domingo, 25 de dezembro de 2011

Uff, já acabou!

Já terminou o Natal. Este ano, por causa da crise, durou apenas o tempo de um fim de semana, porque a vida não está para andar muito tempo a fingir que somos solidários.
Amanhã a vida voltará à normalidade e as pessoas desprender-se-ão do espírito natalício. Voltarão a ser egoístas e mesquinhas, os nossos governantes anunciarão  novas medidas de austeridade para quem trabalha e mais benefícios para quem nos explora. 
O mais tardar na próxima semana Paulo Portas voltará a desaparecer, retomando a sua vida de caixeiro viajante e Gaspar, perdida a pista de Belchior e Baltazar, volta a engendrar esquemas para nos ir ao bolso. 
O boca de brioche voltará aos discursos idiotas, o Álvaro anunciará mais umas medidas para fazer crescer a economia, mas continuará a guardá-las na gaveta, o Mota da Vespa tirará da cartola mais umas quantas medidas assistencialistas e apelará à caridadezinha enquanto o Relvas retomará a sua verborreia oca, seguindo os conselhos dos seus speech writers, ainda  anestesiados pelos vapores etílicos da época natalícia.
Preparemo-nos então para o ano de 2012 que o Adamastor anunciou como o ano em que iremos dobrar o Cabo das Tormentas.Logo nos  havia de cair em sorte um ano bissexto, para levar a bom termo tão difícil empreitada. O mais provável é que não a concluamos com sucesso e os resistentes estejam daqui a um ano a lamentar o insucesso, mas a prometer que em 2013 é que será. Nem  se aperceberão que o ano que se segue a este bissexto termina em 13, número que já nem no Totobola é sinónimo de sorte, pelo que a saída da crise deveria ser anunciada desde já para o segundo semestre de 2014, ano que precede um novo ciclo eleitoral.

Então tiveram um Bom Noel?

O nosso ministro da defesa foi passar o Natal com os nossos militares no Líbano e não sei onde mais. Podia ter aproveitado a viagem a bordo do Falcon, pago por todos nós, para aprender a dizer Feliz Natal em várias línguas, se esse era o seu desejo, mas deve ter preferido ferrar uma soneca. Foi pena, porque assim envergonhou todos os portugueses  quando, com a desfaçatez e falta de vergonha que lhe é peculiar desde pequenino, o nosso ministro Aguiar Branco  desejou um Bom Noel aos libaneses que estavam presentes.
Ó João Pedro! Eu sei que sempre foste muito mau a línguas, mas quantas vezes eu te expliquei que em francês deves dizer Joyeux,ou Heureux Noel e não Bon Noel? Podias ter-me evitado a vergonha,porra! 

Bate,bate, coração (38)

Como hoje é dia de Natal, ofereço esta prenda aos meus leitores. Como é surpresa, não leva foto...têm de desembrulhar. Mas cuidado, que o material é frágil! Principalmente na passagem do video junto à piscina...