domingo, 9 de outubro de 2011

Balanço (provisório) do Carnaval madeirense

PSD- Venceu, mas não convenceu. Numas eleições livres teria certamente perdido a maioria absoluta mas, mesmo assim, teve o o seu pior resultado de sempre (48,9%) perdendo um quarto da sua última votação. Não acredito que AJJ cumpra o mandato até ao fim...mas seria injusto que depois e conduzir a Madeira ao descalabro, não fosse ele a ter de pagar a factura e retirar-se da cena política humilhado.

CDS- Triplicou a votação e o número de deputados e passou a ser a segunda força política do arquipélago.

PS- Com um candidato pouco carismático e a lamber as feridas da derrota no Continente, perdeu um terço dos eleitores e passou a ser a terceira força política, obtendo a pior votação de sempre . Tudo indica que terá perdido muitos votos para o PT e até para o CDS.

PT- O novo partido de José Manuel Coelho - que concorreu pela primeira vez às eleições regionais- elegeu 3 deputados, sendo um dos grandes vencedores da noite. Não será, provavelmente, uma votação consistente, mas assegura pelo menos episódios divertidos na Assembleia Regional.

PCP- Também perdeu eleitorado, mas conseguiu ainda assim, eleger um deputado.(Tinha dois)

BE- Desapareceu do mapa político madeirense e, pior ainda, foi a força política que recolheu menor número de votos. Como acontecerá muito provavelmente a breve prazo, se não arrepiar caminho, a nível nacional.

Conclusão: apesar da vitória do PSD, creio que começa amanhã uma nova vida para os madeirenses. Talvez a democracia tenha chegado finalmente ao arquipélago. Não a democracia muito apreciada pela tonta da D. Manuela, ou pelo PR que se sentia bem no Estado Novo. Refiro-me à democracia onde, pelo menos, as eleições deixem de ser uma farsa e os eleitores não sejam conduzidos às urnas por empresas públicas.

Preocupante não é que Jardim tenha ganho outra vez...

Como se esperava, o aldrabão madeirense voltou a ganhar as eleições. Sem a maioria absoluta dos votos, mas com maioria absoluta de deputados no parlamento regional. Pouco interessa se houve fraude, se as irregularidades foram mais que muitas, se a democracia foi mais uma vez ultrajada, nomeadamente pelo PR que, face à gravidade da dívida tinha obrigação de adiar o acto eleitoral, até que fossem divulgadas as medidas tomadas pelo governo em relação ao arquipélago.
O importante - e preocupante- é que Cavaco tenha sido conivente num acto eleitoral fraudulento e esteja a festejar na marquise do Possolo, travestido de PR, na companhia da D. Manuela. Isso é que me preocupa.

Notícias da Primavera árabe

Em Abril, quando alguns totós rejubilavam com a Primavera Árabe e a vitória da democracia manifestei a minha desconfiança em tiros no escuro
Ontem, num excelente artigo do DN confirmei que são os próprios árabes a desconfiar

Os fantasmas também votam...

Quantos eleitores mortos já terão votado até esta hora na Madeira?

Bate, bate, coração (28)


Leituras que valem a pena

Uma excelente explicação dos cortes na gordura
e ainda
ou