quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Regra de 3 simples




Regra nº 1- Nunca acreditar nos conselhos dos economistas
Como alguém disse, Deus criou os economistas para que os meteorologistas tivessem alguma credibilidade. Apenas um em cada milhão consegue fazer previsões acertadas e, azar, além de só se vir a descobrir que esse é que tinha razão quando é tarde demais, todos os outros economistas tendem a desvalorizar as previsões porque contrariam a maioria, alinhada com interesses financeiros das empresas que lhes pagam para modificar a realidade ou se poderem aproveitar dela, espoliando os cidadãos.
Regra nº 2 -Desconfie ainda mais dos economistas se eles estão no governo, já por lá passaram ou têm a aspiração de lá chegar. 
Raros são aqueles que exprimem a sua opinião. Ou defendem a opinião do governo, ou a as das instituições financeiras que lhes pagam, ou ambas.
Regra nº3- Nunca siga os conselhos do governo em matéria de poupanças
Durante o Estado Novo, comprar uma casa para arrendar era um investimento para o futuro. Quem conseguia amealhar algum dinheiro investia-o em imobiliário para garantir a reforma que o Estado não lhe assegurava. Quando Salazar decidiu congelar as rendas de casa, milhares de pequenos proprietários que tinham investido as suas poupanças no sector imobiliário acabaram por ficar na miséria. Muitos passaram a viver em condições bem piores do que os seus inquilinos e, só recorrendo a estratagemas para os desalojar- como requerer a casa para um familiar- alguns conseguiram reequilibrar-se.
No período áureo da sociedade de consumo, com as rendas novas a disparar e o crédito barato, as pessoas endividaram-se porque fizeram contas e perceberam que mais valia pagar uma renda ao banco e ficar com uma casa, que deixariam de legado aos filhos, do que estar a pagar renda uma vida inteira.
A aposta parecia boa, mas o final da história foi um pesadelo para muitas famílias. Com a crise económica e o aumento do desemprego muitas famílias ficaram sem possibilidade de pagar a dívida ao banco e viram-se obrigados a entregar as suas casas aos agiotas. Poder-se-ia argumentar que a crise surgiu de forma imprevista, mas não é verdade. Em 2004 já havia economistas a prever a crise, mas os bancos continuavam a emprestar dinheiro, sabendo que a breve prazo muitos desses endividados deixariam de ter condições para pagar as suas casas. Não se preocuparam, porque sabiam que nunca ficariam a perder.
Em plena crise, o que faz o governo? Aumenta o IMI, tornando ainda mais difícil às famílias cumprirem as suas obrigações com os bancos!!!
Depois, apela à poupança e ao aforro mas, em vez de cativar as poupanças, remunerando-as bem, baixou os juros dos certificados de aforro, o que convidou as pessoas a retiraram o dinheiro e entregá-lo aos bancos. Depois surgiram os certificados de tesouro, cujo rendimento apenas é interessante para poupanças superiores a cinco anos. Mesmo assim houve quem investisse. Sem dinheiro, o governo decidiu ir buscá-lo aos pequenos aforradores que incentivara a investir, aumentando sucessivamente o imposto sobre capitais que, em apenas dois anos, subiu de 21 para 26,5% por cento.
Já nem vale a pena dizer que a aplicação de um imposto de capitais igual para quem tenha fortunas ou para  pequenos aforradores é uma medida injusta e daltónica. O que vale a pena é perguntar se vale a pena aforrar, para pagar mais de um quarto dos juros ao governo, que o gasta em mordomias várias, das quais não abdica.
Chegado a esta altura, perguntará o leitor: mas então que raio é que eu faço para assegurar a minha velhice e completar a minha reforma cada vez mais minguada?
Sinceramente, caro leitor, não lhe sei responder. Talvez o melhor seja mesmo emigrar para um país onde as pessoas sejam minimamente respeitadas. Nos dias que correm, até o Bangladesh é capaz de ter mais consideração pelos seus cidadãos, do que este governo que os portugueses escolheram para substituir o “aldrabão” do Sócrates. Como está demonstrado, fizeram uma boa escolha…

7 comentários:

  1. Contas feitas, são sempre os mesmos que se lixam...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, o congelamento das rendas foi feito na 1ªrepública e os seguintes apenas a mantiveram.
      Logo nesse caso quem se lixou foram os grandes proprietários e construtores civis que construiam para arrendar.
      No presente caso os proprietários de imobiliário, fundações incluidas, recebem um património que poderão vender, revender ou fraccionar mais favoravelmente que outrora.
      Os pequenos negócios trespassados a 20 e 30 mil contos com rendas diminutas e o pessoal que herdou uma casa envelhecida mas com uma renda baril de 20 euros ao mês e com herdeiros dessa renda em parte incerta é que se lixam....

      os con domínios que têm dívidas de proprietários absentistas de milhares de milhões
      e os gestores de con domínios que fazem repercutir nos demais os pagamentos em falta esses beneficiarão

      Eliminar
    2. resumindo não são sempre os mesmos

      há 900 mil desempregados que tinham uns empregos há 10 anos atrás e os têm vindo a perder ano após ano

      os 150 mil empregos que sócrates manteve e criou é que são os mesmos

      de resto tal como o congelamento das rendas as caixas de previdência e seus conselhos fiscaes e taes são anteriores ao golpe militar de 1926

      Só o Inatel é criação Salazarista

      não con fundir os factos histéricos

      Eliminar
    3. não foi a junta militar de salvação militar nem o tal de Sal Tarrafal y azar que criou este regime de congelamento das rendas urbanas e das rurales.

      Foi la República, com as mamas à mostra logo a seguir a 12 de Novembro de 1910 e em 1914, tabém em 1917 1923, 192...etc.
      Os desgovernos seguintes, mais cousa menos cousa nunca alteraram significativamente a cousa, nomeadamente no que diz respeito ás cidades de Lesboa e Oporto,specialmente e expressa mente indiciadas em tais di plomas palomas plomos plumbum etc....

      Eliminar
    4. P.A.Lerma,
      esta tua prosa aparentemente meia amalucada, está repleta de verdades.
      Apesar de "Num Compreenderes os Políticos." entendes bem dos meandros lamacentos e burlentos em que Vªs. Exªs.; se movimentam! E como os percebes!
      Eles já não enganam ninguém. Tirá-los do poleiro é que vai ser mais difícil.
      Um abraço, rapaz!
      ;)

      Eliminar
  2. Muito boa escolha de facto! Mas também só se deixaram enganar porque quiseram porque eles não nasceram no ano passado de geração espontânea. O pior é que agora temos todos de os GRAMAR!

    ResponderEliminar
  3. Começo a achar que a solução é começarmos a ser todos uns "agarrados", metermos todos os tostões debaixo do colchão, cultivarmos umas hortaliças para consumo próprio e fazer uma vida de eremitas...

    ResponderEliminar