sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Hotel Bauen: Yes, we can!



Na Avenida Callao, bem no centro de Buenos Aires, fica o emblemático  Hotel Bauen.  Para a maioria dos que por lá passam, o Bauen é apenas mais um hotel e poucos conhecerão  a sua história, mas vale a pena contá-la….
Inaugurado em 1978, com o objectivo de  acolher adeptos endinheirados durante o  Mundial de Futebol, o Hotel Bauen foi construído com um generoso apoio do governo militar que concedeu ao seu proprietário um empréstimo de 40 milhões de dólares.  O sucesso do hotel foi enorme e, em poucos anos,  o empresário argentino Marcelo Yourkovich construiu, com os lucros do  Bauen um outro hotel em Búzios, no Brasil, mas nunca pagou na totalidade o empréstimo  que lhe fora concedido. O caso arrastou-se pelos tribunais argentinos e em Dezembro de 2001, durante o Corralito,  o Bauen fechou as suas portas lançando 200 trabalhadores para o desemprego. Nessa altura era já um hotel envelhecido e  decadente e o seu proprietário não via qualquer viabilidade de recuperação.
Um ano depois, quando o proprietário começou a vender os móveis e equipamentos do hotel, cerca de meia  centena de antigos trabalhadores ocuparam o hotel dia e noite. O seu único objectivo, numa altura em que a taxa de desemprego na Argentina ultrapassava os 20 por cento,  era recuperar os postos de trabalhos perdidos, de forma a garantirem o sustento das suas famílias. Por isso entraram de imediato em contacto com o Movimiento Nacional de Empresas Recuperadas, organização de apoio a trabalhadores que pretendam recuperar empresas falidas.
Organizados numa cooperativa, os trabalhadores promoveram vários eventos culturais para angariação de fundos. A resposta dos porteños  a essas iniciativas foi entusiástica e as receitas obtidas  permitiu  fazer obras de  recuperação  e modernização de  200 quartos do hotel e de algumas das partes comuns. 
Em 2005, com o hotel em plena recuperação, os trabalhadores  foram informados que o Bauen iria ser encerrado, porque o proprietário e seus herdeiros reclamavam a posse do edifício entretanto totalmente remodelado e modernizado. A ordem nunca foi cumprida e seis meses depois uma juíza reconhecia à cooperativa entretanto criada, o direito a explorar o negócio, embora permanecesse o diferendo sobre a posse do edifício. Enquanto os herdeiros reclamam a posse do edifício, os trabalhadores lembram que, uma vez que a dívida ao Banco Nacional da argentina não foi paga pelo proprietário do Bauen, este é propriedade  do governo.
Hoje em dia, o Bauen é um hotel emblemático de Buenos Aires, tendo recuperado o seu prestígio e a sua viabilidade económica e financeira,  mas só em Junho de 2011 o Senado anunciou a aprovação de legislação que irá permitir aos trabalhadores, organizados em cooperativas, tornarem-se proprietários de empresas falidas e insolventes, cuja recuperação tenha sido feita graças ao seu esforço. 
A medida permitirá garantir mais de 10 mil postos de trabalho e  legalizar a posse de mais de duzentas empresas recuperadas pelos trabalhadores após o Corralito, estimando o Movimiento Nacional de Empresas  Recuperadas que, com a sua entrada em vigor, seja possível recuperar mais de duas mil empresas entretanto encerradas pelos patrões. 
O caso do hotel Bauen – e outros que relatarei  noutros posts-  é uma prova de que é possível criar emprego sem patrões. A via cooperativa é uma possibilidade de relançar empresas encerradas em Portugal. Basta que o governo português crie incentivos à economia apoiando as cooperativas  e  tenha coragem de legislar no sentido de reconhecer aos trabalhadores a posse de empresas e fábricas por eles recuperadas.