segunda-feira, 21 de maio de 2012

Abril (5)- Pois, pois, Jota Pimenta!


(Continuado daqui)

A sua reacção imediata foi inventar uma desculpa e dizer a Júlio Saraiva que afinal não podia tomar café. No entanto, quando já se preparava para parar o carro lembrou-se do horóscopo que tinha lido na bomba de gasolina, enquanto esperava a sua vez:
“No plano afectivo, esta semana vai proporcionar-lhe situações que vão mexer com a sensibilidade e despertar em si o amor. Não reprima os seus sentimentos, porque o amor vai-lhe aparecer de uma forma inesperada. Aceite o desafio”.
Escolheu  uma cassette  de Joe Dassin e não mais pensou no assunto até Tomar.
No Estrelas pediu um café e um “Beija-me depressa” . Júlio acompanhou-a no café, mas optou por uma “Brisa”.
Catia Janine reparou que Júlio tinha as unhas pretas como as de um carvoeiro e, embora admitisse que isso se devia ao facto de ter estado a mexer na bateria do carro e nos cabos, não deixou de o recriminar interiormente, por não ter lavado as mãos antes de se sentar.
A conversa desenrolava-se entre banalidades como o tempo e o futebol. A determinada altura Cátia Janine puxou de um cigarro, que  Júlio  prontamente lhe acendeu com o seu Zippo.
-Ainda se lembra do tempo em que precisávamos de ter licença de isqueiro, senhora doutora? Felizmente o sr. Presidente do Conselho  acabou com isso, sempre é menos uma despesa…
-Essa licença era uma estupidez, não percebo como só  acabou em 1970!
Foi para defender a indústria nacional, senhora doutora. A Fosforeira é uma grade empresa e o dr Salazar achou por bem protegê-la…
E entretanto sempre sacava um dinheiro para os cofres do Estado.
Juntava-se o útil ao agradável. De qualquer maneira, dentro de casa não era preciso ter licença…
 Pois… debaixo de telha, como dizia a Lei! O meu pai é que brincava bastante com isso e andava sempre com uma telha no bolso. Quando queria acender um cigarro na rua com isqueiro puxava da telha e acendia. Mas um dia teve de ir responder a Tribunal e o que lhe valeu foi ter encontrado um juiz compreensivo que lhe aplicou uma pena suspensa, por desrespeito á autoridade...
Muito espirituoso o seu paizinho, senhora doutora. Se não é indiscrição, o que é que ele faz? Também é advogado?
Não, é tipógrafo. Chefe de tipografia
 Um trabalho muito bonito, sim senhora…!
 Ele gosta muito, mas às vezes tem de ficar na tipografia até muito tarde, porque aparecem uns trabalhos complicados que têm de ser entregues de noite… Olhe, se quer que lhe diga não percebo muito bem a razão de ter de entregar trabalhos durante a noite, mas há clientes que são esquisitos...
 Pois… estou a ver… e onde é a tipografia, senhora doutora?
É ali no Bairro das Colónias, perto da Almirante Reis. Porquê? 
Nada… achei curiosa essa história que contou da telha que o seu paizinho usava para usar o isqueiro…
Desculpe lá senhor Júlio, eu não queria perguntar-lhe isto, mas qual é a sua profissão?
 Trabalho no ramo imobiliário, senhora doutora. Sou chefe de vendas e agora ando a promover um empreendimento muito grande da empresa J. Pimenta. Conhece?
 Quem não conhece a J. Pimenta, senhor Júlio?
Como diz a publicidade… Pois pois, Jota Pimenta! O senhor João Pimenta é aqui do Souto, ao pé de Abrantes, e é a amigo do meu paizinho, foi por isso que fui lá parar. Aquele empreendimento na Reboleira é um luxo! Casas dignas de um ministro!
Confesso que não conheço bem a zona…
 Vai ser a cidade do futuro, senhora doutora. Acredite em mim! Devia comprar  lá uma casa…
Ainda vivo com os meus pais, mas por acaso estou a pensar alugar  um apartamento, porque  não tenho dinheiro para comprar. Tem é de ser em Lisboa, porque não quero ficar longe dos meus pais. Por acaso não sabe de ninguém que tenha uma casa, mesmo pequena e queira alugar?
 Onde é que moram os seus paizinhos, senhora doutora?
 Na Alameda das Linhas de Torres, ali ao Lumiar. 
 Eu tenho uns conhecimentos no ramo… a senhora doutora sabe como é, isto é um mercado pequeno e toda a gente se conhece…  vou falar com umas pessoas e depois digo-lhe. Quer fazer a fineza de me deixar o seu contacto?
Cátia Janine vasculhou a carteira, puxou de um cartão e entregou-o  a Júlio Saraiva.
Peço-lhe que não me ligue para casa. Ligue-me para o escritório, de preferência da parte da tarde, porque de manhã há dias em que estou a dar aulas na Faculdade.
 Muito bem, senhora doutora, pode estar descansada…
 Bem, são horas de ir andando. Daqui a nada os meus pais começam a ficar preocupados.
Despediram-se com um até breve.
O regresso a Lisboa foi conturbado. Um acidente perto do Entroncamento provocou um enorme engarrafamento e Cátia Janine decidiu parar num café para telefonar aos pais a dizer que não se preocupassem.
De regresso ao carro, pensou que com tantas invenções, alguém já podia ter inventado um aparelho que permitisse às pessoas falarem do sítio onde estivessem, sem a maçada de interromperem a viagem, entrar num café e pedir uma bebida que não lhes apetece, só para fazerem um telefonema. Riu-se da sua maluqueira e comentou com os seus botões "Qualquer dia ainda escrevo um livro de ficção científica em que as pessoas comunicam todas através de uns aparelhos sem fios...”  

