terça-feira, 8 de maio de 2012

Bruxo!


Já o tinha escrito aqui e em algumas caixas de comentários. A festança do Pingo Doce iria, muito provavelmente, ser paga pelos fornecedores. Confirma-se mas… não sou bruxo! Limitei-me a prever o óbvio.
O que se passou com a festança do Pingo Doce foi  como se eu- ou algum dos meus leitores- convidasse um grupo de amigos para uma festa em minha  casa e no final, depois de bem comidos e bebidos apresentasse a factura. Há no entanto uma diferença substancial. Enquanto os convidados se estiveram a divertir, os fornecedores do Pingo Doce trabalharam e gastaram dinheiro para colocar os seus produtos na distribuição. Esperavam a retribuição acordada, mas o comprador decidiu reduzi-la, com a mesma desfaçatez com que o governo rouba os subsídios aos reformados.
Mas a festança do Pingo Doce não permitiu apenas identificar o SS como chulo. Também demonstrou que no governo há os que pactuam com a chulice, como o ministro Álvaro, e aqueles que acham, como Cristas, que é preciso saber quem pagou a festa.
E os consumidores? Fizeram  figura de palhaços e foram animar o pagode atirando foguetes e recolhendo as canas. Não perceberam nada do que se passou e nem imaginam como vai ser pesada a factura que terão de pagar num futuro muito próximo. O mesmo se aplica, aliás, a muitos trabalhadores, agora  felicíssimos pelo facto de irem receber o quíntuplo do esperado, por aquele dia de trabalho. Esperem pela volta e permitam-me lembrar-vos que o subsídio de desemprego minguou. No montante e no tempo de atribuição…

Em tempo:ASS veio desmentir que esteja a cobrar aos fornecedores o custo da festança. Ainda bem mas, como ouvi há pouco a um dos fornecedores, também sou como S. Tomé: ver para crer.

4 comentários:

  1. Carlos
    É assim. Em coisas mais mexerucas emitem uma nota de débito e zás descontam no pagamento. O fornecedor, reclama, reclama e não resolve. Como precisa deste cliente acaba por aceitar a contra gosto.
    Para coisas de maior mandam uma carta. Se o fornecedor aceita fica na lista, se não aceita salta fora. Agora o problema é que a grande distribuição é fundamental para escoar os produtos.
    Agora como nota final. Esta é uma prática muito velhinha e não pense que é só o PD, não é não!
    Abraço
    Rodrigo
    Nota: mude lá o link do blogue da semana (não vão os "ladrões de bicicletas" Acusar-me de usurpação de um espaço que esta semana, merecidamente é deles.

    ResponderEliminar
  2. Hoje oivi o seráfico Moita Flores a eleogiar a genial campanha do sr, Santos!!!

    Enfim, já não há pachorra....

    Tenho pena dos fornecedores , mas nada que eu não esperasse quer do bando do Governo quer desse crápula chamado Soares dos Santos.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. ASS está a ameaçar alguns produtores que se abrirem o bico acabam-se as encomendas, ao mesmo tempo que de Norte a Sul os idosos que vivem isolados são diariamente assaltados, é um país completamente invertido.

    ResponderEliminar