sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Com vossa licença...

...mas depois de ler isto, só me apetece dizer que, por aquele preço, mais valia resistir um bocadinho aos instintos e, com calminha, ter contratado as putas todas de Nova Iorque para se aliviar.
Há brincadeiras que saem caro. São as chamadas brincadeiras do c%=$#%!?

Os americanos são muito mentirosos!

Enquanto o coelho da Alice continua a viver no País das Maravilhas, do outro lado do Atlântico fazem um retrato calamitoso de Portugal. Pois, eu sei, o New York Times é a filial do Avante! 

Sabes quanto vales, Pedro?


O director geral adjunto da senhora Merkel,  que se auto-intitula primeiro ministro de Portugal, disse na entrevista à TVI:
“ Por proposta minha, ficou decidido  que as regras aplicadas à Grécia serão aplicadas aos outros países sob programa ( Portugal e Irlanda)”
Admitamos que a proposta foi mesmo apresentada por Pedro Passos Coelho. Sendo verdade, a resposta acaba de ser dada por um tipo qualquer do Eurogrupo e, muito provavelmente, ratificada na próxima segunda-feira:
Sabes quanto vales, Pedrito? Vales zero!
E eu acrescento. Está a ver quanto vale ser bom aluno, Pedro? Vale zero!

No bom caminho

Quem conduz um camião, com carta de ligeiros, arrisca-se a sofrer um acidente Quem é imprevidente e confia demasiado nas instruções do pendura, arrisca-se a uma emboscada. .Auguro-lhe uma surpresa numa curva da estrada, Pedro. 

Bem vindos à Coreia do Norte


O Estado imiscuir-se na gestão contabilística das empresas privadas, já é preocupante, mas Quando a ingerência chega a este ponto, é porque estamos a aproximar-nos perigosamente de um regime totalitário.
Por este andar, um dia destes vêm as senhas de racionamento, a limitação dos papo secos e a obrigação de os comprar nas padarias do José Diogo Quintela.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Uma questão de agilidade

Enquanto Paulo Portas (via Telmo Correia), mostrou o seu cepticismo  quanto ao OE mas votou-o favoravelmente e depois desapareceu com o rabinho entre as pernas, António José Seguro proclamou a catástrofe do OE, votou contra, mas quando lhe perguntaram se o PS iria pedir ao Tribunal Constitucional a fiscalização sucessiva, fugiu com o rabo à seringa e respondeu " Não me comprometam!"
É tudo uma questão de agilidade. Cada um protege o seu, o melhor que sabe e pode.

A crise quando nasce não é para todos...

A austeridade é uma coisa boa, mas só para os outros.Os deputados europeus, por exemplo, já podem reformar-se aos 55 anos, com uma pensão de 9 mil euros.
Também é  bom saber que os povos que lucram com a crise dos países do sul, vão aumentando o seu nível de vida, à custa daqueles que exploram...

D Pedro, imperador dos tugas



Pedro Passos Coelho é vaidoso. Não me perguntem  porquê. Endossem a pergunta ao Freud.
Dado adquirido é que, sendo o homem vaidoso, está convencido que nasceu para salvar o país. Só que a vaidade não conquista votos, por isso, foi obrigado a desenvolver a sua faceta de mitómano, para conquistar os votos dos portugueses. 
Conquistado o poder, Pedro PC  deixou cair a máscara e ficou visível a sua faceta  misógina. Mas até neste pormenor PP Coelho é singular. Ele não odeia as mulheres, odeia apenas os portugueses, um estorvo insuportável para o seu plano de salvação do país , que o catapultará para as páginas da História de Portugal como grande estadista.
Há muita gente que, por muito menos, está internado no Júlio de Matos ou estabelecimento similar. Por azar dos Távoras- que condicionam a nossa História desde Marquês de Pombal- Pedro PC escapou ao hospício e  foi parar ao convento de S. Bento, onde reencarnou como Carlos V.
Rodeado de seguranças, PPC  ensaia diariamente  a cerimónia  da sua coroação como imperador dos tugas, dizendo-se inspirado em Carlos V.  Todos sabemos, porém, que as leituras de Pedro Passos Coelho são transviadas. Elege  como preferidos  livros que nunca foram publicados e tem dificuldade em perceber os enredos. Ora isso faz  toda a diferença. 
 Carlos V encenou a sua morte ao pormenor, no mosteiro de Yuste, onde viria a falecer. Da janela dos seus aposentos ensaiava o cortejo fúnebre e corrigia aquilo que não lhe agradava. 
PPC tresleu a biografia do imperador e, em vez da sua morte, está a ensaiar a sua coroação como salvador da Pátria. É ele quem dá as ordens e não admite quaisquer sugestões.
Percebe-se a confusão no cérebro de uma assoalhada  do líder do PSD, onde habita o seu único neurónio. Lamentável é que as circunstâncias da História tenham permitido que em Portugal, no mesmo período, coabitem um PM com um só neurónio( o da vaidade) e um ministro das finanças cujo único neurónio é o da soberba.
Mas como um azar nunca vem só, quis a roda da Fortuna que em Belém assentasse arraiais um PR cujo único neurónio tem a síndrome do Tio Patinhas. Desde que não lhe falte o guito da reforma dourada, para o senhor  Aníbal está tudo bem.
Podem os portugueses ficar indiferentes e conformar-se com tanta negligência  da Mãe Natureza? 

A lareira já está acesa?

Não faço a pergunta por causa da carta que dezenas de personalidades ( ou  Mário Soares e 77 personalidades, como escreve o DN num assomo de escroqueria jornalística) enviaram a Pedro Passos Coelho e a Cavaco Silva, pedindo ao primeiro que se demita e ao segundo que, permanecendo o nosso primeiro na sua obstinação autista, o demita.
A carta ( que podem ler na íntegra seguindo o link do cabeçalho do CR) vem na sequência lógica da aprovação patética do OE na AR onde - ficou hoje a saber-se- a declaração de voto de João Almeida foi escrita em colaboração com Paulo Portas, o número 3 do governo!
É certo que a carta ganha mais acuidade depois de ontem,  numa inenarrável entrevista, PPC ter admitido fazer cortes na saúde, diminuir as despesas com a segurança social (cortes nas pensões e benefícios sociais), despedir  funcionários públicos e introduzir o pagamento de propinas no ensino público...obrigatório! Ou seja, PPC  admitiu perante o país  fazer um golpe de estado "à sua maneira".
Todos sabemos que o destino da carta serão os caixotes do lixo de S. Bento e Belém, ou alimentar o fogo da lareira em noite de Natal. Cavaco Silva -que tudo fez para demitir Sócrates alegando que os portugueses não podiam aguentar mais sacrifícios -refugia-se na redoma de Belém, indiferente ao sofrimento dos portugueses e confortado com a sua parca reforma. A carta não terá, pois, efeitos práticos.
Há, no entanto, uma notícia de hoje que promete fazer subir a temperatura nestes dias gélidos.Refiro-me à decisão dos magistrados que ameaçam recorrer aos tribunais, se Cavaco Silva não pedir a fiscalização preventiva do OE ao TC ou, em alternativa, não o vetar.
Há algumas semanas, Marcelo Rebelo de Sousa tinha aconselhado Cavaco Silva a pedir a fiscalização, invocando precisamente esta possibilidade. E adiantou: se o assunto for parar aos tribunais comuns isto vai ser uma trapalhada!
Tudo indica que a trapalhada vem aí e Marcelo deve estar a esfregar as mãos de contente. Será a vez dele dizer a Cavaco "Eu tinha avisado!".
Nota final: Lamento que Mário Soares só agora tenha percebido que Pedro Passos Coelho não é aquele tipo honesto em que acreditava. 

Um terramoto no Porto


O apoio do PSD a Luís Filipe Meneses como candidato à Câmara do Porto ainda vai fazer correr muita tinta. Importa, porém, começar desde já a tirar algumas ilações sobre o significado desta aposta de Pedro Passos Coelho.
PPC bem pode apregoar rigor e transparência. Bem pode tentar convencer-nos que é um homem honesto. Por muitos esforços que faça, jamais o conseguirá.
 Um homem honesto não protege Miguel Relvas.
Um homem transparente não deixa que pairem dúvidas sobre a forma como terá aproveitado as verbas do FSE para favorecer a empresa (Tecnoforma) de que era administrador.
Um homem rigoroso não apoia a candidatura de Luís Filipe Meneses ao Porto. O ainda autarca de Gaia deixa obra feita no concelho. Desenvolveu-o para lá do inimaginável. Eu próprio lamentei que não fosse ele o candidato ao Porto em 2009. O problema é que deixa uma dívida astronómica em Gaia- uma das autarquias mais endividadas do país- cuja factura terá de ser paga ao longo de décadas.
Como pode PPC apoiar um autarca despesista, que notoriamente viveu acima das suas possibilidades enquanto foi presidente de Gaia, e reclamar simultaneamente rigor nas contas das autarquias?
Estará PPC interessado em destruir a segunda cidade do país, condenando-a a um terramoto financeiro?

