segunda-feira, 21 de novembro de 2011

As virtudes teologais e a troika

Afinal, as medidas apontadas pela troika para a salvação de Portugal, assentam no catecismo da Igreja Católica:
Fé- ( os inquisidores da troika, com o apoio da Trindade Merkel, Sarkozy e Passos Coelho,estão convencidos que são as melhores para Portugal)
Esperança ( que as medidas resultem)
Caridade - ( se não resultarem, confiam na capacidade dos portugueses para se ajudarem uns aos outros)

A felicidade dos Simples


Sábado à noite. Vou petiscar a uma cervejaria. Escolhemos a sala de fumadores, porque pretendemos prolongar o convívio à volta de umas cigarrilhas. Somos os únicos na sala.
A determinada altura começamos a ouvir, na sala ao lado, ruidosos festejos que, depois de uma acalmia se repetem passados alguns minutos.
Pergunto ao empregado o que se está a passar na sala grande.
“ É o Porto que está a levar 3 da Académica”- responde com um ar de resignação, por trás do qual se esconde a alma de um portista que sofre com a humilhação.
Felizmente, os portugueses ficam felizes com pouco. Basta que a selecção se apure para o Euro, ou que o FC do Porto perca, para se sentirem felizes. Os portugueses realmente não mudaram quase nada desde o 25 de Abril. O futebol continua a ser a única coisa que os faz felizes ou entrar em depressão.
Na noite de sábado vibraram com a derrota do FC do Porto, clube que mais motivos de orgulho deu a Portugal na última década.
Lamento informar os benfiquistas e sportinguistas eufóricos, que o FC do Porto não é apenas futebol. É um clube eclético que ganha o campeonato de hóquei em patins há 10 anos consecutivos; é tricampeão em Andebol e campeão de basquetebol. Ou seja, é campeão nas únicas competições profissionais com algum peso entre nós. Por isso me abstenho de enunciar aqui títulos nacionais e internacionais noutras modalidades de menor relevo, como o bilhar.
Mas se querem reduzir ao futebol a força de um clube, lembro-lhes os títulos nacionais conseguidos nos escalões mais jovens, ainda na última época, a conquista da Taça de Portugal, da Liga e da Liga Europa.
O FC do Porto está a atravessar uma fase péssima, como atravessou também depois de conquistar em anos consecutivos a Taça Uefa e a Liga dos Campeões, mas é o clube português com mais títulos internacionais e tem demonstrado que, depois de uma má época, sabe levantar-se. Lutando contra tudo e contra todos e mostrando em campo a sua força.
Como me dizia na noite de sábado uma benfiquista de sete costados, o que mais a irrita é o Benfica só ser campeão nos anos em que o FC do Porto está mal. Há, felizmente, benfiquistas assim.
Os azuis e brancos correm o risco de ser afastados da Europa futeboleira em Dezembro. Ficarei triste, como fico quando qualquer equipa portuguesa é eliminada. Também é esta maneira de encarar o desporto que faz dos portistas adeptos diferentes. Ver os nossos arqui-rivais entrarem em euforia, apenas porque perdemos um jogo, não me causa mossa. Apenas fortalece a minha convicção de que os Simples são muito fáceis de contentar. Podem estar no desemprego, ver os salários drasticamente reduzidos, porque isso não lhes provoca mais do que alguns lamentos. O importante para os Simples é que o FC do Porto seja derrotado.
Também assim se explica que sejam impotentes para reagir a quem lhes rouba o dinheiro dos salários e os direitos, com uma atitude mais firme do que a de um lamento.
Boa sorte para o Benfica, amanhã, em Manchester. Partilharei da vossa alegria se vencerem. A vida para mim não se resume a alimentar ódios, nem às dimensões de um relvado, onde brincam com a bola jogadores que ganham num ano aquilo que eu não ganhei durante uma vida inteira de trabalho.

