segunda-feira, 12 de março de 2012

O grande embuste da "Geração à Rasca"


Faz hoje um ano, Portugal saiu à rua, impulsionado por um grupo obscuro que se denominou "Geração à Rasca". Na altura, comparei a estranha manif a que aderiu gente dos 8 aos 88, desde a extrema direita, à extrema esquerda, ao Cacerolazzo que derrubou Allende e abriu o caminho a Pinochet. Apesar de estar farto de Sócrates, sempre sublinhei  que o leit motiv da manif  era acabar com o que restava da democracia. Critiquei a ingenuidade  e  oportunismo da esquerda, fui mal interpretado e criticado, houve mesmo quem me acusasse de defender Sócrates.
Um ano depois todos reconhecem que estamos piores do que em 2011. Os rendimentos das famílias desceram de forma abrupta, o desemprego atingiu números inimagináveis, as desigualdades aumentaram exponencialemente, os direitos dos trabalhadores foram espezinhados, os jovens têm  ainda menos perspectivas de futuro.
Apesar de a taxa de desemprego entre os jovens ter subido  de 20, 4% para 35,8%., em apenas um ano, a "Geração à Rasca" está agora calada, indiferente aos movimentos de protesto de outros jovens que, lá por fora,  não desistem da luta. Submissa e conformada, aceita em silêncio a ordem para emigrar, como única solução deste governo para combater o desemprego entre os jovens. Já não protesta contra os recibos verdes ou  os contratos a prazo e até aceita que o desemprego seja camuflado com estágios pagos com ordenados inferiores aos de uma empregada doméstica.
A indignada "Geração à Rasca" é agora uma geração de medrosos que se remete ao silêncio.
Preferia estar aqui agora a escrever que me tinha enganado e que a manif da Geração à Rasca tinha contribuído de forma decisiva para acabar com a corrupção e os benefícios de uma casta instalada no poder, em vez de dizer como o Aníbal " Eu já tinha visado!". 
A realidade, porém, é crua. Com excepção daqueles que agora se acoitam em gabinetes ministerias e se passeiam  em carros pretos conduzidos por motoristas a ganhar mais de 2 mil euros por mês, os jovens deste país vivem em piores condições do que há um ano. Foram vítimas do embuste que eles próprios criaram,  foram apanhados na cilada da direita que, estranhamente, conseguiu congregar a simpatia de uma  esquerda acéfala. Melhor teria sido se, antes de embarcarem em manifestações folclóricas, tivessem lido os compêndios de História.Teriam percebido que estavam a ser protagonistas de um embuste que a direita agradece reconhecida.  

15 comentários:

  1. Tudo isto é uma tristeza, os deolindos do feicebuque agora nem tui nem mui...

    ResponderEliminar
  2. Por acaso escrevi hoje no meu FB o que se segue e o Carlos tem razão, sim senhor. Um abraço.

    Faz hoje um ano, 12 de março de 2011, andavam nas ruas cerca de 500 mil indignados. Não há melhor remédio para acalmar esta indignação do que cortar nos salários, retirar-lhes os subsídios de férias, tirar-lhes os feriados, mandá-los para o desemprego, aumentar-lhes os impostos. Quem sabe, sabe! "Custe o que custar" não restarão nem forças para se indignarem.
    (Nota: segundo as ultimas sondagens mais de 75% da população adulta, votante, manifestou vontade de votar em PSD, CDS e PS, e 12% em PCP e BE, o que prova que poucos, muito poucos, se indignam com estado a que isto chegou). Viva Portugal!

    ResponderEliminar
  3. Houve uns que fizeram a festa, deitaram os foguetes e deixaram só alguns apanhar as canas.
    E por onde andam os impulsionadores festivaleiros?? Nos ditos caros pretos, conduzidos por motoristas a ganhar mais de 2 mil euros por mês.
    Beijo Invernoso

    ResponderEliminar
  4. A "MANADA À RASCA"... é mais apropriado!

    Enquando esta MASSA DE ESCRAVOS não descobrir que são ESCRAVOS dum SISTEMA... A classe dos Capatazes (tcp Políticos) vai alegremente fazendo "La Belle Vie", pois seguir as REGRAS DE UM SISTEMA VICIADO apenas mantém o SISTEMA a funcionar...