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Breves notas sobre o reality show de Coelho

1- O concorrente deu um beijo à Judite de Sousa antes de começar a prova
2- A Judite estava com um penteado novo, que expressava o seu temor reverencial perante o concorrente
3- O outro entrevistador fazia voz grossa e franzia o cenho antes das perguntas
4- O concorrente , apesar de muito vaidoso e com ar de encantador de sopeiras, era muito fraquinho e, percebeu-se logo, muito mentiroso.
5- O concorrente confessou que irá violar as regras do jogo, quer o público goste, quer não.  Deu a entender, por exemplo,  que vai cortar as pensões abaixo de mil euros, os alunos vão ter de pagar propinas mesmo no ensino público obrigatório e outras maldades que divulgará a seu tempo.
6- Perguntado sobre a Grécia, respondeu que aquilo não interessa nem às palhinhas do Menino Jesus e nós devemos seguir orgulhosamente o nosso caminho sem sermos invejosos e querermos as mesmas benesses de que a Grécia vai usufruir.
7- O concorrente voltou a demonstrar que odeia os portugueses.
8- Disse várias vezes " Eu sou bom" e "Eu sou o salvador da Pátria", "Eu sou o caminho".
9- Quando não sabia responder às perguntas olhava para o lado ( devia estar à procura da cábula que o Gaspar lhe preparara) e começava a falar do tempo. 
10- O concorrente falou de outras matérias, mas fê-lo de forma vaga e desconexa. Não deu para se perceber se era ignorância ou ronha para enganar papalvos.
11- Resumindo: o concorrente não estudou a lição e procurou atrair os entrevistadores para a única matéria que dominava. Os entrevistadores caíram no engodo. Suspeito que algum público também...
Aviso à navegação: o concorrente tem bem vincados os tiques de ditador.O homem é perigoso e se o público não se põe a pau ele gama-lhes até as cuecas e apodera-se definitivamente do pote.

APRECIAÇÃO do Júri de avaliação:
Francisco Assis e Francisco Louçã  consideraram o  concorrente mentiroso, vaidoso e perigoso
Ângelo Correia ( o Padrinho que o inscreveu no reality show)- Manifestou-se decepcionado com a prestação do afilhado.
Ribeiro e Castro- Gostou, mas ficou muito aborrecido pelo facto de o concorrente ter dito que Paulo Portas era o nº3 do governo. Um erro imperdoável do concorrente- insistiu quase até entrar em estado apoplético.
António José Teixeira e Adelino Maltez- Cuidado com este gajo! Está a perverter as regras, o árbitro está desatento e o tipo é capaz de ganhar , apesar de ser um batoteiro.
Maria José Garrido- Eu queria dizer que gostei, mas não consigo, porra! A arrogância do tipo irritou-me um bocado. Tem de aprender a cativar o públco e o júri.
José Gomes Ferreira- Este tipo é um artista. Adoro-o! É batoteiro, mas eu adoro batoteiros ( excepto o Sócrates) Não gostais do que ele faz? Sois uns lorpas! Ele vai fazer o que deve ser feito, ganha o concurso e, com um bocadinho  mais de empenho, eu hei-de conseguir sentar-me ao seu lado. Ele está-se nas tintas para as regras do jogo, porque são estúpidas. Por isso ele faz as regras e ganha. Repito. Adoro este gajo, é o meu ídolo!


Regabofe é ...(9)

O governo oferecer 1100 milhões de euros à Madeira para comprar os votos de quatro deputados e o governo regional gastar o dinheiro em fogo de artifício.

Diatribes do fantasminha Gaspar


No discurso de encerramento da "cerimónia" de aprovação do OE 2013, o primeiro ministro Vítor Gaspar lançou umas farpas ao PS, aludindo a divisões internas e deixando o aviso de que o pedido de fiscalização ao TC poderia desencadear uma crise política.
Ouvi alguns comentadores darem a sua concordância à intervenção de Gaspar e elogiarem a forma como explorou as divisões no seio do PS.
Parece-me uma análise errada por duas razões:
1- Se o  governo lança o papão da crise política, no caso de o OE ser enviado para o TC, é porque tem consciência de que viola a Constituição, pelo que está a tentar condicionar o direito dos partidos da oposição recorrerem ao OE para  que seja reposta a legalidade.
2- O aviso de Gaspar  foi uma indirecta para Belém, a quem o governo incluiu no pacote das ameaças.
O mais natural é que Cavaco ceda às pressões mas, se o PS se deixar amedrontar e se demitir do seu dever, o eleitorado julgá-lo-á.
O governo já não tem legitimidade para dizer que o PS é co-responsável pelo memorando, pois aquilo que o PS assinou foi substancialmente alterado.
Assim sendo,a diatribe de Gaspar é um não caso e como tal deve ser tratado?
Bem pelo contrário! É preciso dar a máxima atenção às suas palavras e ameaças porque encaixam, na perfeição, na estratégia concebida por Salazar para implantar uma ditadura em Portugal. Estratégia que, aliás, tem  como principal apoiante Pedro Passos de Coelho.
Enquanto Gaspar avisa "eu ou o caos", PPC  adapta a máxima salazarenta " Para Angola rapidamente e em força" convertendo-a em " os portugueses têm de empobrecer , custe o que custar".
A quem pensar que estou a ser exagerado e alarmista, lembro que ontem, no programa Economix da RTP, o insuspeito Rui Moreira ( possível candidato do CDS à câmara do Porto) alertou exactamente para o mesmo. Dizia ele que a rédea solta a Gaspar nos está a conduzir para caminhos que põem em risco o regime democrático e todos devíamos pensar nisso. 
Ora quando a direita avisa, o melhor é mesmo estarmos atentos...


A ténue fornteira que separa um herói de um cobarde




Foi visível o desconforto de alguns deputados dos  partidos da coligação, face ao OE 2013. Espernearam, prometeram que só votariam este OE se passassem por cima do seu cadáver ( Adolfo Mesquita Nunes, por exemplo…)  mas acabaram por votá-lo favoravelmente. 
No CDS, quatro deputados reclamaram o estatuto de heróis, fazendo uma declaração de voto em que, sucintamente, afirmavam que  votavam a favor apenas para defender o coiro e o tacho.  Exceptuando o deputado do CDS Madeira que mostrou ao patrão Portas como devia agir se realmente quisesse defender os interesses de Portugal e dos portugueses, as declarações de voto dos deputados do CDS são de ir às lágrimas.
João Almeida, o caramelo Vaquinha de estimação do CR, fez esta brilhante afirmação:
"Se há coisa que o passado recente nos mostra claramente, é que a uma má solução, ainda que rejeitada, sucede uma pior. (...)"

Ou seja, acabou por reconhecer que o governo Sócrates era melhor do que este. Claro que isso não é novidade para ninguém, mas ser um deputado do CDS/PP a admiti-lo, fia mais fino!
Quanto a Adolfo Mesquita Nunes de quem criei uma opinião bastante favorável depois de fazer uns debates com ele na rádio Comercial, desiludiu-me em absoluto. Considero-o uma pessoa inteligente, mas quando leio na sua declaração de voto que as suas críticas incidem sobre o espectro socialista que enforma o actual OE,  percebo que muito provavelmente ainda não aprendi a distinguir um fascista de um tipo bem falante.
Quanto a Ribeiro e Castro, passo. Não me pronuncio sobre inimputáveis.
Passemos então aos “arrependidos” do PSD  
A dúzia e meia  de deputados  laranja ( podia ser um quarteirão, porque ia dar ao mesmo) que anunciaram pela voz de Miguel Frasquilho ir apresentar uma declaração de voto, meteram a viola no saco, assim que Miguel Relvas os ameaçou com o pau de marmeleiro. Depois do alarido, acabaram a beijar o rabo do grande chefe.
Todos estes deputados quiseram apresentar-se como heróis e, eventualmente, salvar a face dos seus partidos. Infelizmente, desconhecem que a fronteira entre um herói e um cobarde é delimitada por um traço muito fino.  Receosos de perder os tachos e mordomias,  ultrapassaram-no. Cobriram-se de ridículo e ficarão para a História como traidores iguais aos que se mantiveram em silêncio e se limitaram a abanar o rabo às ordens dos chefes de claque, como cãezinhos amestrados  à espera de entrarem em cena no palco circense da AR. Uns chihuahua ou caniches da espécie humana.







Ao deputado e ao borracho, põe Relvas a mão por baixo

Então Relvas chegou junto dos 18 deputados rebeldes  e perguntou



Os meninos foram então para as sanitas da AR refazer o enunciado da declaração de voto...

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Cenas dos próximos capítulos


Aprovado que está o OE por um grupo de energúmenos, entra em cena o candidato a Bobo. 
O Banco de Portugal, a OCDe e reputados economistas portugueses e estrangeiros já disseram que este OE é um embuste e as metas não serão cumpridas.
Hoje mesmo, Vítor Gaspar veio admitir essa possibilidade, mas descartou responsabilidades, alegando que se não for cumprido será por culpa das circunstâncias internacionais.
Aconselhado pelos parceiros sociais e pela  maioria dos conselheiros de Estado a pedir a fiscalização do Tribunal Constitucional , ou a vetá-lo, como reagirá o cadáver de Belém? 
O mais provável é que vá consultar a sua conta bancária, para confirmar se a sua parca reforma foi depositada a tempo e horas.  Se estiver tudo bem, comete mais uma vez  perjúrio, aprova o OE em nome da estabilidade política e, confortado pela consciência de bobo, vai comer bolo rei com a Maria. 
Na mensagem de Ano Novo, vai falar das alterações climáticas...

