domingo, 26 de agosto de 2012

Le premier bonheur du jour




As pessoas sensíveis não são capazes
De matar galinhas
Porém são capazes
De comer galinhas

O dinheiro cheira a pobre e cheira
À roupa do seu corpo
Aquela roupa
Que depois da chuva secou sobre o corpo
Porque não tinham outra
O dinheiro cheira a pobre e cheira
A roupa
Que depois do suor não foi lavada
Porque não tinham outra

"Ganharás o pão com o suor do teu rosto"
Assim nos foi imposto
E não:
"Com o suor dos outros ganharás o pão."

Ó vendilhões do templo
Ó construtores
Das grandes estátuas balofas e pesadas
Ó cheios de devoção e de proveito

Perdoai-lhes Senhor
Porque eles sabem o que fazem.
(Sophia de Mello Breyner)

8 comentários:

  1. Um poema com um recado.
    Não é porque o pobre coma a galinha e os ovos. Tem fome e saciou-se.
    É porque alguns comem o suor dos outros e bebem-lhes o sangue como vampiros.

    ResponderEliminar
  2. Carlos
    Incrível como os poetas, nos deixaram "recados".
    Abraço e bom Domingo.
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  3. A inevitável Sophia cuja poesia é mais abrangente do que parece!

    ResponderEliminar
  4. Sabem o que fazem. Sabem muito bem o que fazem.

    ResponderEliminar
  5. Uma crítica lúcida e atenta.

    ResponderEliminar
  6. Continua atual. Infelizmente, claro. Mas um poema feliz, porque revelador.

    ResponderEliminar