terça-feira, 31 de julho de 2012

Olá Lisboa! Estou apaixonado...

Foto da Net ( Notícias Grande Lisboa)

Normalmente, quando regresso a Lisboa depois de um longo período, corro para o meu Rochedo e fico horas esquecidas a contemplar o mar.
Desta vez, foi diferente. Vinha com um mês de mar e aproveitei o fim de semana para me reencontrar com Lisboa. Não sei se foi um reencontro, ou uma despedida...mas em breve terei a resposta.
Não conheço melhor local para abraçar Lisboa do que o Castelo e foi por aí que comecei. Depois, desci as longas escadarias de Alfama até à Beira Tejo, com pausa para um amuse bouche. 
Acabei por desaguar no Terreiro do Paço, quando a Lua já banhava a cidade com a sua luz. Surpresa! Na ala nascente, em frente às despidas esplanadas do Páteo da Galé ( um projecto promissor que parece revelar-se um falhanço) nasceu um conjunto de esplanadas onde a animação assentou arraiais. Ainda não eram 11 da noite e estavam a regorgitar de gente que, enquanto jantava ou bebia apenas um copo, era presenteada com música ao vivo.
Sempre sonhei ver o Terreiro do Paço com aquela animação, mas confesso que já tinha perdido a esperança. Quando vi pessoas a dançar, animadas, no centro da praça, não queria acreditar que estava em Lisboa!
A custo consegui encontrar uma mesa numa esplanada onde uma banda tocava música dos anos 60, 70 e 80. Havia muitos turistas, mas também portugueses. Faltava pouco para as duas da manhã  quando decidi regressar a casa mas, atraído pela curiosidade de ver uma discoteca no Terreiro do Paço que começava a animar-se, ainda dei uma espreitadela.
Regressei a casa apaixonado por uma cidade desconhecida e inesperadamente animada mas, nos meus ouvidos, bailavam ainda as palavras de um dos empregados da esplanada onde estive:
" Quando os turistas se forem embora, isto morre..."
É bem capaz de ter razão. Naquela noite, eram os turistas que animavam Lisboa e conseguiam contagiar os portugueses. Até quando?
Adenda: Se no sábado, antes de sair para (re) descobrir Lisboa, não tivesse lido este post, o mais provável era não ter feito esta descoberta. Por isso, muito obrigado, Rosa!

10 comentários:

  1. Fez o que eu ando pensado fazer, há muito!
    (em Lisboa, tenho percorrido itinerários limitados...preciso ir "conhecer" esses lados...)

    ResponderEliminar
  2. Como vês o Terreiro do Paço não serviu só para piquenicar, com porcos e galinhas à mistura!
    Também te fez apaixonar ou reapaixonar por Lisboa.
    E, como estar-se apaixonado, é a coisa melhor do mundo, dou os parabéns à Rosa dos Ventos, pelo excelente post, relativo às Praças renascidas de Lisboa, que te proporcionaram tanta beleza.
    Agora falta vires matar saudades da Casa de Chá de Leça da Palmeira e daquele tal teu grande e primeiro amor. Do you remember?

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Há anos que sinto essa paixão agora mais calma...
    Foram dez anos a dar aulas numa escola dentro da freguesia do Castelo.
    Para chegar ao Cais do Sodré, todas as descidas, escadinhas, praças e alfacinhas , a norte , sul , este e oeste foram por mim gozadas...

    Da Praça do comércio sabia que havia de chegar ande chegou... só o quando me faltava. E como diz, CML=António Costa e sua equipa, só se poderia chegar onde se chegou...
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Agradeço a gentileza da referência e fico feliz por ter redescoberto uma cidade que não podemos deixar de amar, malgré tout! :-))
    Estou em Lisboa "de serviço" daí não poder fazer desses programas!
    Pode ser que os portugueses entrem na onda da animação...
    Animar é preciso!

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Não é só Lisboa.
    Temos um país muito bonito, Carlos.
    Que nos esquecemos, tantas vezes, de cuidar e de promover.

    ResponderEliminar
  6. Da próxima vez faça assim: de manhã cedo pare no Rossio sente-se numa esplanada e observe a fauna, depois já perto da hora do almoço desça a Rua Augusta e veja as nossas "estátuas", MELHORES que quaisquer outras que vi noutras cidades. Por fim chegue ao Terreiro do Paço.

    Quanto aos turistas já não se vão embora, Lisboa está na moda e a TAP esta a fazer preços competitivos com a ESYJET .

    ResponderEliminar
  7. Rogério Pereira, se me é permitido uma alternativa:

    Apanhe o elevador de Santa Justa (previna-se com um bilhete dos transportes públicos de Lisboa), ou vão fazê-lo pagar 5 €, ida e volta, e você não vai querer voltar, atravesse o Largo do Carmo e veja como é romântico, vá subindo em direcção ao Principe Real, se forem horas de almoço entre na Cervejaria Trindade, uma preciosidade, depois mais acima pare numa das esplanadas do Jardim Don Pedro V, suba só mais um bocadinho, se não almoçou entre no LOST IN, sinta a paz e a tranquilidade sobre os telhados da Baixa Pombalina, e coma uma tosta de presunto (as melhores do mundo) depois siga pela Rua D. Pedro V e para debaixo da árvore centenária que está no jardim com o mesmo nome.

    Cansado? Apanhe o metro no Largo do Rato!, não está, volte para trás percorra a Rua da Midericória até ao Largo de Camões, volte à esquerda e desça Rua Garrett , "absorva" o CHIADO!

    Volte à esquerda pela Rua Nova do Almada e vá até ao Largo da Câmara, entre na Rua do Arsenal pela esquerda e chegou ao NOVO Terreiro do Paço.

    Lisboa é lindaaaaaaaaaaaaaaa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "volte à direita pela Rua Nova do Almada..."

      SORRY

      Eliminar
    2. Gostei das suas propostas. Muitas vezes , ao domingo de manhã ( mas não só...)faço um percurso idêntico ao da segunda proposta. Sem tosta de presunto no LOST IN, mas só por razões de dieta alimentar :-))

      Eliminar
  8. Eu ia comentar lá na Rosa mas deu algum problema na caixa de comentários.Eu sou totalmente apaixonada por Lisboa.E não seria nada mal estar agora tomando um chá gelado de hibisco enquanto o sol se põe, neste lugar super agradável:http://www.youtube.com/watch?v=cet_A-GCkzY

    ResponderEliminar