Aproveitar as oportunidades da crise (3)

Os portugueses já não correm para as urgências dos hospitais ao primeiro espirro, porque não têm dinheiro para pagar tanta taxa moderadora. Agora, mesmo à rasquinha, esperam até ao momento em que tenham de ser levados para as urgências pelo INEM. Sempre poupam na gasolina, ou no táxi...
Poderá aumentar a taxa de mortalidade? É um facto, mas o governo, como sempre perspicaz, já reduziu o subsídio de funeral para metade. Além disso, mesmo que tenha de custear o transporte, vai ganhar. Gaspar sabe fazer as contas e, muito bem, concluiu que mais vale pagar o transporte do 112, do que pagar reformas a uns chulecos que andaram  durante 40 anos a entregar parte do seu salário ao Estado e, só por isso, já se julgavam no direito de reclamar reforma. Uns oportunistas,estes tugas!
( Ver mais oportunidades aqui )

Para memória futura


    Aqui ficam as fotografias e os nomes dos deputados que, traindo a confiança que neles depositaram alguns eleitores, aprovaram o OE 2013, condenando à miséria- e quiçá à morte- milhares de portugueses inocentes.
    Apesar de estarem aquartelados na S. Caetano à Lapa e no Largo do Caldas, estes traidores exercem a sua acção por todo o país, razão pela qual se identificam, igualmente, os distritos onde actuam para enganar o povo com o conto do vigário. Para defenderem o tacho, traíram quem neles votou. Cambada de cobardes!

    Abel Baptista (Viana do Castelo, CDS-PP), Adão Silva(Bragança, PSD), Adolfo Mesquita Nunes (Lisboa, CDS-PP), Adriano Rafael Moreira (Porto, PSD), Afonso Oliveira (Porto, PSD), Altino Bessa (Braga, CDS-PP),Amadeu Soares Albergaria (Aveiro, PSD), Ana Oliveira(Coimbra, PSD), Ana Sofia Bettencourt (Lisboa, PSD),Andreia Neto (Porto, PSD), Ângela Guerra (Guarda, PSD), António Leitão Amaro (Lisboa, PSD), António Prôa (Lisboa, PSD), António Rodrigues (Lisboa, PSD),Arménio Santos (Viseu, PSD), Artur Rêgo (Faro, CDS-PP), Assunção Esteves (Lisboa, PSD), Bruno Coimbra(Aveiro, PSD), Bruno Vitorino (Setúbal, PSD), Carina Oliveira (Santarém, PSD),Carla Rodrigues (Aveiro, PSD), Carlos Abreu Amorim (Viana do Castelo, PSD),Carlos Alberto Gonçalves (Europa, PSD), Carlos Costa Neves (Castelo Branco, PSD), Carlos Páscoa Gonçalves (Fora da Europa, PSD), Carlos Peixoto (Guarda, PSD), Carlos Santos Silva (Lisboa, PSD), Carlos São Martinho (Castelo Branco, PSD), Clara Marques Mendes (Braga, PSD), Cláudia Monteiro de Aguiar (Madeira, PSD), Conceição Bessa Ruão (Porto, PSD), Correia de Jesus (Madeira, PSD),Couto dos Santos (Aveiro, PSD), Cristóvão Crespo (Portalegre, PSD), Cristóvão Norte (Faro, PSD), Cristóvão Simão Ribeiro (Porto, PSD), Duarte Marques(Santarém, PSD), Duarte Pacheco (Lisboa, PSD), Eduardo Teixeira (Viana do Castelo, PSD), Elsa Cordeiro (Faro, PSD), Emídio Guerreiro (Braga, PSD), Emília Santos (Porto, PSD), Fernando Marques (Leiria, PSD), Fernando Negrão (Braga, PSD), Fernando Virgílio Macedo (Porto, PSD), Francisca Almeida (Braga, PSD),Graça Mota (Braga, PSD), Guilherme Silva (Madeira, PSD), Hélder Amaral (Viseu, CDS-PP), Hélder Sousa Silva (Lisboa, PSD), Hugo Lopes Soares (Braga, PSD),Hugo Velosa (Madeira, PSD), Inês Teotónio Pereira (Lisboa, CDS-PP), Isabel Galriça Neto (Lisboa, CDS-PP), Isilda Aguincha (Santarém, PSD), Joana Barata Lopes (Lisboa, PSD), João Figueiredo (Viseu, PSD), João Gonçalves Pereira(Lisboa, CDS-PP), João Lobo (Braga, PSD), João Paulo Viegas (Setúbal, CDS-PP),João Pinho de Almeida (Porto, CDS-PP), João Prata (Guarda, PSD), João Rebelo(Lisboa, CDS-PP), João Serpa Oliva (Coimbra, CDS-PP), Joaquim Ponte (Açores, PSD), Jorge Paulo Oliveira (Braga, PSD), José de Matos Correia (Lisboa, PSD),José de Matos Rosa (Lisboa, PSD), José Lino Ramos (Lisboa, CDS-PP), José Manuel Canavarro (Coimbra, PSD), José Ribeiro e Castro (Porto, CDS-PP), Laura Esperança (Leiria, PSD), Lídia Bulcão (Açores, PSD), Luís Campos Ferreira (Porto, PSD), Luís Leite Ramos (Vila Real, PSD), Luís Menezes (Porto, PSD), Luís Montenegro (Aveiro, PSD), Luís Pedro Pimentel (Vila Real, PSD), Luís Vales (Porto, PSD), Manuel Isaac (Leiria, CDS-PP), Margarida Almeida (Porto, PSD), Margarida Neto (Santarém, CDS-PP), Maria Conceição Pereira (Leiria, PSD), Maria da Conceição Caldeira (Lisboa, PSD), Maria das Mercês Borges (Setúbal, PSD), Maria João Ávila (Fora da Europa, PSD), Maria José Castelo Branco (Porto, PSD), Maria José Moreno (Bragança, PSD), Maria Manuela Tender (Vila Real, PSD), Maria Paula Cardoso (Aveiro, PSD), Mário Magalhães (Porto, PSD), Mário Simões (Beja, PSD),Maurício Marques (Coimbra, PSD), Mendes Bota (Faro, PSD), Michael Seufert(Porto, CDS-PP), Miguel Frasquilho (Porto, PSD), Miguel Santos (Porto, PSD),Mónica Ferro (Lisboa, PSD), Mota Amaral (Açores, PSD), Nilza de Sena (Coimbra, PSD), Nuno Encarnação (Coimbra, PSD), Nuno Filipe Matias (Setúbal, PSD), Nuno Magalhães (Setúbal, CDS-PP), Nuno Reis (Braga, PSD), Nuno Serra (Santarém, PSD), Odete Silva (Lisboa, PSD), Paulo Batista Santos (Leiria, PSD), Paulo Cavaleiro (Aveiro, PSD), Paulo Mota Pinto (Lisboa, PSD), Paulo Rios de Oliveira(Porto, PSD), Paulo Simões Ribeiro (Setúbal, PSD), Pedro Alves (Viseu, PSD),Pedro do ó Ramos (Setúbal, PSD), Pedro Lynce (Évora, PSD), Pedro Pimpão(Leiria, PSD), Pedro Pinto (Lisboa, PSD), Pedro Roque (Faro, PSD), Raúl de Almeida (Aveiro, CDS-PP), Ricardo Baptista Leite (Lisboa, PSD), Rosa Arezes(Viana do Castelo, PSD), Rui Barreto (Madeira, CDS-PP)Sérgio Azevedo (Lisboa, PSD), Telmo Correia (Braga, CDS-PP), Teresa Anjinho (Aveiro, CDS-PP), Teresa Caeiro (Lisboa, CDS-PP), Teresa Costa Santos (Viseu, PSD), Teresa Leal Coelho(Porto, PSD), Ulisses Pereira (Aveiro, PSD), Valter Ribeiro (Leiria, PSD), Vasco Cunha (Santarém, PSD) e Vera Rodrigues (Porto, CDS-PP).

Simulação, dizem eles!

