terça-feira, 27 de setembro de 2011

A Festa da Vida



Começa amanhã, no Centro de Congressos do Estoril e na FIARTIL, a Greenfest- uma festa a que não devem faltar. Uma boa oportunidade para aprendermos a ser consumidores mais responsáveis e nos convencermos, de uma vez por todas, que se mudarmos os nossos comportamentos e hábitos poderemos construir um futuro melhor para os nossos filhos.

Até 2 de Outubro, pode participar em conferências, conhecer novos produtos verdes, abastecer-se num mercado biológico, conduzir um carro eléctrico, passear de bicicleta, participar em passatempos e até ganhar alguns prémios. Vá, leve a família e divirta-se. Eu lá estarei a partir de amanhã.

CR sub 30- A viagem começa aqui...




Lisboa, 10 horas da manhã de um dia qualquer.

Na estação de Metro do Campo Grande, dois jovens maduros em aparente despedida daquele período épico da vida em que os aniversários ainda se celebram com um 2 à esquerda, entram numa carruagem parcialmente vazia. Sentam-se lado a lado.Um deles põe as pernas em cima do banco da frente.

Conversam num tom de voz perfeitamente audível pelos restantes passageiros, manifestamente exagerado para quem está sentado lado a lado. Não têm problemas auditivos. A explicação para que a conversa se desenrole numa escala de decibéis manifestamente desajustada está, porém, nos ouvidos, já que ambos exibem apêndices auriculares , que lhes permitem escutar a música dos seus i-pods ou MP 3.


Trata-se, afinal, de aproveitar ao máximo as potencialidades do corpo. Se a Natureza os presenteou com dois ouvidos, não foi certamente para que pudessem conversar em estereofonia. Então, há que desfrutar as dádivas da sociedade da hiperescolha e,enquanto ouvem música por um ouvido, conversam pelo outro, porque não há razão para se privarem do prazer da música, enquanto falam.


Provavelmente, nenhum deles sabe a música que o outro está a ouvir. Podem ser de géneros tão diferentes quanto as opiniões de cada um sobre um lance polémico de um jogo de futebol da véspera, ou tão semelhantes como a sua postura descontraída numa carruagem de Metro, que ocuparam com o mesmo à vontade de quem vê um filme em casa, enquanto come umas pipocas e bebe uma coca –cola ou uma cerveja.


Haverá quem veja neste cenário má educação. E quem o explique como uma postura própria de jovens dos tempos modernos que tiveram a felicidade de nascer numa época de liberdade. Uma discussão inócua, mas considerada útil por dois cidadãos seniores, em vésperas de reforma, que àquela hora viajam na mesma carruagem, observando a cena de soslaio.


Entre os seniores, a conversa desenrola-se num tom de voz mais recatado, quase imperceptível, mas quando chegarem ao final da viagem , no Marquês de Pombal, manterão as discordâncias quanto à interpretação da cena. Do mesmo modo, os jovens que sairão no Saldanha não terão chegado a acordo quanto ao lance de grande penalidade não assinalada pelo árbitro no jogo de futebol a que ambos assistiram na véspera, do qual viram dezenas de repetições. Insuficientes, porém, para se porem de acordo, talvez porque o amor clubístico se sobreponha à razão.

Este intróito pode parecer descabido, mas se o leitor tiver paciência para ler os próximos capítulos, talvez acabe por concordar que, afinal, isto está tudo ligado.

A viagem continua amanhã, sensivelmente à mesma hora...

