terça-feira, 11 de outubro de 2011

Mas as crianças, Senhor....

Esta criança é porta -voz, do que a esquerda nunca percebeu!

CR sub 30: a vida depois do microchip

Como é que os nossos avós puderam viver sem um chip? Perguntarão os jovens sub-30 nascidos depois dessa invenção que, em 1971, revolucionou completamente o mundo, a forma de comunicar e de viver.


Alinhados numa pequena placa de plástico, estas pequenas peças de sílica conseguem armazenar, processar e organizar dados, conectando-se entre si. A partir de então os computadores passaram a caber em cima de uma mesa ou dentro de uma consola e assim surge o primeiro jogo electrónico. Em 1972, o "Pong" - simula uma partida de ténis entre dois jogadores- anuncia que a época dos velhos flippers estava achegar ao fim. A partir dessa data foi também possível instalar o jogo em casa e ligá-lo ao ecrã de televisão.


Não consta que as audiências televisivas tenham sentido muito os efeitos da chegada do "Pong", mas a era dos jogos electrónicos tinha começado. O microchip revolucionou também, por completo, a vida do ser humano.


As aparelhagens electrónicas diminuiram em tamanho e em preço e o microchip hoje em dia está presente em todo o lado. Nos electrodomésticos, (da simples torradeira ao sofisticado micro ondas e passando pelas máquinas de lavar roupa ou loiça) na televisão, nos telecomandos, nas calculadoras, nas agendas electrónicas, nos relógios, nos jogos de vídeo, nos CD, nas câmaras de filmar, nos automóveis, enfim, em quase tudo quanto mexe, o chip é rei e senhor, comanda o mundo e orienta as nossas vidas com efeitos especiais.


Abrimos as portas do carro sem ter que meter a chave na porta, não trazemos dinheiro na algibeira, porque nos basta um chip no cartão de crédito, distorcemos a realidade que a fotografia nos mostra recorrendo ao computador e nem precisamos de saber desenhar, se formos especialistas na arte de manejar um chip que interpreta as nossas ideias. E agora, nem sequer precisamos de usar o nosso nariz para ver se o fiambre que temos no frigorífico está estragado. Imune a constipações, um chip faz o trabalho por nós.
No entanto ( quem haveria de dizer...) havia vida antes do microchip. Mas isso fica para outro dia...




Bater numa mulher não é crime, mas bater num homem, nem com uma flor



Já sabíamos que bater numa mulher na medida certa não é crime.

Já sabíamos que agredir uma mulher com uma cadeira não pode ser considerado violência doméstica.

Já sabíamos que um tipo que roube milhões consegue fintar a justiça até o crime prescrever e, mesmo que seja condenado, não cumpre a pena.

Ficámos agora a saber que um tipo que é provocado, insultado,cuspido e reage enfiando uns sopapos no provocador merece três anos de prisão efectiva.

A justiça portuguesa é mais perigosa do que a roleta russa...



Caderneta de cromos (31)



Senhor ministro da economia, do emprego, das obras públicas ( desculpe se esqueci alguma coisa) acredite que é com muita mágoa que o incluo nesta caderneta.

Até gosto do seu ar bonacheirão, da sua expressão de miúdo que foi apanhado com a mão no pote da geleia, quando comete uma "gaffe", mas a sua prestação tem sido marcada por tanta incoerência, inabilidade e inexperiência, que seria uma injustiça não lhe atribuir um lugar nesta prestigiada publicação.

Eu sei que as suas culpas têm de ser repartidas com quem se lembrou de o ir buscar a Vancouver, para exercer um cargo que exige conhecimento profundo da realidade do país, para o qual Vocelência não estava habilitado. Deslumbrou-se com o convite, as saudades da terra falaram mais alto do que a ponderação e aceitou sem pestanejar não é verdade? Esqueceu-se que andou dois anos a escrever posts na blogosfera contra o TGV e que a sua primeira intervenção pública foi para comunicar ao país que afinal esse grande descalabro das finanças públicas, afinal ia mesmo avançar? Não, senhor ministro, não foi azar... foi VOLÚPIA!

Lamento informá-lo, mas o senhor é o elo mais fraco. Boa viagem de regresso à belíssima cidade de Vancouver e a esse magnífico país que é o Canadá, onde já fui muito feliz. Voltarei a lê-lo na blogosfera de onde, diga-se em abono da verdade, nunca deveria ter saído. Mas pelo menos esta experiência ter-lhe-á permitido confirmar que a realidade virtual não se coaduna com a exigência de um cargo ministerial de tanta importância.

Se isso lhe servir de consolação, lembro que lhe caiu em sorte o nº 31 nesta galeria de famosos. O mesmo nº com que jogava Liedson no Sporting. A diferença é que o Liedson resolve e,meu caro ministro Álvaro, o senhor só complica.

Saudações cordiais.

Mais notícias da primavera árabe

No Egito, a primavera é sangrenta

Os madeirenses, tão engraçados...

Brincam ao fascismo mui descuidados.
Pois, pois, venham dizer-me que os madeirenses são uns gajos porreiros e a culpa é do Jardim..

Grandes Bandas (8)

Lamento, mas não sou grande fã das Pedras Rolantes . No entanto o destino reserva-nos surpresas insondáveis. Foi graças a um memorável concerto desta banda em Buenos Aires que me calhou em sorte cobrir - estava no lugar certo no momento certo- que vivi um tórrido romance sul-americano no longínquo ano de 1995. Daí que nunca mais tenha esquecido esta senha musical, roteiro de noites cálidas de um mês de Fevereiro que definitivamente ficou nas minhas memórias, prolongando-se em cenários só possíveis de viver no maravilhoso hemisfério sul.