Os jornais do dia  noticiam que decorrerá hoje uma simulação de tsunami na costa portuguesa.
Falar de simulação ao largo quando está a ocorrer um tsunami bem real em terra, com epicentro em S. Bento, parece-me brincadeira de mau gosto.  É certo que os efeitos deste tsunami  terrestre só começarão a sentir-se em Janeiro, quando os portugueses perceberem que foram roubados por uns senhores bem falantes que os ludibriaram com o conto do vigário, mas terá efeitos devastadores que a comunicação social  se esforça por mitigar: um número indeterminado de desalojados, desaparecidos e mortos. À fome, ou por desespero.
O tsunami terá também efeitos colaterais mais prolongados, devastando o CDS/PP num próximo acto eleitoral. Nessa altura, a maioria dos votantes no partido de Portas perceberá que não vale a pena gastar tinta com um partido inútil. O único sobrevivente será Paulo Portas, o comandante, que abandonará o navio e os tripulantes à sua sorte. Alguns encontrarão refúgio seguro em empresas públicas. Os restantes pagarão o preço da traição.
No CDS/PP reuniu-se o maior grupo de embusteiros e traidores à Pátria desde 1640. Para salvarem o coiro, contribuem com o seu voto para a ruína do país. Os portugueses não lhes perdoarão. 

Portugal dos pequeninos

Depois deste negócio pornográfico, do corte dos salários e pensões, do aumento dos impostos, o governo deixou de subsidiar os voos Bragança/Lisboa.
Depois da  ver suspensa a auto-estrada do Marão, a região mais isolada do país, fica ainda mais longe de Portugal. Mais um golpe na coesão territorial.

Aproveitar as oportunidades da crise (2)

( Continuado daqui)
Outra vantagem da crise é a diminuição do número de divórcios.
Agora já ninguém se divorcia com a desculpa de que o cônjuge não cumpre os seus deveres matrimoniais,  porque foi presenteado com um par de palitos, ou simplesmente porque já estão fartos um do outro.
Agora, os cônjuges aguentam firmes os encornanços, o tédio, ou mesmo os maus tratos. Aguentam estoicamente a vida sob o mesmo tecto, de acordo com as leis da Santa Madre Igreja, ou do Código Civil, até que um deles mate o outro.
Obviamente que o governo vê, também aqui, uma janela de oportunidade. Principalmente se um dos cônjuges for funcionário público ou reformado, porque é menos uma despesa para o Estado e, assim, os que cá ficam podem viver um bocadinho melhor, porque sempre são menos bocas a comer da manjedoura estatal.
( Continua)

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Manif de privilegiados



Em resposta ao discurso de PPC ontem, na Madeira, os privilegiados decidiram fazer uma manifestação de protesto junto à residência oficial do PM.
A foto mostra a concentração da caravana automóvel em Massamá, minutos antes de arrancar em direcção a S. Bento. Entre os manifestantes estão Eduardo Catroga, Dias Loureiro, António Mexia e Oliveira e Costa. Duarte Lima mandou um telegrama de solidariedade.

Nesta foto vê-se um manifestante prestes a arremessar aquilo que parecem ser moedas de ouro, mas afinal são apenas chocolates.
A manifestação terminará quando os veículos completarem 20 voltas ao quarteirão.

Portugal e Gabão a mesma luta

Foi muito criticada a deslocação da selecção portuguesa ao Gabão, para  disputar um jogo de futebol, que resultou num empate considerado desprestigiante.
Bem vistas as coisas, Portugal está mais próximo do Gabão do que possa parecer à primeira vista. Senão, vejamos:
O estádio onde Portugal jogou foi construído pelos chineses. Foi a contrapartida dada pela China para a concessão da exploração de uma mina.
Por cá, o nosso governo- seguindo as indicações do Álvaro- aceitou como contrapartidas para a aquisição dos dois submarinos do Portas, a reconstrução de um hotel no Algarve!
Afinal, Portugal e Gabão, aparentemente tão diferentes, são bastante iguais.

Descoberta de cadáver em Belém, permite à PSP desmantelar rede criminosa

A PSP foi chamada a Belém para identificar o cadáver de um cidadão que dizia ser presidente da república de Portugal.
Ao chegar ao local, a  PSP removeu o cadáver de um energúmeno que na passada quinta-feira, na presença de um número indeterminado de jornalistas,gozou com o país inteiro fazendo passar-se por PR.
O meliante afirmava gozar de impunidade por ter sido primeiro ministro e, nessa qualidade, ter favorecido alguns amigos do mundo do crime. O indivíduo - identificado pela PSP como  um trapaceiro há muito procurado pelas autoridades- vivia com uma reforma de 10 mil euros e era suspeito de delapidar os cofres do Estado, gastando volumosas quantias ( superiores aos gastos da família real britânica)  em mordomias.
Durante vários anos passeou pelo mundo inteiro acompanhado de um séquito e por uma mulher que dizia chamar-se Maria, uma sem abrigo com uma reforma de 800€.
As autoridades suspeitam que, nos últimos meses, o meliante se tenha escondido em Belém por recear represálias de milhares de pessoas que foram vigarizadas pelas suas promessas.
Num comunicado distribuído ao início da tarde, a PSP confirma que o indivíduo em questão mantinha sob sequestro o cidadão Aníbal Cavaco Silva e a sua mulher, a quem tinha roubado os documentos de identificação que lhe permitiram fazer-se passar por PR durante seis anos.
Descoberta a fraude, a PSP entregou o caso à PJ que vai agora seguir a pista fornecida por milhares de cidadãos anónimos, que indicia ter o meliante ligações perigosas a uma rede de criminosos.
 Recorrendo à mesma técnica de falsificação de identidade, a rede forjou documentos, permitindo que os  membros do gang fossem confundidos com o primeiro ministro Pedro Passos Coelho, o ministro das finanças Vitor Gaspar e outras altas individualidades da política portuguesa.
Fonte da PJ - que pediu o anonimato-  disse ao CR que aquela polícia andava no encalço do grupo desde Julho de 2011 pois, a partir dessa data, foi perceptível em todo o país que os candidatos do PSD e do CDS estavam a agir de forma estranha, desrespeitando todas as promessas eleitorais.
" Era notório que o indivíduo que se fazia passar por Pedro Passos Coelho era uma fraude, porque não usa capachinho, nem lhe cai um pedaço de cabelo por cada mentira que diz e que aquele que se identificava em conferências de imprensa como sendo o ministro Vítor Gaspar, tinha umas olheiras suspeitas, indiciando o uso reiterado de aminoácidos".
Já quanto ao indivíduo que se fazia passar por Paulo Portas,a PJ teve mais dificuldade em identificá-lo, pois sempre rejeitou ter alguma coisa a ver  com a actriz Catherine Deneuve.
A PJ suspeita que o grupo de meliantes também se tenha apoderado da identidade de deputados do PSD e do CDS, mas está à espera da votação final do OE - que decorrerá amanhã na AR- para confirmar que serão criminosos, e não deputados eleitos pelo povo português, que aprovarão um OE que condenará milhões de portugueses à miséria.
A PJ espera poder descobrir, nos próximos dias, os criminosos que usurparam a identidade de cidadãos honestos como Oliveira e Costa, Duarte Lima ou Dias Loureiro, bem como o diploma da licenciatura de Miguel Relvas.
Adenda: Finalmente vamos poder respirar de alívio! Vamos ter de regresso o nosso querido PR e o nosso primeiro irá, finalmente, implantar o programa com que se candidatou às eleições de 2011.


Quando ganhar é perder...


Artur Mas provocou eleições antecipadas na Catalunha para pressionar Rajoy . Pediu aos catalães maioria absoluta e acenou-lhes com a promessa de um referendo sobre a independência. 
Ontem, Mas venceu as eleições mas perdeu 12 deputados ( ficou com apenas 50). Está agora mais frágil e perdeu poder negocial. Em Madrid Rajoy respirou de alívio, em Barcelona Mas está com mais um problema: com quem se vai coligar para formar governo?
O mais natural seria aliar-se com a Esquerda Republicana Catalã (ERC), partido pró independência que ficou em segundo lugar e ganhou  mais 10 deputados( tem agora 21). Só que ninguém acredita que o partido centro direita de Mas se vá coligar com a extrema esquerda, pois o único ponto que têm  em comum é o desejo da independência. 
A CiU também não se poderá coligar com o PP ( 4º partido mais votado), pois isso significaria capitular e, a breve prazo, uma fortíssima penalização do eleitorado, que se sentiria traído. A hipótese de se coligar com o PS da Catalunha ( 3º partido) também não parece muito viável, pois os socialistas estão em queda vertiginosa e uma aliança com a CiU só contribuiria para acelerar a sua irrelevancia no quadro político da Catalunha. 
Artur Mas terá a tentação de voltar a governar sozinho, mas não é muito plausível que o consiga fazer durante muito tempo, dada  a sua fragilidade que todos os partidos tentarão aproveitar.
Voltamos pois ao princípio. A única saída airosa para Artur Mas seria coligar-se com a ERC. Embora seja uma coligação contra natura ( uma espécie de coligação PSD/ BE em Portugal que, como vimos por cá, apenas serve para destruir) é a única que  corresponde aos votos do eleitorado catalão, que elegeu 87 deputados pró independência num universo de 135. Uma coligação, porém, aparentemente  impossível…
A situação na Catalunha é complicada, mas os catalães mostraram que não são parvos. Embora querendo a independência, não correram o risco de entregar nas mãos da CiU a concretização desse desejo. Pretendem que a independência resulte de uma convergência de forças políticas e não de um homem. Muito provavelmente fizeram-no porque não têm confiança em Mas e receiam o seu poder absoluto.  Fizeram bem, mas agora a Catalunha tem um problema bicudo para resolver. E Espanha também…

O mea culpa de Coelho

Depois da amnésia do senhor de fato azul, Pedro Passos Coelho veio fazer um mea culpa e acusar-se a si próprio pelo mau aproveitamento dos fundos comunitários:
Pedro Passos Coelho, numa abordagem à política de coesão europeia, apontou os problemas do mau aproveitamento dos fundos comunitários, considerando que "muita gente supôs que se podia viver de forma contínua acima das suas possibilidades e construíram-se muitas infraestruturas que se calhar não eram muito necessárias".
O PM devia estar a referir-se, por exemplo, às verbas do FSE   que, juntamente com Relvas, angariou para a empresa Tecnoforma - de que era administrador- com o objectivo de fazer formação profissional. 

domingo, 25 de novembro de 2012

Aceitam um café?