Arte com sentido crítico (6)



As escolhas de Vitor Gaspar



Senhor ministro Vítor Gaspar, gostaria que me dissesse qual é o seu número de circo preferido

Muito obrigada, aliás obrigado, pela sua pergunta.Bom… a resposta à sua pergunta tem de ser encarada , pelo menos, em duas vertentes. Se tivermos em consideração as variáveis dos desvios padrão e a sua influência no comportamento da curva de Gauss, diria…teria, terei, tendência a dizer… que o número de circo que mais me agrada, por se situar no pináculo superior da referida curva, provocando –me estímulos sensoriais de grau elevado, que me conduzem ao riso, é o dos palhaços. Ou seja... vou explicar melhor para que o senhor entenda e não fiquem dúvidas nos seus leitores … os palhaços… são as figuras que melhor personificam o povo português e a sociedade portuguesa. Repare!… no circo temos como palhaço rico o trabalhador público que os anglo – saxónicos muito apropriadamente chamam “civil servant” em contra…po-si-çããão, sublinho, po-si-çããão ( isto é muito importante) ao trabalhador privado representado pelo palhaço pobre. É muito curiosa esta alegoria entre palhaço rico e palhaço pobre, porque permite perceber a simbiose social, onde ricos e pobres podem conviver de forma salutar, atingindo a felicidade.

É muito importante , neste período de crise, que percebamos, que os portugueses percebam , que para garantir a coesão social é necessário que os ricos e os pobres tenham a per-ce-pçããão de que um trabalho conjunto entre ricos ( os funcionários públicos) e privados ( os trabalhadores do sector privado) permitirá ao nosso país sair da crise em que vivemos. É dessa simbiose que atrás referi, como ainda estará lembrado, que resultará o empobrecimento do povo português, única forma de conduzir o país ao sucesso que todos almejamos atingir.

Mas agora repare!... Se virmos o espectáculo circense ( o circo… como vulgarmente lhe chamamos) na perspectiva da teoria de Maslow, a resposta será necessariamente diferente. Eu não gosto muito de circo e não tenho…não sinto… necessidade de ir ao circo. Gosto mais de filmes de vampiros. No entaaantoooo… o senhor PM optou – e não me compete aqui dizer se bem ou mal, porque não me compete interpretar e traço, barra, ou comentar perante si as decisões do senhor PM- por levar o governo ao circo e ele terá certamente as suas razões que eu respeito e aplaudo. Sublinho aplaudo…para que se perceba que não ponho, nem nunca porei em causa, as suas ( dele, primeiro ministro) opções e traço, barra , ou decisões. Posto isto, e respondendo à sua pergunta, dir-lhe-ei que… analisado pela perspectiva da teoria de Maslow – a outra vertente de que falei no início da resposta à sua pergunta- o espectáculo circense, como um todo, me permite percepcionar momentos mais conseguidos e menos conseguidos, de onde destacaria os números de trapézio. O trapezista representa, em minha opinião – sublinho o-pi-ni- ããão- o esforço meritóóóório que as famílias portuguesas terão de fazer para se equilibrarem com os orçamentos familiares de que dispõem para satisfazer as suas necessidades e obrigações.

A trapezista e, -/, ou o trapezista são figuras esguias e esbeltas que renunciaram ao fast food , fazem longas caminhadas diárias a pé, renunciando ao automóvel e aos transportes públicos, para que da sua actividade profissional resulte aquela plástica e estética subjacentes ao espectáculo de circo e que faz de nós, portugueses, um povo ímpar.

Há dias- como certamente estará lembrado…- o senhor Jürgen Kröger, representante da União Europeia em Lisboa, disse que os portugueses são boas pessoas. Não o podemos defraudar e devemos mostrar-lhe que estamos gratos pelas suas palavras, sendo bons palhaços e trapezistas.Espero ter respondido claramente à sua questão.
Ó senhor, acorde! Então pede-me uma entrevista e vem para aqui dormir?!

Próxima entrevista: Álvaro Santos Pereira

Pedro Passos Coelho demite-se!

Jornalista- O governo já veio dizer que não tenciona baixar os salários do sector privado...
Pedro Passos Coelho- Não foi o governo! Fui eu!
(A cena não é ficção. Passou-se no sábado em Vila Real. A jornalista, ainda jovem, perdeu uma boa oportunidade de brilhar, mas já não há jornalistas como antigamente...)

O Porteiro


Miguel Relvas já tinha reconhecido e tribunal, a propósito do caso Portucale, ser bom na arte de agilizar processos que resultaram em casos mediáticos na justiça.
Ficámos agora a saber que o ministro da propaganda também é um excelente porteiro

Grandes Bandas (41)

Não era propriamente uma grande banda, mas foi a que me apareceu hoje no baú