segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Blogue da semana

Aos domingos faz homilias, numa concorrência leal ao professor Marcelo. Nos restantes dias da semana brinda-nos com boa prosa, bem temperada. Com vinagre.
Conversa avinagrada é o blog da semana, escolhido pelo CEO pro bono do CR.

A folga

Afinal havia mesmo folga. Mas é preciso punir a malandragem que anda a roubar o Estado, por isso, os reformados e os funcionários públicos que paguem a crise.

Populismo perigoso

A renúncia de Mario Monti ao salário de primeiro ministro não é só demagógica... é preocupante! Estes populismos nunca acabaram bem

Quando a ficção se cruza com a realidade


Há dias fui ver “ Nos idos de Março”. Poderia ser um bom filme se não se enredasse numa trama final pouco convincente. Eu sei que a chantagem é um trunfo político relevante e quando mete pelo meio jornalistas mais interessados na política do que no jornalismo pode ser determinante para virar todas as sondagens. No entanto, aquela tinha pouca consistência e o facto de o assessor despedido ter feito vergar George Clooney, apenas demonstra a fraqueza do candidato.

Infelizmente, a qualidade dos políticos que governam o mundo degrada-se a uma velocidade vertiginosa, expondo-os aos ataques de uma comunicação social armada em justiceira e favorecendo o aparecimento de oportunistas, envolvidos na capa de pessoas dignas. Só que quando o verniz estala....

Quando o filme terminou fiquei com uma sensação amarga de “déjà vu”. Como escrevia a Teté num post que deliberadamente só fui ler depois de ver o filme e subscrevo na íntegra:


No entanto, ao ler a notícia de que Herman Cain (o inenarrável candidato dos Republicanos às presidenciais americanas de 2012 que até conseguia transmitir a ideia de que Bush era um tipo inteligente, tantas foram as gaffes que cometeu ao dar entrevistas em que parecia estar a curar uma ressaca) foi obrigado a desistir da corrida, depois de a comunicação social ter divulgado o seu envolvimento em vários escândalos sexuais, fico a pensar que- pelo menos nos EUA- a realidade e a ficção têm encontro marcado em cada esquina.

Na Europa- principalmente nos países do sul- um candidato com o curriculum extra-cojugal de Cain teria a vitória garantida. Como o demonstra, por exemplo, Berlusconni, cuja queda não se ficou a dever às festas do “bunga-bunga”, mas sim a não ter evitado o descalabro financeiro da Itália.

Em 2015 teremos eleições em Portugal. Sendo conhecida a insegurança de Seguro e a imagem de bom chefe de família de Pedro Passos Coelho, a única hipótese de o PS vencer as eleições será um escândalo sexual que transforme a imagem de Seguro num macho latino. Infiel, incapaz de resistir a um rabo de saias, dominador irresistível de fêmeas com cio.

Por muito que custe admitir, na mentalidade latina- cuja máxima expressão é a sociedade tuga- a qualidade mais apreciada num político é a afirmação da sua sexualidade. Não foi por acaso que em 2005 surgiu aquele boato sobre a homossexualidade de Sócrates, criado nos bastidores da campanha de Santana Lopes, símbolo sexual do fulgor sexual latino com expressão comunicacional apropriada na criação das “santanettes”. O objectivo era claro: votem em mim, que sou macho; o outro é larilas (vocabulário da discoteca Capital, no top das preferências de Santana à época).

Em Portugal é assim: o tarado sexual ganha ao homossexual e não há volta a dar-lhe. Quando se enfrentam candidatos como Sócrates e PPC, sem sinais externos de sexualidade exuberante, o povo abstém-se. Como aconteceu em Junho deste ano.



Coligados na exploração da morte

Domingo triste de Dezembro. Estou afastado das notícias desde sexta-feira ao final da manhã.Levanto-me tarde, ainda na ressaca de dois dias intensos e bem vividos, mas a tempo de ver as notícias das 13 e voltar a conectar-me com a realidade.
Na primeira notícia que me cai em sorte vejo PPC com um ar compungido- que não o impede de lançar um olhar para a câmara, para ter a certeza de que está a ser filmado- a prestar uma homenagem a Sá Carneiro. Não consigo perceber a razão da homenagem (ainda não realizei que é dia 4 de Dezembro e há 30 anos a queda de um Cessna marcaria a ascenção de Cavaco Silva) mas, horas mais tarde, ao ler a entrevista do PM ao "Público" os meus neurónios agitam-se, tocam campainhas e as palavras "hipócrita" e "oportunista" aparecem-me, em maiúsculas intermitentes, na janela da memória.
Segundos depois aparece Paulo Portas. Está num jantar de natal da família democrata-cristã, a mostrar aos fiéis que ainda está vivo e a reafirmar a sua lealdade com a coligação. Atrás de si uma enorme tarja evoca Adelino Amaro da Costa.( Presumo que lá para a Páscoa de 2013 o palco seja ocupado por Judas e a tarja evoque outra personagem, mas isso são contas de um outro rosário).
Nos actos do PM e do líder do parceiro de coligação há um óbvio e sinistro aproveitamento de duas figuras políticas que- estejamos ou não de acordo com as suas ideias- enobreceram a política em Portugal. PPC e PP decidiram aproveitar a data da morte de dois líderes carismáticos ( nada melhor do que uma morte trágica para transformar políticos em heróis nacionais) para se aproveitarem dela e tentar transmitir aos portugueses que são seus legítimos herdeiros.
Foi um dos momentos mais tenebrosos, hipócritas e oportunistas que presenciei nos últimos tempos. Nem PPC é herdeiro de Sá Carneiro, nem PP de Adelino Amaro da Costa. Eles são apenas dejectos de uma geração construída na febre consumista construída durante o cavaquismo. Quando se perderam os ideais e a compostura, para dar lugar ao oportunismo e à incompetência.
A acção conjunta dos dois líderes partidários do governo de Vítor Gaspar foi uma manobra mediática certamente germinada na mente escabrosa de Paulo Portas, que PPC comprou como uma boa ideia. Aproveitar a memória dos mortos para fortalecerem a sua imagem, foi mais um momento aberrante desta coligação de infames. Infelizmente, não será o último.

Deixem passar os blues (3)


O sonho comanda a vida e esta senhora dá-nos asas para voar durante estes breves momentos
Aproveitem, que ainda é de borla!