Hoje decidi convidar os leitores da filial para tomarem comigo um café, mas o convite é extensível a todos os que por aqui passam diariamente. Aceitam o convite? Então venham daí... basta seguirem o link.

Sinais

Acabo de ouvir PPC a ser assobiado no Congresso do PSD - Madeira
Da Catalunha chegam as primeiras projecções sobre as eleições de hoje: o actual presidente, Artur Mas, da CiU, defensor da independência,  vence as eleições mas não consegue a maioria absoluta e diminui o número de deputados. O Partido Socialista da Catalunha luta lado a lado com o PP pelo terceiro lugar.
Apesar das perdas da CiU, os independentistas ganharam terreno, pois a  ERC duplica a sua votação, alcançando o segundo lugar.
Adivinham-se tempos conturbados na Ibéria. com os partidos pró independência a serem os dois mais votados.
( Em actualização)

Conversas com o Papalagui (66)

- Olá, Pa, o que pensas do Vale e Azevedo?
- O mesmo que o FMI pensa do Gaspar. É IMPRESSIONANTE!

Le premier bonheur du jour

No  primeiro minuto elas só nos dão música, mas tudo o que fazem depois é espectacular!
Tenham um bom domingo, mas não tentem imitá-las. Valeu?

sábado, 24 de novembro de 2012

Noite de cinema

Hoje o dia era de trabalho, mas fiz uma pausa para ir ao Fonte Nova ver "As Palavras" às 14.30.
Confesso que o filme me tinha passado despercebido, mas os posts da Rosa e da Teté sobre o filme despertaram-me a curiosidade e fui ver. 
Ainda bem, porque é um bom filme  e ajudou-me a enfrentar melhor o trabalho neste dia invernoso.
A blogosfera tem este poder extraordinário de nos proporcionar bons momentos de descontracção. Obrigado às duas pelos avisados conselhos, que me permitiram não perder um filme que vale mesmo a pena ver.
Agora regresso ao trabalho...

Bolas de Berlim e tomate cherry

 Vítor Gaspar e Pedro Passos Coelho são conhecidos na UE como as " Bolas de Berlim", por andarem sempre colados aos alemães.

Pedro PC parece uma sombra atrás de Merkel e, nas fotos de família, aparece sempre ao lado da chanceler alemã.

Já Gaspar é companhia inseparável de Schauble que não se cansa de tecer rasgados elogios ao ministro das finanças tugas.
Consta que no gabinete de Hollande  esta constante presença do enfezado Vítor Gaspar ao lado de Schauble já lhe valeu o petit nom de  "tomate cherry"

Quando chega a Primavera?

Não me refiro à meteorológica, mas sim à Primavera árabe tão aclamada por uns quantos néscios. Estas  notícias que vêm do Egipto, não deixam dúvidas. O calendário (como se esperava) voltou para trás e regressaram as longas noites de Inverno.

Será por causa da crise?

Ontem à noite cruzei-me com o Paulo Portas. Já não tem os dentes fosforescentes! Será falta de manutenção?

Arte Urbana


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Convite aos leitores

Tenho o prazer de informar todos os leitores do CR que reabriu a filial.
Neste momento está a ser servida uma sopa a todos os passantes mas, se quiserem provar uns jaquinzinhos que servi no dia da reabertura,  basta meterem-se no elevador e descer uns andares. Ainda  sobraram alguns...
Tenham um excelente fim de semana!

O Bobo




Creio que todos nós, na escola  primária ou no liceu, tivemos um colega que se destacava por se esforçar em por as turmas a rir com piadas mais ou menos parvas. Eu lembro-me particularmente de um, que me acompanhou desde o primeiro ao quarto ano do liceu. Chamava-se Gaioso, nome que condizia na perfeição com o seu espírito, mas que nós passamos a apelidar de Bobo, desde o dia em que ficámos a conhecer a obra de Alexandre Herculano. 
Para além das piadas, o Bobo das escolas destacava-se por ser normalmente cábula e utilizar o seu sentido de humor duvidoso, para perturbar as aulas e dar cabo da paciência aos professores que, não raras vezes, os expulsava da sala. 
Vem isto a propósito da intervenção do PR na atribuição dos Prémios Gazeta de jornalismo, ontem realizada. Apesar de o momento do país ser sério, Cavaco Silva não resistiu a fazer um discurso(?) cheio de piadas de evidente mau gosto, com o qual tentou cativar a  atenção dos jornalistas presentes.
Creio que, tal como eu, muitos dos presentes se terão lembrado do Bobo que tiveram como colega . Admito mesmo que, entre os presentes, pudessem estar outros ex- Bobos de escola, mas ontem Cavaco Silva ofuscou todos.  Com as suas palavras irónicas, sobre o que os portugueses pensam do seu silêncio, o PR apenas explicou que se deve ao facto de ser cábula e não saber, por isso, resolver os problemas do país.Mais valia ter estado calado, mas optou por se comportar como  Bobo da turma. Pena não haver nenhum professor que o expulse da sala.

Transparências

Eu ainda sou do tempo em que o PSD fazia campanhas eleitorais a prometer transparência nas privatizações e a dizer que não haveria lugar para boys.
As escandalosas nomeações ( pelo número e pela qualidade de alguns dos nomeados) para gabinetes ministeriais e empresas públicas, são testemunho de que, em termos de boys, este governo é igual aos que o precederam.
Quanto à transparência das privatizações até Marcelo Rebelo de Sousa levantou dúvidas, mas com esta nomeação quem é que ainda tem dúvidas de que  o governo põe os amigos a vender o património dos portugueses? 
Ora, lá diz  o povo,  "quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é tolo, ou não tem arte". E nós todos sabemos, muito bem, que de tolos os nossos governantes nada têm, mas são uns grandes artistas.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Acção psicológica

Vocês lembram-se de a tia Merkel dizer que parte da crise era psicologia? E lembram-se de o Moedas ter  corroborado a opinião e até ter dito como as coisas se passavam? ( As pessoas primeiro reagem, depois habituam-se, amouxam e a vida continua, foi o que o cágado de Beja disse por outras palavras).
Pois agora vejam só como a cambada  já passou à aplicação prática da acção psicológica:
- Hélder Rosalino descobriu uma boa notícia no OE 2013
- O caramelo Vaquinha nº1 do CR diz que aquela treta de diluir os subsídios é para vigorar só em 2013.
Se o sôr Hélder ainda vai na primeira lição e apresentou uma teoria risível, que só engana idiotas, o caramelo Vaquinha já foi muito mais elaborado. A técnica de tirar e depois fingir que se volta a dar, funciona na perfeição e é muito usada pelos chulos quando roubam as prostitutas. 
Sacam-lhes 1000 €. A prostituta lamenta-se, chora, pragueja e eles armam-se em bonzinhos. Depois de grandes discursos em que as convencem que só lhes sacaram a guita para as proteger, devolvem-lhe 200 para elas comprarem uma roupita nova e convencem-nas que foi uma oferta generosa  que elas devem agradecer.
Será que os portugueses se vão deixar iludir por estas técnicas de basfond?

Onde está o erro?


Expliquem-me, como se eu fosse muito burro, qual é a lógica disto:
O governo alega que há funcionários públicos a mais, por isso é preciso mandar uns 100 mil para o desemprego.
Sendo esta premissa verdadeira, isso quer dizer que não há trabalho no Estado para 100 mil funcionários públicos. Certo?
Errado! Se houvesse funcionários públicos a mais, não havia necessidade de aumentar o horário de trabalho para 40 horas semanais, não vos parece?
Provavelmente a lógica está errada, mas agradecia que alguém me explicasse: ONDE?

