Brasil, o Dia da Sogra.  Parece-me oportuno recomendar-vos a leitura deste artigo de  Frei Betto, que desconheço se tem sogra ou é casado com Deus, mas lembra algumas coisas interessantes.
Pena não falar da língua da sogra, que a Baixinha até ontem pensava ser este ruidoso instrumento.

Com toda a bonomia e paciência que me caracterizam ( cof, cof, cof) lá  lhe  expliquei que Língua da Sogra é o produto alimentar que se vê à esquerda da imagem ( à direita são bolachas belgas que não fazem parte desta história)


Não havia miúdo, nas praias entre Leça e Espinho, que não abandonasse a brincadeira e corresse para junto da mãe a salivar, assim que ouvia o pregão “ Olhá boa língua da sogra!"
“Vem aí o homem da língua da sogra! Compra-me uma, mãe!”  Lembram-se?
Desejo a todas as sogras que me visitam um dia feliz, transmissível a todas as sogras vossas amigas.
Estou ausente. Fui à procura da sogra da Merkel, para lhe dar os pêsames pela nora que o filho lhe arranjou.
Sempre que possa, vou passando por aqui a ler os vossos comentários.

Chichimeko


O ministério do turismo de S. Salvador lançou um desafio para a criação de uma bebida emblemática  do país. Exigia o regulamento que a bebida fosse criada por salvadorenhos e com ingredientes originários do país.
Causou estranheza que a  bebida vencedora, apresentada por um aluno da escola de hotelaria, fosse feita  com licor de mirtilho, vodka, triple sec  e sementes de abóbora moídas.  Na verdade,  o único ingrediente tipicamente salvadorenho nesta bebida  é o alguaishte  (sementes de abóbora moídas), mas o júri gostou e declarou-a vencedora.
Colocado perante a questão de saber se a bebida  vencedora não desrespeitaria o regulamento, um membro do júri confessou que a bebida foi selecionada por engano. O vencedor concorreu com duas receitas  e a selecionada pelo júri foi outra, à base de café e tamarindo mas, na hora de divulgar os finalistas, a que apareceu foi a do Lempa Sour ( o rio Lempa é o principal rio do país).
Enganos destes todos têm, obviamente, mas quem não se enganou foi o povo salvadorenho que  logo  rebaptizou  o Lempa Sour de Chichimeko, nome por que é conhecido no país um animador de festas populares que se movimenta com andas.
Enquanto lia a notícia, lembrei-me  que provavelmente foi o que aconteceu em Portugal no dia 5 de junho de 2011. Os portugueses queriam eleger um tipo sério e honesto, chamado Pedro Passos Coelho, mas acabaram por escolher um troca-tintas arrogante  e aldrabão.   Ora como esse homem não anima as festas populares, mas sim as festas da alta finança e dos grandes empresários e  parece usar andas sempre que aparece ao lado da mãezinha  alemã, talvez lhe fique bem o nome de Chichimerkel .

Arte Urbana (8)