segunda-feira, 9 de abril de 2012

Cátia Janine


Cátia Janine é uma  babby boomer.No dia em que nasceu, ainda a Europa sentia o odor dos cadáveres de  Hiroshima e ouvia o ribombar das bombas  de Hitler  sobre Londres.
Durante 28 anos viveu com amargura a sua fealdade e sem qualquer interesse sobre as questões políticas.
Numa manhã de Abril, a sua vida iria mudar por força de um encontro inesperado.
Cátia Janine é o pseudónimo de uma personagem real - a quem acrescentei uns anos- mas não é uma figura  pública. Será a protagonista de um relato sobre os anos pós revolução dos cravos 74 a que aqui darei início em breve. 
Convido os leitores do CR a conhecerem Cátia Janine, lendo aqui uma breve súmula da sua vida.  

Blog da semana

A variedade dos temas escolhidos e a sua abordagem tornaram-me cliente assíduo deste espaço, onde vejo o mundo através da análise da Teresa. Os meus óculos do mundo é o blog da semana

Post para fumadores ( ou fumantes)



Nos últimos dias, tem-se discutido muito se os cortes nos subsídios de férias são



OU...
 Como os portugueses são muito parecidos com a marca de cigarros que elegeram como preferida, durante muitos anos...

Creio que vão ser mesmo Definitivos. Por isso, o meu conselho é este

 E emigre... Não sei se este será o destino ideal...
porque embora seja fino, não tem filtro... mas a escolha é sua.!

A verdade é esta...

...um  ano depois de o governo do PS ter sido derrubado por uma aliança espúria entre comunistas, extrema esquerda e partidos de direita, os portugueses vivem pior e- ainda mais grave- sem esperança. Não me espanto.
O que realmente me espanta é o facto de o PCP e o BE não terem ainda feito mea culpa  e reconhecido que cometeram um erro colossal ao chumbar o governo de Sócrates.
Falo com a consciência tranquila. Nunca gostei de Sócrates e a única vez que votei nele foi precisamente ano passado, porque adivinhava facilmente onde iríamos parar com um governo PSD/CDS. Por muitos erros que o governo PS tenha cometido, por muitas cedências que o PS  fizesse aos grandes interesses económicos e à troika, tenho a certeza que os funcionários públicos e os pensionistas não teriam sido espoliados de dois meses de salários. As medidas seriam mais equitativas e mais suaves, não assistiríamos, impávidos, à destruição da escola pública e do SNS.
Coisas que as lideranças partidárias do PCP e do BE parecem não ter percebido. Ou então perceberam, o que é ainda mais grave e me deixa muito apreensivo.

Vozes de Abril (6)