Aproveitar as oportunidades da crise (1)

Dou a mão à palmatória. Pedro PC tinha razão quando afirmava que a crise é uma janela de oportunidade.
Logo à partida, a crise tem sido uma oportunidade para ele. Perde cabelo, perde peso, mas garante o futuro à direita de mãe Merkel.
Os portugueses em geral também não se podem queixar. Que outro povo no mundo pode garantir que daqui a um ano, daqui a dois e mesmo daqui a uma década estará a viver em piores condições do que agora?
Depois, se estiverem atentos à leitura dos jornais, os tugas perceberão que a crise é só vantagens. Senão, vejamos:
Estamos a ficar mais gordos- é certo que antes da crise os jovens já estavam a ficar mais gordos graças à fast food, mas agora essa possibilidade estendeu-se a todos os escalões etários, porque todos os portugueses passaram a ter oportunidade de fazer uma dieta alimentar desequilibrada, porque já não têm dinheiro para seguir as regras da Roda dos Alimentos.
É certo que isso vai provocar mais doenças, mas o nosso governo prevê tudo com grande antecedência, por isso vai tornar o acesso ao SNS mais restrito e mais caro, de modo a que o Estado não gaste tanto dinheiro em cuidados de saúde.
(continua)

Somos todos funcionários públicos!

Espero que nesta altura do campeonato a maioria dos portugueses já tenha percebido que andar a zurzir nos funcionários públicos teve um efeito boomerang. Na verdade, basta fazer uma continha rápida para perceber que a partir de agora todos somos funcionários públicos. Então vamos lá:
A partir de 2013, cada português entrega, todos os anos, oito meses do seu salário ao Estado. Ao fim de 10 anos,  terá entregue quase sete anos dos seus rendimentos de trabalho ao Estado. Ao fim de 40, quando pede a reforma, constata que apenas recebeu 13 anos para si, tendo entregue os restantes 27 ao Estado. 
Pensar nisto já é terrível, mas imagine se Vítor Gaspar faz as mesmas contas e chega à conclusão que,  tendo o tuga trabalhado só 13 anos, deverá receber a reforma correspondente ao período em que efectivamente recebeu rendimentos do seu trabalho? Já viu a reforma que vai ter?
Há dias, eu perguntava se o governo tinha nacionalizado os portugueses. Hoje, não tenho dúvidas.

Diz o roto ao nu

Onde é que Pedro Passos de Coelho tem moral para fazer  este tipo de insinuações, quando foi um dos grandes beneficiários do Fundo Social Europeu, à custa do qual  a "sua" empresa viveu durante anos de uma forma, no mínimo, pouco clara?
As proclamações de  honestidade de gajos como Coelho e Relvas provocam-me vómitos!

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

E não terá havido troca de bebés?

A entrevista do primeiro ministro ao DN e JN: as partes que os jornais não publicaram


O primeiro ministro de Portugal em exercício, o etíope Abebe Selassié, concedeu uma entrevista ao DN e ao JN onde justifica a razão de o FMI ainda não ter comprado o nosso país e faz revelações explosivas  sobre os objectivos da tríade para Portugal nos próximos anos.
 O CR teve acesso a excertos da entrevista que aqueles jornais,por decoro, não publicaram e reproduz aqui as palavras que vão certamente chocar o país:
" Portugal ainda está muito caro! Ainda paga salários a quase metade da população e isso é um luxo que o país não suporta. Também é inadmissível que haja tantos restaurantes. Apesar de o turismo continuar a crescer, não se justificam tantos restaurantes".
Mas os portugueses também comem- lembrou  timidamente o jornalista
" E acho muito bem que comam, porque não queremos trabalhadores subnutridos, mas fazê-lo em restaurantes é um luxo inadmissível que os portugueses têm de abandonar"
Não lhe parece que o número de desempregados é preocupante?
"É... mas isso também é culpa do sistema remuneratório praticado em Portugal. Os portugueses viveriam muito bem com um terço dos salários que  auferem actualmente. É preciso cortar drasticamente nos salários, para que os investidores invistam em Portugal e haja crescimento".
Não lhe parece que os cortes nas pensões são demasiado pesados?
" Bem pelo contrário! O sistema de pensões português é muito generoso. Apenas uma ou duas centenas de pessoas ( e vocês sabem quais) deveriam ter direito a receber mais do que 300 euros de pensão mensal. Uma média de 10€ diários é mais do que suficiente para qualquer pessoa viver."
Mas as pessoas descontaram uma vida inteira, adquiriram o direito a uma pensão decente...
" Vocês têm a mania de falar de direitos adquiridos ( sorriso irónico). Isso é um disparate! As pessoas descontam para a reforma, mas toda a gente sabe que esse desconto funciona como um imposto. O grande problema é que os portugueses, devido ao luxo do Serviço Nacional de Saúde, estão a  viver até muito tarde e isso é muito mau para as finanças públicas. O governo português tem de fazer um esforço para reduzir a esperança de vida dos portugueses para níveis próximos dos do meu país. Uma pessoa que consiga viver até aos 50 anos já se deve dar por muito feliz. "
Mas a idade da reforma é aos 65 anos!
"Exactamente. Não vejo inconveniente nenhum em que a idade da reforma se mantenha nos 65 anos, desde que Portugal crie condições para que apenas uma ínfima parte das pessoas viva tempo suficiente para a receber. Se isso não for feito, a idade da reforma deve aumentar para os 80 anos, como já sugeriu um colega meu alemão."
E como pode ser alcançado esse objectivo?
" Há várias formas de o fazer. O método mais caro é recorrer à vacinação obrigatória contra a gripe A, a partir dos 50 anos. A nossa tríade até está disposta a conceder um empréstimo a Portugal para adquirir essas vacinas ( sobraram milhões nos laboratórios depois do alerta da OMS, o que foi um gravíssimo prejuízo para a indústria farmacêutica) que já estão todas fora do prazo e, portanto, podem cumprir eficazmente o seu papel".
O senhor está a propor um genocídio do povo português?
"Essa pergunta é um insulto! Reduzir a esperança de vida dos velhos não é um genocídio, é uma medida económica de grande alcance, que traria resultados muito eficazes para o crescimento e contribuiria decisivamente para rejuvenescer a população portuguesa que, como sabe, está muito envelhecida... Os portugueses devem interpretar esta proposta como uma medida higiénica para limpar o défice estrutural."
Está então a dizer que se deve acabar com o Estado Social?
" Claro! Isso é um luxo de países ricos e nem todos o garantem. Olhe para China, por exemplo. Acha que eles teriam crescido como cresceram, se se preocupassem com essas ninharias?"
Mas a nossa Constituição garante o Estado Social...
"( Risos) Ó homem, mas a Constituição é só um papel! Como já disse uma vez o vosso prestigiado Medina Carreira, ninguém come a Constituição. Aliás, você vê o seu Presidente da República preocupar-se com a Constituição? Isso é uma coisa para enganar idiotas, não é para cumprir. O importante é que em Portugal as pessoas continuem a poder votar e dizer que vivem em democracia!"
Acredita, portanto, que é possível pedir ainda mais sacrifícios aos portugueses..
"Pedir? Mas por quem nos toma? Nós na tríade somos muito assertivos. Emprestamos dinheiro, agora terão de pagar, custe o que custar. Não se trata, portanto, de pedir, mas sim de exigir o pagamento da dívida, o que é muito diferente..." 
Sabe que há partidos em Portugal que reclamam a denúncia do acordo...
" O problema é vosso! Se não pagarem, nós sabemos como cobrar..."
Durante a crise da dívida da América Latina, nos anos 90, vários países impuseram condições para pagar a dívida e começaram a crescer muito mais do que os países europeus. 
" (Pausa). Esse é um problema que teremos de resolver. Neste momento o nosso objectivo é destruir a Europa, depois trataremos da América Latina. Garanto-lhe que eles vão pagar a dívida  e com juros muito elevados, que é para aprenderem que com o FMI não se brinca".
A presidente do FMI, a senhora Lagarde, já disse várias vezes que a austeridade excessiva pode matar o doente...
"A senhora Lagarde fez muito bem em dizer isso. Não foi por acaso que a escolhemos para o lugar. Uma presença feminina, com palavras doces, dá ao FMI uma faceta humana que lhe fica muito bem. "
A senhora Lagarde também disse que Portugal está a perder a sua geração mais qualificada..
" Concordo com ela. Esse facto é mais uma prova de que o governo português está no caminho certo. Na época dos Descobrimentos, Portugal  investiu em caravelas e deu a conhecer novos mundos. Hoje em dia, numa prova imensa de generosidade, pagou a educação de milhares de jovens, cujos conhecimentos  muito vão contribuir para o desenvolvimento de outros países.O mundo nunca esquecerá esse gesto solidário dos portugueses."
Então como se justifica o desinvestimento do governo em educação?
"Muito simples... nós não queremos despovoar Portugal. Precisamos de ter aqui mão de obra barata para que os estrangeiros venham para cá investir e criar emprego. Quanto mais analfabeta for essa mão de obra, melhor, porque não fará reivindicações e saberá agradecer com dignidade os salários que lhe pagarem. Como dizia o vosso Salazar, o analfabetismo faz bem à democracia..."
Curioso... nunca tinha ouvido falar dessa afirmação de Salazar
" Bom talvez ele não tenha falado de democracia, porque não era muito apreciador do género, mas não desconhece, certamente, que ele era um grande defensor do analfabetismo e que a instrução deveria estar reservada às elites e a alguns eleitos, não podia ser massificada, como hoje acontece..."
Pois, o MarceloCaetano também dizia que não podíamos ser todos doutores... Adiante! Uma última pergunta, senhor Selassié: qual o modelo em que Portugal se deve inspirar para sair da crise.
" Vou ser sincero. Penso que o modelo de Portugal devia ser o do meu país ( a Etiópia)"
Mas há muita fome e miséria, na Etiópia!
"Isso é propaganda da comunicação social. No meu país as pessoas vivem de acordo com as suas possibilidades e vivem bem. Isso da fome é muito relativo... E veja como, apesar de sermos miseráveis, como você diz, damos grandes exemplos ao mundo! Já contou o número de maratonas e provas de média e longa distância que os atletas etíopes ganharam? Há alguma coisa que nos possa orgulhar mais do que estes sucessos internacionais? Repito: isso da fome e da miséria é muito relativo".