    Quando os ESCRAVOS começarem a cair para o lado, e não me refiro aos que já estão a cair pois esses já não contam (frieza pura e dura, mas realidade é assim mesmo!) e com o tombo se aperceberem que são REALMENTE ESCRAVOS de um SISTEMA, então pode ser, pode ser!, que aí aconteça algo de não cumprindo as REGRAS VICIADAS altere o funcionamento do SISTEMA...

    Mas como o Vítor Fernandes já aqui espelhou, a MANADA DE ESCRAVOS continua +- na mesma mais de 75% da população adulta, votante, manifestou vontade de votar em PSD, CDS e PS...

    por isso podem esperar deitados... Todos os que actualmente tentarem alterar as REGRAS VICIADAS serão imediatamente etiquetados de TERRORISTAS e condenados como tal...

    ResponderEliminar
  5. A "MANADA À RASCA"... é mais apropriado!

    Enquando esta MASSA DE ESCRAVOS não descobrir que são ESCRAVOS dum SISTEMA... A classe dos Capatazes (tcp Políticos) vai alegremente fazendo "La Belle Vie", pois seguir as REGRAS DE UM SISTEMA VICIADO apenas mantém o SISTEMA a funcionar...

    Quando os ESCRAVOS começarem a cair para o lado, e não me refiro aos que já estão a cair pois esses já não contam (frieza pura e dura, mas realidade é assim mesmo!) e com o tombo se aperceberem que são REALMENTE ESCRAVOS de um SISTEMA, então pode ser, pode ser!, que aí aconteça algo de não cumprindo as REGRAS VICIADAS altere o funcionamento do SISTEMA...

    Mas como o Vítor Fernandes já aqui espelhou, a MANADA DE ESCRAVOS continua +- na mesma mais de 75% da população adulta, votante, manifestou vontade de votar em PSD, CDS e PS...

    por isso podem esperar deitados... Todos os que actualmente tentarem alterar as REGRAS VICIADAS serão imediatamente etiquetados de TERRORISTAS e condenados como tal...

    ResponderEliminar
  6. O povo é sereno, amigo Carlos. Impressionantemente sereno!!! O que raio será preciso para o acordar? Desbastar-nos ainda mais... e mais um pouco, devagarinho, lentamente, até ao tutano!
    O povo continua sereno... até quando? (Que inveja deste povo Português, hão de ter os governos Grego, Espanhol, Frances...)

    ResponderEliminar
  7. Hoje serão muitos mais que à um ano, no entanto existe um silêncio que para mim é assustador.
    ssabe Carlos eu grávida levei muita porrada da policia de choque, olho para trás e assusta-me o pvo de hoje.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  8. Como eu digo, esta juventude só está à rasca porque é rasca mesmo: rasca porque é amorfa, rasca porque, tendo um dinheirito para os copos, vive´à custa dos pais, e vai alegremente festejando, sabe Deus o quê, todas as noites, na movida do Porto ou de Lisboa. Os restaurantes da moda, o mais caros estão cheios de gente nova que nem o salário mínimo ganha. À rasca andam os pais deles, que terão de trabalhar até morrer para os continuar a sustentar (e subsidiar...). Tem falta de ideologias, pois estas, melhor ou pior, sempre lhes daria ânimo para lutar e, isso diferencia-nos, sempre, dos restantes animais.

    ResponderEliminar
  9. Muito bem! Tenho dito o mesmo. Muito gostava de perguntar a esses meninos bem como aos professores meus colegas que saíram aos milhares para as ruas por não quererem ser avaliados, se agora, depois de terem posto o anterior governo no chão, sentem que foram beneficiados.

    ResponderEliminar
  10. Estive na Batalha, desci Sta catarina, Fernandes Tomás, voltei a descer Sá da Bandeira, parei na Praça D. João IV e senti-me maravilhado na Praça.
    Havia esperança.
    Esperança que se desfez 2 meses depois nas eleições e de que hoje só as efemérides citam a data!

    ResponderEliminar
  11. Ainda concordo com o que diz o Rui Veloso no vídeo: estamos fartos destes dois partidos sempre no governo! O propósito pode não ter sido esse, mas pelo menos éramos dois para que era... :)

    ResponderEliminar
  12. Falta garra, crença, raiva, compromisso a esta juventude! Muito amorfa, não têm causas, não lutam por elas. Tudo é feito timidamente, demasiado serenamente...
    Tantos comentários aqui estão tão certos...

    ResponderEliminar