quinta-feira, 22 de março de 2012

Poema melancólico a não sei que mulher


Dei-te os dias, as horas e os minutos
Destes anos de vida que passaram;
Nos meus versos ficaram
Imagens que são máscaras anónimas
Do teu rosto proibido;
A fome insatisfeita que senti
Era de ti,
Fome do instinto que não foi ouvido.

Agora retrocedo, leio os versos,
Conto as desilusões no rol do coração,
Recordo o pesadelo dos desejos,
Olho o deserto humano desolado,
E pergunto porquê, por que razão
Nas dunas do teu peito o vento passa
Sem tropeçar na graça
Do mais leve sinal da minha mão...
( Miguel Torga)

7 comentários:

  1. As vezes que o encontrei em Coimbra, Carlos!!
    Calado, parecia sisudo, .......boas memórias.

    ResponderEliminar
  2. Apesar de conhecer muito da sua obra, desconhecia este seu belo poema. Obrigada, por o teres aqui trazido, Carlos.
    Ando sinceramente admirada com a ausência dos teus leitores habituais, Carlos.
    É verdade que os teus posts não aparecem actualizados nos blogues que te seguem, vejo isso pelo meu. Contudo, basta sabermos dos teus hábitos de publicação para ver que não estarias tanto tempo sem postar. Para além de que já alertaste para essa situação...
    Eu, para vir aqui, não clico no título do post que me aparece, mas sim no nome do teu blog e logo me deparo com os posts do dia.
    Intriga-me a razão dos teus restantes leitores não fazer o mesmo! Será que as pessoas só se lembram quando te vêem no topo dos seus blogues?
    Peço-te desculpa por este desabafo, Carlos!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Janita
    Também já me interroguei sobre isso e não tenho resposta. A verdade é que de um dia para o outro passei de 600 para pouco mais de 300 leitores e não sei que mal terei feito ao Blogger ( ou aos leitores do CR...) para ser tratado assim...
    Espero é que venham cá muitos no domingo, porque tenho uma surpresa preparada.
    Obrigado pelo teu desabafo, amiga
    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Assinalar o Dia Da Poesia com Torga é uma excelente opção.

    ResponderEliminar
  5. A minha ausência é devida ao tempo maravilhoso que reina neste momento em toda a Alemanha e, nunca se sabe até quando...

    Assinalar o Dia da Poesia com o Miguel Torga é, sem dúvida, uma óptima escolha.

    Saudação primaveril!

    ResponderEliminar
  6. Miguel Torga foi um grande escritor e poeta! Muito bom! :)

    ResponderEliminar
  7. Que belo poema! Miguel Torga foi um duriense apaixonado e apaixonante! Pena não ser muito conhecido, nem mesmo entre as gentes do Douro...

    ResponderEliminar