Aquele senhor de fato azul

Aquele senhor que às vezes nos entra em casa, insistindo que é Presidente da República, teve hoje mais um delírio em público: apelou ao investimento no mar, na agricultura e na indústria.
O senhor que normalmente veste fato azul, mas hoje se vestiu de negro, esqueceu-se que foi ele quem destruiu a agricultura, as pescas, a indústria e os caminhos de ferro, pagando a quem investisse os fundos comunitários destinados à agricultura e às pescas  em casas com piscina e jeeps de alta cilindrada.
Esqueceu-se que foi ele que incentivou ao abandono da indústria, em troca dos serviços e nessa aposta gastou verbas avultadas dos fundos comunitários. Que foi ele quem mandou destruir centenas de quilómetros de via férrea. Que disse, em 2001, que as medidas de austeridade eram um erro de palmatória, porque só agravariam a crise.
Avisem o palácio de Belém. Avisem a polícia e as forças armadas. O senhor do fato azul é um homem perigoso. Continua a insistir que é presidente da republica. Não se cansa de dizer "Eu já tinha avisado". Último aviso: Detenham esse senhor que veste fato azul. Ele é um homem perigoso, não pode continuar em liberdade!

Só boas notícias!



Houvesse neste governo alguém que soubesse fazer contas de merceeiro e já teria avisado Gaspar e o PM adjunto, Pedro Passos Coelho, que estão a delapidar um investimento feito ao longo de duas décadas na educação e a oferecê-lo de bandeja a outros países.
Foi preciso vir a  Lagarde das carteiras de 4 mil euros dizê-lo...
Logo de seguida veio o etíope avisar que a carga fiscal vai continuar enorme nos próximos anos e que é preciso reduzir mais os saláios na função pública e fazer mais despedimentos.
Preparem-se, pois, funcionários públicos, reformados e pensionistas, porque o pior ainda está para vir. Se o etíope, o careca  e o eunuco mandarem matar à fome um milhão de portugueses, porque é a única forma de   Portugal poder pagar a dívida ( não confundir com sair da crise...)  este governo obedece. 

terça-feira, 20 de novembro de 2012

5ª Avenida



A 5ª Avenida, em Nova Iorque, já não é a mais chic e mais cara do  mundo. Foi esta semana relegada para o segundo lugar do pódio, pela asiática Causeway Bay de Hong Kong.
Quem pensar que isto é apenas um fait divers , deve viver noutro planeta…


O governo vai montar um circo?

Depois de Pedro Passos Coelho ter mostrado em Cadiz  a sua veia de palhaço e de Gaspar ter feito um passe de mágica nas suas previsões para 2013  e 2014, iludindo os portugueses sobre o massacre que aí vem, Paulo Portas também quis entrar no circo.Vai daí, criticou o Orçamento da UE, que acusou  de não ser solidário e carecer  de sensibilidade para os problemas do crescimento e emprego. Com esta postura de oposição quando está na Europa, na Madeira e nos Açores e de muleta do PSD no continente, Paulo Portas será o equilibrista de serviço no circo Portugal. Mas, confesso, foi este número de contorcionismo do grupo parlamentar do CDS ! que mais apreciei.
Estes gajos não têm vergonha na cara?

Para mim vens de carrinho...


O governo espanhol decidiu reduzir a metade o número de automóveis do Estado. A partir de agora secretários de estado e directores gerais, por exemplo, partilham o mesmo carro.
Por cá, o governo mantém a frota do estado bem equipada, não abdicando de carros blindados. O ministro da Vespa (  responsável pela segurança social) não se coibiu mesmo de garantir para seu uso pessoal um Audi novinho em folha e o austero ministro Gaspar impediu o ministério da justiça de adquirir carros usados, obrigando Paula Teixeira da Cruz a comprar  viaturas novinhas em folha.
O líder parlamentar do PS, por sua vez, também se alambazou com uma frota da Audi para  servir o seu grupo parlamentar. ( ó p’ra ele a  criticar a Merkel!).
Não me atrevo a sugerir ao governo e ao vetusto partido líder da oposição que sigam o exemplo da Noruega, onde a ex- primeira ministra se deslocava sempre de bicicleta.
Nem sequer a apontar o exemplo de outros países europeus onde apenas o primeiro-ministro tem direito a carro do Estado,os  ministros quando se deslocam em serviço oficial têm de pedir ao líder do governo que lhes ceda uma viatura e os secretários de estado e directores gerais viajam em transportes públicos entre suas casas e os ministérios. Reconheço que num país latino, marcado pela ostentação do mais vale parecê-lo do que sê-lo, onde o  automóvel é um símbolo de estatuto social, é muito difícil pedir ao estado que se comporte em  consonância com os princípios que apregoa.
Limito-me, por isso, a pedir ao governo que corte para metade o número de veículos ao serviço dos membros do governo, que elimine a  prerrogativa  da atribuição de carros a directores gerais e deixe de colocar as viaturas do Estado ao serviço dos familiares e outros membros dos gabinetes quando se deslocam para os seus empregos ou vão fazer compras ao supermercado.
De igual modo, os administradores de empresas públicas ( nomeadamente das empresas de transportes) deveriam ser obrigados a prescindir dos automóveis que lhes são atribuídos. Um administrador do metropolitano, por exemplo, devia deslocar-se de metro, até porque isso lhe permitiria perceber melhor as deficiências de funcionamento da empresa que gere.
Pronto, está bem, estou a ser lírico. Ainda acredito que é possível em Portugal cortar nas gorduras do estado que não passam de ostentação e não percebo que é muito mais fácil cortar nos salários de quem trabalha.

Conversas de café


Há cada vez mais comentadores com assento cativo em programas de televisão e na imprensa que não se cansam de de criticar os blogs e as redes sociais, por se terem transformado em conversas de café.
Gostaria de lembrar duas coisas a esses encartados da opinião, que gostam de falar ex-catehedra, como se fossem os únicos detentores da verdade:
- Muitos comentadores são os primeiros a transformar o espaço de debate televisivo e as páginas dos jornais em mesas de café, tal a vacuidade e falta de fundamento de muitas ideias que exprimem, embrulhadas em papel de intelectualidades balofas.
- É nos cafés ( e não no Gambrinus ou outros restaurantes  e botecos  frequentados pelas elites) que o povo se reúne, troca ideias, desabafa e retrata os problemas que vive no quotidiano. E, por muito que custe a esses comentadores, buçais da intelectualite lusa, quem vota e elege os seus representantes é o povo e não essa plêiade de ilustres que se põe em bicos de pés para ter um espaço opinativo na televisão.
Basta estar uma semana a ouvi-los e lê-los atentamente, para se perceber que a maioria dos que dispõem dessas privilegiadas tribunas, podem fazer algumas críticas e queixas, mas convivem bem com o status quo.
Não são os comentadores que fazem as revoluções… é o povo que conversa à mesa do café  dizendo disparates, ou escreve nos blogs e redes sociais.
Mesmo ignorante e desprovido da inteligência que apenas bafejou os comentadores encartados, é esse povo que determina o que pretende para o país. Pena é que  ainda não tenha percebido a sua força, caso contrário, outro galo cantaria

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Mas isso é pergunta que se faça?


Para celebrar os 70 anos Eduardo Catroga deu este fim de semana uma entrevista ao Expresso. (Gente fina é outra coisa...)
Se compararmos a entrevista do ex-ministro de Cavaco, com a de Silva Peneda ( na semana passada) percebemos facilmente que o PSD é hoje um saco de gatos onde cabem sociais democratas (Silva Peneda) e saudosos do fascismo como Catroga ( para já não falar de PPC ou Cavaco).A entrevista é um manancial de vacuidades e de idiotices. Catroga não se coibiu, mesmo, de chamar burros aos portugueses que votem no PS. Uma  entrevista, enfim, que prova ser possível a um qualquer idiota ocupar lugares de relevo aos 70 anos, desde que tenha construído ao longo da vida uma teia de interesses que lhe permita culminar a carreira  com salários indecorosos para o nível de vida dos portugueses.
Estranho, por isso, que  o jornalista não tenha resistido a terminar a entrevista com uma pergunta perfeitamente imbecil e despropositada:
- Está arrependido de não ter aceitado um lugar de ministro neste governo?
Mas como é que o homem podia estar arrependido, se conseguiu um lugar na EDP ( empresa pública que o governo “privatizou” vendendo-a ao governo chinês) a ganhar 45 mil euros mensais?e compararmos a entrevista do ex-ministro de Cavaco, com a de Silva Peneda ( na semana passada) percebemos facilmente que o PSD é hoje um saco de gatos onde cabem sociais democratas (Silva Peneda) e saudosos do fascismo como Catroga ( para já não falar de PPC ou Cavaco).A entrevista é um manancial de vacuidades e de idiotices. Catroga não se coibiu, mesmo, de chamar burros aos portugueses que votem no PS. Uma  entrevista, enfim, que prova ser possível a um débil mental ocupar lugares de relevo aos 70 anos, desde que tenha construído ao longo da vida uma teia de interesses que lhe permitam culminar a carreira  com salários indecorosos para o nível de vida dos portugueses
E

Eles ainda vão acabar por perceber...