( Capítulos anteriores aqui)

10 comentários:

  1. Pois, pois, Carlos! Corrige lá o link do final deste capítulo que nos leva...ao mesmo. :)

    Interessantíssimo esse diálogo entre a Cátia Janine e o Júlio Saraiva.
    Por acaso não me recordo da licença para se usar isqueiro na rua nem da isenção debaixo de telha!

    Fiquei super intrigada com essas iguarias biscoiteiras chamadas "Beija-me depressa" e "Brisa". Esses bolinhos existiram mesmo ou são invenção do autor?

    Quem diria à Cátiazinha que essa ideia maluca que lhe passou pela cabeça, com laivos de ficção científica, das pessoas comunicarem entre si com aparelhos sem fios e que cabem no bolso de uma camisa, estão hoje ao alcance de todos, inclusivé das crianças?
    Como o mundo evoluiu!!
    Imagina como ela reagiria se alguém profetizasse que na primeira década do ano 2000 andava gente a comprar terrenos na Lua?
    Sabes, Carlos? Acho que a resposta dela seria: Pois, pois, J. Pimenta!

    Beijinhos.

    P.S. Lembrei-me agora que em 73, já os americanos tinham pisado a Lua. lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O link está correcto... tens é de andar com o elevador para leres os textos anteriores!
      "Beija-me depressa" é uma iguaria de Tomar e as Brisas do Lis, vê-se logo de onde são, não é verdade? Tudo de comer, nada de álcool, mas muitos ovos e açúcar.

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Será que ainda encontra o pai em casa?

    ResponderEliminar
  3. Ó Carlos, queres ver que já meti água e o Brisa mais o Beija-me...eram bebidas espirituosas???

    ResponderEliminar
  4. "alugar um apartamento", Carlos?
    A senhora doutora, com o Orlando de Carvalho à frente, teria de arrendar um táxi para ir, com um chumbo, para casa :))
    Aconteceu numa prova oral de Direitos Reais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Provavelmente, Pedro, a Cátia sabia que o senhor Júlio não sabia a diferença- Ele sempre que tinha uma casa para arrendar punha um letreiro ALUGA-SE! :-)

      Eliminar
  5. Eheheh, a senhora doutora tinha mesmo chumbado a Direitos Reais, se dissesse uma asneirada dessas no exame! :)))

    Mas ela é um bocado totó, não é? Então é interrogada dessa maneira tão óbvia e nem dá por nada? Olhe que eu era bastante mais novinha e andava no liceu, uma vez vieram uns contínuos perguntar se tínhamos visto uns fulanos a distribuir uns folhetos e nós que não, não vimos nada. E eles tinham acabado de passar por ali... :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em relação à gaffe da s'dutora repondo-lhe como respondi ao Pedro.
      Já quanto ao resto, vê-se logo que a Teté lê muitos livros policiais:-) Já topou a pinta do Júlio!
      Confirmo que a Cátia é totó. Aliás, creio já ter dito isso no post de apresentação lá na filial. Mas, por muito estranho que pareça, vai ser esse predicado que lhe vai permitir subir na vida. Normalmente os totós não levantam ondas e obedecem fielmente à voz do dono.

      Eliminar