segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

A mensagem de Berlim


Não faltará por aí quem diga que o festival de cinema de Berlim é o mais fraco festival de cinema que se realiza na Europa. Embora aceite sem rebuço que está a longa distância de Veneza ou Cannes, isso não invalida que considere da maior importância para o cinema português, o Urso de Ouro atribuído a Rafa ( curtas metragens) e o prémio conquistado por Tabu.
O cinema português é mais apreciado lá fora do que por cá, pelo que estes prémios servirão, pelo menos, para levar alguns portugueses às salas de cinema. Alguns sairão desiludidos porque aquilo não mete tiros nem perseguições de polícias a criminosos, mas outros concluirão que afinal vale a pena ver o novo cinema português.
Pessoalmente, estou ansioso por  ver “Tabu”, do mesmo realizador de “Aquele Querido mês de Agosto”, filme que adorei. Não tanto como este, mas  também de inegável qualidade. 
Num momento em que quase nos envergonhamos de ser portugueses e somos representados além fronteiras, por políticos medíocres, devemos animar-nos com o reconhecimento do nosso talento lá por fora. Não me refiro exclusivamente ao cinema… falo também dos prémios de investigação na área da ciência, na arquitectura, nas artes, na literatura e até no desporto. (E falo também das capacidades de trabalho dos portugueses, tantas vezes enaltecida no estrangeiro…)
Todos estes prémios vêm demonstrar que o talento dos portugueses é real, mas leva-nos a colocar a questão: se somos bons lá fora, por que razão não somos reconhecidos cá dentro?
A resposta parece-me simples. Não temos por cá muitos  gestores  com capacidade para explorar o nosso talento;  temos  muitos patrões, mas poucos empresários; não criamos condições para que os nossos talentos  desenvolvam as suas capacidades.
Não há reforma estrutural que consiga alterar esta situação enquanto qualquer pessoa, apenas porque tem uns dinheiritos consegue montar uma empresa, ou chega a dirigente da administração pública tendo como única credencial a fidelidade partidária. 
São poucas as esperanças de mudança, quando o próprio primeiro-ministro acusa os portugueses de calaceiros e piegas, quiçá reproduzindo a imagem que todos os dias  vê projectada no espelho, quando se prepara para o escanhoar matinal.
Continuemos a tentar mostrar-lhe   que se estamos agora a ser governados por uma troika, a culpa não é dos calaceiros dos portugueses, mas sim de um punhado de políticos, por ele encabeçado, que pôs os seus interesses pessoais à frente dos do país. 

8 comentários:

  1. O Carlos pode dizer mal da minha querida Angie, que me estou nas tintas!!!

    Quem diz que o festival de cinema de Berlim é o mais fraco festival de cinema que se realiza na Europa é um IGNORANTE!!!

    O Festival de Veneza tem pouca ou nenhuma importância!!!

    O Festival de Cannes, além dos grandes astros de cinema, só tem muita "carne fresca" o que agrada a muitos machistas!!!

    O Festival de Cinema de Berlim apresenta os melhores filmes (para quem sabe o que é um bom filme) e, é um festival para o público e não para meia dúzia de VIP!!!

    Estou MUITÍSSIMO ORGULHOSA com os nossos compatriotas e, TODOS os jornais portugueses escreveram sobre o assunto!!!

    Dizem que eu gosto de agitar àguas, eu cá digo, que o Carlos é que me agita e MUITO!!!

    ResponderEliminar
  2. É verdade, Carlos!
    O cinema português é mais apreciado além-fronteiras do que cá pelo nosso burgo.
    Ouvi a notícia de que a curta metragem de João Canijo, Rafa, havia sido premiado com o Urso de Ouro em Berlim e fiquei toda contente!!

    Claro que não somos calaceiros nem piegas! Somos é governados por um bando de incompetentes!!

    Olha que maravilha...já cá não estão as palavras "difíceis". :))

    Beijo

    ResponderEliminar
  3. Nunca me envergonho de ser portuguesa, antes pelo contrário! Além que não é culpa minha sermos governados por incompetentes, já que nem sequer votei em nenhum dos que lá têm parado em S. Bento, certamente há mais de 15 anos!

    Claro que fico satisfeita quando nossos conterrâneos se evidenciam no cinema, na arte ou na ciência lá fora: só prova que o incompetente que lá está, e que insulta os portugueses com essas palavras, vê todos à sua medida, que é bem medíocre!

    Boa 3ª feira de Carnaval, Carlos! :)

    ResponderEliminar
  4. Para eliminar as palavras de verificação vá ao "Painel" do blogue, depois às "Definições", a seguir aos "Comentários" e, no décimo item, tem a pergunta "Mostrar verificação de palavras para comentários?". Escolha "Não" e vá ao funda da página para clicar em "Guardar Definições". Quando obtiver a informação de que as definições foram guardadas, já está!
    Um abraço e apareça por lá

    ResponderEliminar
  5. O nosso grande mal é sermos desconfiados dos talentos do vizinho do lado até que alguém lá de fora nos venha dizer que ele é um grande artista... e, mesmo assim, nós mantemos um pé atrás porque afinal ele é só o nosso vizinho do lado. Há grandes portugueses! Andamos é "desgovernados"...

    ResponderEliminar
  6. bons no que tem que ser... maus no que se teima em não aprender e ensinar...
    V ivamos pois com as nossas/vossas alegrias...
    Ana

    ResponderEliminar
  7. Também tem agenda marcada comigo. Excelentes as críticas que entretanto li na imprensa internacional.

    ResponderEliminar
  8. Como nós estamos a precisar destes afagos no nosso ego, carlos.
    Fiquei orgulhoso com as distinções.

    ResponderEliminar