segunda-feira, 17 de outubro de 2011

História breve de um suicídio colectivo


A primeira coisa que saltou à vista na conferência de imprensa de Vítor Gaspar, é que o Orçamento para 2012 é profundamente ideológico: espreme os rendimentos do trabalho e cria algum desafogo no sistema financeiro. Nada que não se esperasse.
No entanto, fiquei preocupado com o silêncio do ministro das finanças, em relação a algumas perguntas que se escusou a responder, argumentando que não respondia baseado em cenários.
- O governo, em três meses, já actualizou em alta a recessão para 2012 por três vezes. Será mais do que realista que em breve um novo cenário seja apresentado. Recusou , no entanto, responder sobre as medidas que tomará se a recessão atingir ou ultrapassar os 3%. Os trabalhadores do sector privado que se cuidem, porque lá para meados do ano, ser-lhes-á aplicada uma taxa adicional de IRS…
- Quanto aos funcionários públicos, confirma-se o que eu ontem previra. O corte nos subsídios de Natal e de férias irá para além de 2013. O que me surpreendeu foi o cinismo de Vítor Gaspar, ao dizer que o corte será temporário ( porque se não fosse seria ilegal…) mas prolongado!
- O desemprego aumentará em 2012, atingindo os 13,5%
- Para além de mais meia hora de trabalho diário, o ministro não apresentou qualquer outra medida de incentivo ao crescimento da economia.
- Quanto a cortes de despesa de funcionamento? ZERO mas, tanto quanto percebi, para o off shore da Madeira estão disponíveis 1,2 milhões de euros.
- E já agora, quanto a medidas para a Madeira, o ministro fechou-se em copas, adiando ( talvez para as calendas gregas) o seu anúncio.
- O aumento da carga fiscal será feito através de impostos directos sobre produtos e serviços, mas também por via indirecta, como a redução das deduções no IRS com despesas de saúde e educação. Já as deduções sobre as prestações com a amortização irão sendo reduzidas gradualmente, até serem totalmente eliminadas em 2016.
- Crescimento económico para 2013? Talvez uma coisa próxima de 1% se as coisas correrem bem, mas não me comprometam e falem com o ministro Álvaro.
E pronto… com aquele ar sonso que o caracteriza, o ministro explicou, durante 90 minutos, como ia fazer o país regressar ao nível de vida de 1975 .
Há muitos portugueses insatisfeitos porque as medidas ainda não são suficientemente brutais. Para as coisas ficarem como deve ser, devíamos regressar a 1967.



Enquanto uns combatem a pobreza, outros promovem-na!

Neste Dia Internacional de Luta Contra a Pobreza, ficámos a saber que 79 milhões de europeus vivem abaixo do limiar de pobreza, 30 milhões sofrem de subnutrição e 43 milhões não têm dinheiro para pagar uma refeição diária.


Estes números obrigam-nos a meditar sobre a Europa que construímos. Mas também vale a pena recordar aqueles que mais lutam contra a pobreza, segundo dados da ONU


Curioso é que neste momento, no país mais ocidental da Europa, dita civilizada, o ministro das finanças está a comunicar ao país, as medidas tomadas pelo governo para aumentar a pobreza em Portugal.
Estrelinha que o guie, está bem?

Rasgar a Constituição é legítimo?

Pedro Passos Coelho cumpriu a promessa de não alterar a Constituição. Não tendo uma maioria de dois terços, limitou-se a rasgá-la. Com o alto patrocínio de Cavaco Silva- que jurou cumpri-la - e do Tribunal Constitucional, que justificará o atentado com a opção do legislador democraticamente legitimado

Já não há tarólogas como antigamente

Acabo de ler um artigo sobre desastres ecológicos que me provoca apreensão. Pouso a revista sobre a mesa, bebo um pouco mais do sumo de maracujá, único companheiro da manhã na esplanada vazia.


Levanto o olhar e, no televisor, vejo a Maya. Vislumbro-lhe os apliques de silicone, emergindo do generoso decote.O som está baixo, mas percebo que está a fazer previsões. Apuro a audição. Está a falar dos nativos de Peixes. Segura numa das mãos uma carta e olha fixamente para a câmara:


“ Portanto, nativos de Peixes, não esqueçam. É preciso fazer poupanças. É muito importante seguirem este aviso….”


Ora bolas! Já nem as tarólogas nos animam com promessas de prémios de lotaria, totoloto ou euromilhões. Prefiro as previsões do Álvaro. Volto a mergulhar na leitura.

Os manipuladores

Eu já tinha avisado que colocar o INE sob a alçada de Relvas era um golpe de mestre.
Reunindo uma equipa de manipuladores ressabiados ( Correia, Gonçalves e Figueira), a manipulação da informação sobre os dados será tão fluente como a manipulação do Correia nos posts que escreve, na tentativa de mostrar ao mundo que as medidas punitivas deste governo são exclusivamente culpa de Sócrates.

Para começar, manipularam os dados do INE, como se demonstra aqui e, dentro de pouco tempo, ficaremos a saber que o desemprego em Portugal, contrariando todas as expectativas, diminuiu. Não acreditam? Vocês não imaginam as capacidades manipuladoras do sonso Pedro (Goebbels) Correia ...

E o homem de Boliqueime?

Quando lhe mexeram no Estatuto dos Açores , o homem até interrompeu as férias para falar ao país e inventar uma história de escutas.

Agora, que os portugueses vão definhar à fome, cala-se e fica à espera de quê?

Que o Jardim lhe venha beijar os pés, agradecido por a Madeira ter sido poupada, ou que a Maria lhe faça as "punhetas de bacalhau"?

To whom it may concern

Esta noite, em vez de Bandas, deixo uma dedicatória para uns tipos muito especiais