sexta-feira, 6 de abril de 2012

Da transparência dos láparos


Ainda me lembro de PPC  afirmar, repetidas vezes, com aquela ar sério que os chulos usam  para sacar dinheiro às prostitutas, que o seu governo seria totalmente transparente.
Sinceramente, há muitos anos que não via um  governo tão opaco e tão trafulha. Salazar era fascista, mas PPC é vigarista. Bem  pode dizer que ama Portugal e está a fazer  tudo para nos salvar, mas eu sou p… velha e não vou em cantigas. Cada vez que ele abre a boca é para dizer uma mentira e já contagiou os ministros, como ainda na quarta-feira  se pode ver a propósito do corte de subsídios, com cada um a apresentar versões diferentes.
Outra demonstração da seriedade e transparência foi dada ontem, com a proibição das reformas antecipadas.
O diploma foi aprovado em Conselho de Ministros na quinta feira mas, prudentemente, a medida não foi incluída no comunicado de imprensa. Foi aprovada à socapa, levada ontem  ao PR que a assinou e publicada hoje em DR. 
Esta medida – na perspectiva míope do governo- visa, certamente, incrementar o emprego dos jovens e teve, na sua concepção, o alto patrocínio do PR, conivente com   mais uma vigarice.
Atirados da ponte  com uma pedrinha ao pescoço, é que me proporcionariam uma Páscoa Feliz!

Recordações de Abril


Respeitando o período de reflexão Pascal, recupero as benquistas práticas a que este governo nos exorta e, durante os próximos dias, não será exibida música aqui no CR. Em sua substituição, o editor  optou por mostrar estas imagens bem paramentadas, no intuito de recordar aos seus leitores tempos de um outro Abril que parece ter sido enterrado na memória de grande parte dos portugueses. Especialmente por aquela turba que, depois da lavagem das mãos por Pilatos, exigiu que lhe entregassem o Povo traidor para o crucificar, depois de percorrida a Via Sacra.

Parece anedota...

... mas não é! Se esta moda pega,  ainda vamos ver empresas a proibirem os colaboradores de comerem mais do que uma vez por dia