quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Agonia

" Pesa sobre nós uma imensa tristeza.
Quem olha ao longe e ao largo para este triste país vê só indiferença, tristeza, apatia.
Perto de nós a Espanha morre também em agonias ásperas e dolorosas.
Porque nesta terra, protegida pela clemência da Natureza,num solo fecundo, úbere, num clima sereno, com carácter sofredor,com braços robustos, com força da alma e lucidez de espírito, esta triste raça morre no entorpecimento, sem esperanças, sem remédio?
Tudo o que faz oficialmente, reformas,melhoramentos, economias, leis, regulamentos, são apenas alterações de forma. A decadência é íntima, estéril, destruidora.
Todas as feições da decadência se enraizaram em nós: temos a corrupção e a devassidão como no Baixo Império; temos a futilidade , o desleixo, o escárnio, como na monarquia de 87; temos o embrutecimento como a Turquia; temos o impudor político, a vileza oficial, o desprezo pela pátria.
Quem nos salvará? O sistema presente fecundamente aplicado? A ascensão do novo mundo económico?
Que nome há-de ter na História esta época portuguesa? (...)"

Eça de Queiroz in " A Folha do Sul", 20 de Janeiro de 1867 ( citado in A Pátria dos Abusos)

7 comentários:

  1. Não é bem, mas é quase, a descrição perfeita da actual situação.

    ResponderEliminar
  2. Os grandes escritores conhecem-se pela intemporalidade dos seus textos!

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Não escolheria este dia
    Para falar nesta "Agonia"
    Foram mais os sims
    Que os nãos, apesar dos nins

    ResponderEliminar
  4. Um texto perfeitamente actual.
    Sem saber quem 'falava' diria que a agonia era a actual.

    Respondendo à tua pergunta: Se nada tivesse a perder seria capaz de TUDO, literalmente.
    Embora sabendo que nada tenho, o medo faz morada em mim e há coisas que gosto de acreditar que tenho, principalmente os afetos.
    Na realidade nada tenho por isso voltamos ao inicio.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  5. Que alívio!!!

    Em 20 de Janeiro de 1867 ainda a minha amiga Angie não tinha nascido, quer dizer, nessa altura outras Angies tinham a culpa da porca miséria do país.

    Foram as Angies de 1867 também queimadas na praça pública?

    Saudação da tuga de longe!

    ResponderEliminar
  6. A Pátria continua impunemente a ser abusada e a Agonia é sensivelmente a mesma, cento e quarenta e cinco anos depois!
    Como é possível?

    Beijos.

    ResponderEliminar