... que a austeridade é uma estupidez.
Vítor Gaspar falou hoje ao país para dizer que a troika deu nota positiva a Portugal, mas isso não é novidade, porque já Merkel o tinha anunciado. Como é seu hábito, o dono de Portugal terá dito algumas patranhas para enganar parvos mas, como  ainda não ouvi, não comento. Até porque, para mim, a notícia do dia não veio de Gaspar, mas sim do presidente da RTP.
O Relvas andou um ano a fazer tudo o que lhe era possível para destruir a RTP e a entregar aos privados. Depois, admitiu que talvez fosse melhor só privatizar um canal. Mais tarde disse que todas as hipóteses estavam em aberto, mas que a privatização de pelo menos um canal seria inevitável.
Quando nomeou Alberto da Ponte para presidente da RTP, disse que tinha nomeado "o gestor mais competente que havia em Portugal" (sic).
Esse gestor vem agora dizer que não concebe o serviço público de televisão sem dois canais e acha que o governo o irá escutar.
Espero que escute mas, se isso acontecer, vai ser divertido assistir ao golpe de rins daqueles blogueiros que, a mando do Relvas, andaram a desancar na televisão pública.
A minha esperança é que o Gaspar, o Coelho e toda a tralha laranja também venham a perceber que a austeridade é uma estupidez, embora tema que isso só aconteça quando já não estiverem no governo e começarem a acusar os seus sucessores de exigirem sacrifícios insuportáveis aos portugueses.

Bellamy: quando as aparências iludem

A beleza serena de Marie Bunuel casa na perfeição com o circunspecto Depardieu

Foi uma boa ideia ter ido ver Bellamy. Estreado em Portugal quatro (!!!) anos depois de ser exibido em França e dois após a morte de Chabrol,  Bellamy é, como muitos outros filmes do realizador, um constante brincar ao gato e ao rato entre Chabrol e o espectador.
Múltiplas vezes deixamo-nos enredar na facilidade da verdade inabalável mas,  no momento seguinte, compreendemos que nos deixámos iludir pelas aparências.
Um filme à Chabrol no seu estado puro, onde drama e comédia coabitam da forma mais inesperada. 
Muito mais do que um policial, Bellamy é um filme sobre os comportamentos e as ideias feitas,que esmurra a nossa consciência. Não é por acaso que começa e acaba com a morte, numa curva, em queda para o precipício... mas a explicação só a encontrará quem o for ver.
Não teremos oportunidade de ver mais nenhum filme de Chabrol, lamentaremos durante muito tempo a perda de um realizador de eleição, que deixou o cinema europeu mais pobre, mas ver Bellamy é uma bela oportunidade para revisitar os filmes de um dos melhores realizadores do século XX.
Uma última palavra para a interpretação de Gerard Depardieu (inspector Bellamy) que à medida que vai aumentando em diâmetro, se torna um actor mais completo.

Cá se fazem, cá se pagam...


Decorreu durante o fim de semana, em Cadiz, mais uma cimeira Ibero- Americana. Marcada por ausências importantes como as de Cristina Kirchner ou Hugo Chavez, a cimeira deu, porém, um importante sinal sobre as mudanças que se registaram nos últimos anos no mundo.
Longe vão os tempos em que Portugal e Espanha marcavam presença ostentando a sua superioridade sobre os latino-americanos, que se traduzia em ataques constantes a Fidel Castro, Hugo Chavez e outros lideres sul –americanos acusados de serem comunistas, apenas por se   preocuparem com  seu povo. A sobranceria chegou ao ponto de o rei Juan Carlos protagonizar aquele episódio patético do " porque no te callas?" .
Durante este fim de semana, em Cadiz, assistimos a uma inversão de papéis. Portugal e Espanha, países onde a democracia foi abandonada para agradar aos interesses do capitalismo selvagem, estenderam a mão às democracias sul-americanas  pedindo ajuda e investimento.
Dilma Rousseff respondeu de forma dura. Lembrou a crise da dívida na América Latina no início da década de 90, as medidas desajustadas do FMI e o fracasso das medidas de austeridade.
Interrogado pelos jornalistas espanhóis, Rajoy respondeu que não tinha ouvido as críticas e os avisos de Dilma. Pedro Passos Coelho- que eu saiba- não fez qualquer referência ao assunto porque os jornalistas portugueses também não se preocuparam em fazer-lhe a pergunta.

Rescaldo de domingo

Foi bonito ver a forma como a população algarvia se uniu para limpar as cidades de Silves e Lagoa, afectadas pelo tornado de sexta-feira.
Foi surpreendente ouvir Marcelo dizer, nas entrelinhas,que Vítor Gaspar exerce o seu cargo a pensar nas instituições onde irá trabalhar, quando deixar de ser ministro. 
Será que na próxima semana vai dizer que estava a ser irónico.
Foi uma boa ideia ter ido ver Bellamy mas, sobre o filme, escreverei amanhã.
Adenda: também foi engraçado saber que afinal PPC estava ser irónico quando fez uma crítica demolidora a Miguel Macedo. O nosso primeiro é como as hienas. Ri sem saber de quê e faz ironia quando o país se está afundar por sua exclusiva responsabilidade.

domingo, 18 de novembro de 2012

Desaparecidos



Por onde andará a Carolina Salgado da TVI? Ouvi dizer que desistiu de uma queixa contra Sócrates, mas continuo sem saber qual a sua actividade profissional, depois de deixar o colo do marido.
 Será que está a escrever um livro, como a Carolina, ou à espera de uma boleia de Moniz para a Benfica TV? Jesus que se cuide!...

Mais selos

Embora não seja meu hábito apropriar-me de selos que não me foram directamente oferecidos, desta vez abri uma excepção. As leitoras ofereceram e não me fiz rogado.
Assim, a partir de hoje, mais dois selos passarão a fazer parte da galeria do CR
Este, oferecido pela Teté, é muito apropriado para estes dias frios e cinzentos que se avizinham.


Este outro, mais primaveril,  foi oferecido pela Janita, como facilmente se depreende...



Finalmente, recebi mais um Prémio Dardos oferecido pela São
A todas muito obrigado

Le premier bonheur du jour

Hoje, com Vermeer e...
 Cesário Verde

O sentimento de um Ocidental
Nas nossas ruas, ao anoitecer,
Há tal soturnidade, há tal melancolia,
Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia
Despertam-me um desejo absurdo de sofrer.

O céu parece baixo e de neblina,
O gás extravasado enjoa-me, perturba;
E os edifícios, com as chaminés, e a turba
Toldam-se duma cor monótona e londrina.

Batem os carros d'aluguer, ao fundo,
Levando à via férrea os que se vão. Felizes!
Ocorrem-me em revista exposições, países:
Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, o mundo!

Semelham-se a gaiolas, com viveiros,
As edificações somente emadeiradas:
Como morcegos, ao cair das badaladas,
Saltam de viga em viga os mestres carpinteiros.

Voltam os calafates, aos magotes,
De jaquetão ao ombro, enfarruscados, secos;
Embrenho-me, a cismar, por boqueirões, por becos,
Ou erro pelos cais a que se atracam botes.

E evoco, então, as crónicas navais:
Mouros, baixéis, heróis, tudo ressuscitado!
Luta Camões no mar, salvando um livro a nado!
Singram soberbas naus que eu não verei jamais!

E o fim da tarde inspira-me; e incomoda!
De um couraçado inglês vogam os escaleres;
E em terra num tinir de louças e talheres
Flamejam, ao jantar, alguns hotéis da moda.

Num trem de praça arengam dois dentistas;
Um trôpego arlequim braceja numas andas;
Os querubins do lar flutuam nas varandas;
Às portas, em cabelo, enfadam-se os lojistas!

Vazam-se os arsenais e as oficinas;
Reluz, viscoso, o rio, apressam-se as obreiras;
E num cardume negro, hercúleas, galhofeiras,
Correndo com firmeza, assomam as varinas.

Vem sacudindo as ancas opulentas!
Seus troncos varonis recordam-me pilastras;
E algumas, à cabeça, embalam nas canastras
Os filhos que depois naufragam nas tormentas.

Descalças! Nas descargas de carvão,
Desde manhã à noite, a bordo das fragatas;
E apinham-se num bairro aonde miam gatas,
E o peixe podre gera focos de infecção!


Tenahm um bom domingo