terça-feira, 24 de julho de 2012

Ah, pois, a incompetência dos funcionários públicos!

Leiam esta cena até ao fim e depois digam-me se a culpa é dos funcionários públicos, tá?
Ao final da manhã de um chuvoso dia de Maio, telefonaram-me de uma empresa (PRIVADA!!!!) a pedir a entrega até ao final do dia de determinada documentação. A única forma de o fazer seria recorrer ao serviço de estafetas, ou ir pelo próprio pé. ( Neste caso de carro, porque a empresa fica nos arredores de Lisboa, sem transportes acessíveis). 
Fiz contas e decidi ir lá eu. Até porque o meu futuro profissional estava em jogo...
Quando cheguei dirigi-me à recepção com um volumoso envelope que pretendi entregar.
- Se quer entregar alguma coisa, terá que se dirigir ao terceiro andar e fazer a entrega mas, como já passa das 5, já lá não está ninguém para dar entrada.
- E a senhora não pode receber?
- Eu não recebo correspondência para ninguém.
- Então pode chamar a F...... para eu lhe entregar pessoalmente?
- O envelope é para a F....?
- É.
- Ah, para ela eu recebo.
- Posso então deixar o envelope consigo?
- Pode, claro. Esteja descansado que eu já lhe entrego.
- Olhe que isto tem de ser entregue hoje até ao final do dia...
- Já lhe disse para estar descansado!
- Ok, então obrigado!
.................................................................................................................................................................
 No dia seguinte telefonei à F... a perguntar se a documentação lhe tinha sido entregue. Não tinha. 
Disse-lhe que a tinha deixado na recepção e a senhora  me tinha garantido que seria entregue de imediato. Agora como é que posso justificar o atraso? 
- Não se preocupe, respondeu-me a F.....  Como ainda não é meio-dia, é como se tivesse entrado ontem.Eu trato disso.
NOTA: Tudo se resolveu, porque tive um pressentimento que as coisas não iriam correr bem. Por isso telefonei à F... para confirmar se tinha recebido a correspondência. Caso contrário, a minha proposta teria dado entrada fora do prazo e eu perderia a possibilidade de concorrer a um concurso que, tenho quase a certeza, vou ganhar.Porquê? Porque ninguém terá, de certeza absoluta apresentado uma proposta tão criativa como a minha. Pronto, está bem, às vezes sou convencido, gabarolas e até um pouco impertinente, mas eu tenho de ganhar este concurso, tá?

3 comentários:

  1. Convencido, gabarolas e impertinente?
    Vou esperar até ver se ganhas o concurso e depois te direi, OK?

    ResponderEliminar
  2. O funcionalismo público sempre serviu de "bode respiratório" (Jorge Jesus) em toda a parte, Carlos.
    Aqui é a mesma treta.

    ResponderEliminar