Sugestão de leitura complementar: Das demoiselles d'Avignon ao Ford T

Figura da semana

Carvalho da Silva

Sempre tive grande admiração por Carvalho da Silva. Além de uma imagem de cordialidade, tem um discurso pedagógico, inteligente e certeiro. Põe o dedo na ferida e aponta sem dramatismos, mas com vigor, os atropelos que os sucessivos governos têm praticado, cedendo aos interesses do capital e subtraindo a quem trabalha os direitos que a legislação laboral e a Constituição lhes conferem.
Nas última semanas, Carvalho da Silva não precisou de muito para recuperar a simpatia junto de muitos comunistas. Apesar de algumas tiradas certeiras, as sua palavras não tiveram muito eco na comunicação social.
Pelo contrário, a conversa amigável entre Mário Nogueira e Passos Coelho e o recuo do sindicalista “corajoso” que enfrentou duas ministras, mas se acocorou quando lhe apareceu um homem pela frente, devem estar a irritar muita gente na Soeiro Pereira Gomes.
Como bem salientava Filomena Martins este fim de semana no DN, o líder da FENPROF terá perdido nos últimos meses o capital de confiança que granjeara e o apontava como eventual sucessor de Carvalho da Silva à frente da CGTP.
Vamos a ver se isso não é um sinal de mudança de rumo e lá mais para diante não seremos surpreendidos com uma conversão…
Carvalho da Silva, todos o sabemos, é uma pessoa culta e de grande integridade no plano pessoal e cívico. A pessoa certa à frente da CGTP, mas que muitos não desdenhariam ver como sucessor de Jerónimo de Sousa.

Na cama com o governo ( salvo seja...)

Todos os dias ouço Vítor Gaspar e Passos Coelho, à vez ou em uníssono, fazerem declarações que me deixam deprimido e me fazem temer pelo futuro.
Há pouco, enquanto ouvia o ministro Álvaro no "Prós e Contras", fiquei preocupado com o seu optimismo. Prometeu-nos um futuro tão risonho, que cheguei a pensar estar a sonhar. Belisquei-me. Afinal estava acordado. Foi então que a dúvida se instalou...
Será que o ministro da Economia, Emprego "e não sei que mais" já percebeu que está em Portugal e faz parte do mesmo governo que diariamente nos pede novos sacrifícios, ou pensa que ainda está no Canadá?
Eu sei que é preocupante constatar que temos um governo bipolar e ouvir da boca do ministro que, em vez de um, vamos ter dois TGV, mas com nome de comboios de alta velocidade. Um partirá de Sines e outro de Aveiro! Mas logo o ministro Álvaro garantiu que, além disso, a economia vai crescer como já não crescia desde 2000 e que dentro de pouco tempo irá anunciar uma série de medidas para dinamizar a economia, tornando-nos tão competitivos que abriremos todos as bocas de espanto. Pela primeira vez, nos últimos meses, fui deitar-me com um sorriso, revigorado graças a esta injecção de esperança.
Estava quase a adormecer quando Morfeu me veio inquietar de novo. Perguntou-me se eu era capaz de imaginar uma reunião do Conselho de Ministros de um governo com posições tão díspares. Fiz um esforço. Imaginei, mas fiquei com insónias quando pensei nos resultados e vim escrever este post.
De qualquer maneira, gostei de ouvir o ministro Álvaro. Talvez ele tenha estado a falar do Canadá, mas o importante é que me fez acreditar que falava de Portugal. Obrigado, pois, senhor ministro! Tenha uma noite descansada...

Parabéns, Mr Google

Como o tempo passa! Parece que nasceu ontem e hoje já faz 13 anos. É verdade que já me tem provocado algumas arrelias e cheguei mesmo a pensar em trocá-lo por um Sapo, mas depois pensei que foi graças a ele que criei este blog e conheci gente muito fixe que teve a cortesia de aportar a este Rochedo e por aqui ficar em amena cavaqueira.
Por isso, mas também por outras coisas, muitos parabéns Mr Google, mas veja lá se deixa de pregar essas partidas típicas de adolescente, que me deixam à beira de um ataque de nervos. Treze anos? Já tem idade para se comportar como adulto, não lhe parece?

Sucessos de Verão (61)


Michel Sardou protagonizou vários sucessos medíocres. Este foi um sucesso de Verão, mas não era propriamente uma canção para ser dançada. Mas é belíssima, não acham? E o videoclip também se recomenda...