quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Alcoólica é a tua Mãe, ó salsicha de Frankfurt!

Uma besta de um alemão, presidente do Bundesbank, chama alcoólicos aos portugueses e a malta da laranjada chama inconsciente a um deputado do PS, por ter defendido que a principal preocupação do governo deveria ser defender o seu povo, antes de pagar aos chulos que nos cobram juros de agiotas.
Se tivessem um bocadinho de mundo, saberiam que Kirchner salvou a Argentina, precisamente por ter tido coragem de bater o pé ao FMI.


Branco é, galinha o põe...



Como descobrir sonsos? É fácil! Pegue-se no ministro Pedro Mota Soares. Eu explico…

A comunicação social deu grande destaque ao facto de o ministro da Solidariedade(não será da Caridade???) ter chegado à tomada de posse conduzindo uma Vespa ( Ninguém se deu ao trabalho de esclarecer como ele saiu de lá, mas isso agora não interessa nada).

Dias depois Pedro Correia- especialista contratado por Relvas para fazer qualquer coisa especial não esclarecida - escreve um post no Delito de Opinião, deslumbrado com o facto de ter visto, numa tarde de domingo, um ministro a andar de Vespa . No estilo gongórico-lambideiro de João Coito, concluiu ufano : este é um governo diferente!

Azar! Pedro Correia - editor de Internacional do DN contratado por Relvas- esqueceu-se rapidamente como funciona alguma imprensa e menosprezou a existência do Correio da Manha, uma folha impressa que diariamente se apresenta nas bancas com o único intuito de produzir manchetes apelativas que levem os papalvos a gastar uns cêntimos na sua compra, sequiosos de ver sangue.

Algumas semanas depois, o CM atacou: o ministro da Vespa passeava-se agora numa bomba de 86 mil euros, paga pelos contribuintes, deixando a Vespa abandonada numa qualquer garagem.

Não devendo nada à coragem, Pedro Correia não saiu em defesa expressa do ministro, escrevendo um post. Escudou-se nas caixas de comentários do Delito de Opinião, onde esgrimiu argumentos na tentativa de justificar que o pobre do ministro era mais uma vítima da volúpia de Sócrates, que autorizou Zorrinho a comprar bem tão luxuoso. Pedro Mota Soares apenas se limitou a honrar um compromisso assumido pelo governo anterior! Claro que não lhe ocorreu o facto de o ministro Álvaro Santos Pereira ter denunciado vários contratos de renting feitos pelo seu antecessor. Os lapsos de memória às vezes são muito convenientes...

Como ninguém engoliu a patranha e um ministro tão bonzinho como Pedro Mota Soares não podia ver manchada a sua honorabilidade, alguém num esconso gabinete terá urdido uma fórmula para o reabilitar. É para isso que servem os especialistas, não é verdade? E de que se lembraram? Vamos telefonar ao António Ribeiro Ferreira – que até foi em tempos director adjunto do DN – e pedir-lhe para fazer uma entrevista ao Mota Soares, no jornal “I” para lhe retocar a imagem de ministro da Caridade.

Mas este mundo é farto em coincidências. No meio da história aparece um senhor chamado Paulo Pinto Mascarenhas que é jornalista ( do CM) às segundas, quartas e sextas e funcionário político nos restantes dias da semana, que tem uma ideia genial! A entrevista no “I” será publicada no mesmo dia em que Pedro Mota Soares será convidado para discursar num forum organizado pelo CM!

Eh, pá, bestial! Terá respondido um especialista do Relvas. Isso é o perfeito 2 em 1. Melhor que o Presto, o Omo, o Tide e o Ajax reunidos numa só embalagem.

Só que, tal como não há almoços grátis, também há entrevistas e coincidências jornalísticas que obedecem a lógicas insondáveis. A reabilitação do ministro fez-se ( Oh, outra vez as coincidências, cuja existência a Margarida Rebelo Pinto teima em negar) depois de a filha de António Ribeiro Ferreira ter sido nomeada presidente do Instituto de Segurança Social!!!

Não há dúvidas, o Pedro Correia tem toda a razão. Este governo é mesmo diferente, não vos parece? O grande problema são as irritantes coincidências. Quando não há boys, há vacas ou, como diz o povo, “branco é, galinha o põe”…

Vai brincar ao pau c'os ursos, pá!

Obrigado ao Francisco a quem fui gamar o post

Apostar na pobreza, é ter visão de futuro

Na sequência da Convenção da nova Plataforma Europeia Contra a Pobreza, realizada em Outubro em Cracóvia, o Parlamento Europeu aprovou, em final de Novembro, uma resolução que insta a Comissão Europeia a apresentar um relatório anual ao PE sobre os progressos registados pelos estados-membros na redução da pobreza e da exclusão social.


A proposta insere-se na estratégia de redução da pobreza para o período 2014/2020, aprovada pelos ministros europeus. França , por exemplo, compromete-se a reduzir um terço das pessoas em risco de pobreza até 2020, enquanto a Alemanha tenciona reduzir em 20% o número de desempregados de longa duração e a Polónia pretende retirar 1,5 milhões de pessoas da pobreza, em igual período.
Qual é a estratégia do governo português? Empobrecer os portugueses o mais possível até 2014, para que o nível de pobreza seja tão elevado, que em 2020 as estatísticas indiquem uma redução do número de pobres durante o período 2105/2020. Por isso cortam no subsídio de desemprego, no abono de família, nas reformas, nas prestaçõe sociais e diminuem os salários.A isto se chama “visão de futuro” em coelhês.
Dir-me-ão alguns leitores mais ingénuos: mas nessa altura já não será o PSD a colher os louros!


Não sejam tão optimistas, meus caros! É certo que por essa altura PPC já terá sido contratado por Ângela Merkel para um lugar europeu, onde terá como função fazer-lhe sucessivas vénias enquanto lhe beija as mãos, massaja os pés e coça as costas, mas um rio vindo do Douro também já terá desaguado em Lisboa para acampar em São Bento e varrer a São Caetano da imundície que a infestou durante a governança coelhista.


Bem, há sempre a esperança de o PS deixar de ir fermoso e Seguro e passar a ser liderado com a mão de Ferro, mas isso não passa de mera conjectura...

Um Inverno quente em 2012?

Passaram apenas seis meses desde a tomada de posse, mas os membros do governo já são vaiados por toda a parte.
Francisco José Viegas foi vaiado na Régua. Amedrontado, defendeu-se com uma promessa mentirosa. Garantiu que o Douro não vai deixar de ser Património Mundial da Humanidade, embora saiba que isso dependerá, em primeiro lugar, da decisão do governo (onde a sua opinião vale ZERO) avançar ou não com a construção da barragem. Se avançar, a última palavra será da UNESCO onde eventualmente Viegas poderá vir a ser chamado para lhe puxarem as orelhas. Ainda que não tenha quaisquer culpas no cartório... mas é a vida!

Precavido, PPC mandou a máquina do partido organizar uma claque de apoio para o receber em Matosinhos. Por momentos sentiu a glória de Salazar, mas depois as vaias e apupos foram mais fortes e Coelho saiu com orelha murcha, como as câmaras de televisão mostraram. Este dia horribilis para o governo culminou com as declarações de Rui Rio:
Cavaco deve ter ouvido atentamente e começado a preparar o discurso sobre a má moeda.
A procissão, no entanto, ainda não saiu do adro. CGTP e UGT prometem luta acesa se governo avançar com a meia hora de trabalho extra.
As coisas começam a compor-se...

Deixem passar os blues (12)


Vão lá buscar o comprimidos para baixar a febre