quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Prémios Escorpião de Ouro 2011 ( Primeira parte)



Este ano, devido à falta de verba ( não esqueçam que tempo é dinheiro) receei não poder atribuir os tradicionais Prémios “Escorpião de Ouro”, uma tradição do CR desde 2008. No entanto, consegui uma verba inesperada no Banco de Horas  e, este ano, a lista de prémios e premiados ultrapassa mesmo a dos anos anteriores, razão  pela qual me vi obrigado a proceder à sua revelação em duas sessões. No intervalo, será exibido o filme “Sangue do meu Sangue” e os Deolinda interpretarão o seu último sucesso “ Que parva que eu fui”.

E os vencedores são…
Prémio Escorpião de Ouro com Palma ( Prémio Carreira) - Para todos os líderes europeus que estão actualmente no poder e demonstraram à saciedade que a direita  não sabe nada de História. Ao privilegiar as políticas economicistas, vão conseguir destruir a Europa e transformá-la novamente num palco de guerra.
Prémio Multiópticas-  Paulo Portas. Só um problema de visão explica  que  tenha andado durante uma década a esgrimir  a segurança e a luta contra a  criminalidade, como bandeira do CDS,  e  agora que a criminalidade violenta disparou, coincidindo com a sua chegada ao governo, se remeta ao silêncio.
Prémio Sonotone-  Ângela Merkel. Só a surdez justifica que se mantenha   indiferente aos avisos de Helmuth Kohl, de grandes líderes mundiais e dos mais reputados economistas ( entre os quais se encontram vários Prémios Nobel), persistindo na destruição da União Europeia.
Prémio  Listerine-  Eduardo Catroga pela frase: “ vocês só discutem pintelhos”
Prémio Loja dos Trezentos-  Privatizações das empresas públicas portuguesas mais emblemáticas.
Prémio  “Quando o telefone toca”-  Miguel Relvas.  Assim que lhe põem um microfone à frente, é como um programa de discos pedidos. Fala sobre tudo, mesmo sem perceber o que diz. 
Prémio Caramelos Vaquinha-  João Duque pela frase: “ A bem da Nação, a informação da RTP deve ser filtrada e trabalhada. Um tratamento que não deve ser questionado”.
Prémio Pursenide- Ex –aequo para Pedro Passos Coelho, Miguel Relvas e Alexandre Mestre pelo conselho dado aos portugueses “  Se não tem trabalho em Portugal, emigre. E faz você muito bem!”
Prémio Danacol-  Ex –aequo para Paulo Macedo, pela destruição do SNS, e Vítor Gaspar por ter conseguido tirar as gorduras aos portugueses.
Prémio Bacalhau Pascoal- Para os padres que se envolveram numa cena de pugilato, à vassourada, na Igreja da Natividade, em Belém.
Prémio Santa Casa da Misericórdia/Euromilhões- Mira Amaral, feliz contemplado com  a compra do BPN por  tuta e meia. 
Prémio “Ó Abreu, dá cá o meu”-  Os boys nomeados  dirigentes  para organismos cuja extinção tinha sido previamente anunciada.
Prémio  Garganta Funda-  Álvaro Santos Pereira. Todas as semanas anuncia  medidas para o crescimento da economia, mas não se viu ainda nem uma. 
Prémio   Turismo de Portugal -  Álvaro Santos Pereira, contratado para ministro da Economia em Vancouver, depois de ter posto um anúncio num blog.
Prémio Restaurador Olex-  Justiça portuguesa, pela capacidade em reabilitar os criminosos de colarinho branco.
Prémio Pescanova- Teresa Caeiro, por ter protagonizado a maior cena de peixeirada e má criação  televisiva do ano. 
Prémio   Margarina Vaqueiro- Ex aequo para José Gomes Ferreira e Camilo Lourenço, pelas suas análises políticas.
Prémio Luís de Matos- Primavera Árabe. Prometeu a democracia ma, pela magia das eleições, esta eclipsou-se num ápice.
Prémio Pinóquio –  Pedro Passos Coelho, por se ter destacado como o mentiroso compulsivo do ano.
Prémio  Cohn Bendit-  Cavaco Silva que até Junho andou a apelar aos sobressalto cívico e durante a campanha eleitoral para as presidenciais incentivou as escolas privadas a saírem à rua em protesto contra as medidas do governo.

Amanhã serão revelados os restantes galardoados, entre os quais se encontram os vencedores dos prémios Sensodyne, Marretas, Novas Oportunidades, Margarida Rebelo Pinto ou Maya. 

2012 pelo Meridiano de Lisboa



Se as previsões baterem certo,  pode concluir-se que, de uma forma geral,2012 será um ano bastante seco. Então, mês a mês, aqui ficam os resultados.
Janeiro- Mês ameno com alguns dias de chuva fraca.
Fevereiro- Temperaturas amenas, com alguma chuva, mas pouco intensa.
Março-  Será um mês seco, mas predominantemente cinzento.
Abril-  Não será um mês de águas mil mas, as que caírem, serão coadas por um funil.
Maio- Começará soalheiro, mas será sol de pouca dura. Terminará cinzento e chuvoso.
Junho- Chegou o Verão! Mês quente e seco a convidar para umas belas idas até à praia. E ainda haverá feriados a 10 e 13, pelo que é de aproveitar.
Julho- Mês fraco para quem ficar por Lisboa. Muitas neblinas matinais e poucos dias de sol esplendoroso.
Agosto- O Verão decide voltar. Pena que os dias já sejam muito mais curtos do que em Julho, mas quem tiver ficado por Lisboa terá certamente boas razões para  passar o final do dia numa esplanada a ver o Tejo.
Setembro- Continuação de bom tempo. Um mês em quase tudo parecido com Agosto, mas com os dias muito mais curtos…
Outubro- Outonal, logo instável,  com muitos nevoeiros, alguma (pouca) chuva  mas  alguns dias de sol.
Novembro- Será seco e soalheiro. O Outono no seu esplendor.
Dezembro- O último mês do ano não trará chuva. Bem pelo contrário, será seco como o deste ano.
Pronto, a informação aqui fica, mas não é da minha responsabilidade. Se ao longo do ano tiverem reclamações  queixem-se  ao S. Pedro.  Ao  que vive na paz celestial, não àquele que reparte os dias entre S.Bento e a S.Caetano , porque esse não aceita reclamações.
Tenham um ano de 2012 muito melhor do que  se anuncia. Principalmente que não vos falte saúde e força para  vir para a rua gritar. 

A fotografia do ano

A Teté elegeu esta fotografia  como a melhor do ano  Apoio a escolha, pela mensagem que encerra. E vocês?

O preço da verdade


Numa entrevista à BBC Radio, José Mourinho disse que estava muito feliz no Real Madrid, mas que em 2014 queria regressar a Inglaterra. O treinador português nunca escondeu  a sua atracção pelo futebol inglês e , quando saiu do Chelsea,  afirmou sem tibiezas que depois de experimentar o futebol italiano e espanhol, gostaria de regressar a Inglaterra.
A imprensa espanhola, no entanto,  não gostou da  entrevista de Mourinho e começou a desancá-lo por todos os lados. Estou certo que o mesmo aconteceria em Itália, Portugal ou Inglaterra. As pessoas  não gostam de gente sincera. Preferem a hipocrisia. Mourinho falou  verdade e está a pagar um preço por isso.  Acontece o mesmo na política, no mundo do espectáculo, nas relações profissionais,  nos locais de trabalho, no seio familiar e, até, nos círculos de amigos. Quem fala verdade é penalizado e acusado de ter mau feitio ou ser mal educado.  Não admira que o mundo tenha chegado a este estado.

Alves Redol


No dia do centenário de Alves Redol,  o Casal das Letras divulga um manuscrito inédito do autor, proibido pela Censura nos anos 60. Obrigado pela partilha, Maria Augusta.