terça-feira, 6 de setembro de 2011

Um Diário que se recomenda

" (...)A reportagem publicada no último número da Visão sobre os amigos brasileiros do ministro Relvas vem demonstrar que o que escrevi nas páginas deste Diário irregular, e que tanta celeuma causou, foi brando. As declarações proferidas no processo dos sobreiros sobre a “agilização” de processos ou as entrevistas que antes aquele deu não me deixaram dúvidas. “Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és”, diz o povo. Confirma-se que com toda a probabilidade estaremos perante um novo Dias Loureiro (...)".
Excerto de um post de Sérgio Almeida Correia que reactivou o seu Bacteriófago, depois de abandonar o Delito de Opinião. A não perder!

Quanto custa um hamburguer?






A proposta tem sido muito criticada, mas a mim parece-me boa...

A comida "chatarra", como lhe chamam os hispânicos, não é só prejudicial à saúde, aumentando os riscos de obesidade doentia, como também é responsável pela degradação de recursos naturais.

A população de bois, vacas, vitelos e carneiros, ocupava, há uma década, 24% das terras cultiváveis, exercendo uma forte pressão sobre os recursos naturais. Florestas tropicais da América Central foram transformadas em pastos para animais que são, maioritariamente, consumidos pelos países do hemisfério Norte.

Para além da desflorestação, há ainda que contar com a erosão e desertificação resultantes das culturas intensivas de pastagens e cereais. E se tivermos em consideração que, para produzir 1 quilo de carne de vaca são precisos 20 quilos de cereais, cerca de 20 mil litros de água e a energia equivalente a cinco litros de petróleo, ficamos a perceber melhor que os hamburguers são um excelente negócio para quem os vende, mas péssimo para a Natureza.

Poderia falar ainda sobre o sofrimento dos animais, os perigos para a saúde humana resultante da ingestão de antibióticos com que muitos animais são engordados, etc...mas não quero ser acusado de fundamentalista.

Assim, lembro apenas que, de acordo com dados divulgados há tempos pela Consumers International, se cada americano reduzisse em 10 por cento o consumo de carne, seriam economizados cereais suficientes para alimentar anualmente 60 milhões de pessoas que sofrem com a fome...

E a verdade é que as consequências para a saúde do consumo excessivo de "fast food" - símbolo da cultura moderna que não inclui apenas os hamburguers- tem sido alvo de avisos de organizações credíveis como a OMS.

Pessoalmente, já há muito - ou desde sempre- sou adepto da "slow food". Nos próximos dias, em terras nortenhas, espero praticar o conceito. Apesar de já não ser um bom garfo...

A Gaiola das Malucas

Esta notícia, lida no Da Literatura, vem confirmar que isto não é um país... é "A Gaiola das Malucas"

Elementar, meu caro Watson!

Na Universidade de Verão do PSD, Jorge Moreira da Silva- um dos vice-presidentes laranja- propôs que a carga fiscal sobre os trabalhadores fosse aliviada, taxando as emissões de carbono das empresas.
A criação da Taxa de Carbono tem ganho força no seio da ONU- de que Moreira da Silva é director na área da Economia e das Alterações Climáticas- mas a maioria dos governos mantém-se renitente à sua aplicação.
De acordo com as informações fornecidas pelo próprio, a Taxa do Carbono seria suficiente para não esbulhar os portugueses de metade do subsídio de Natal. Perante este dado pergunta “o Público”:
Afinal, porque não está Moreira da Silva neste elenco governamental?”
A resposta é muito simples e dá-se em duas penadas:
1)Este governo sofre do complexo dos irmãos Metralha. Eles podiam ganhar a vida honestamente, trabalhando, mas para quê se podem obter dinheiro de forma mais célere e menos trabalhosa, fazendo assaltos?
Ora, seguindo idêntico raciocínio, por que carga de água iria o governo perder tempo e comprar uma guerra com as empresas poluidoras ( é bom não esquecer que uma das empresas administradas por PPC antes de ser presidente do PSD foi punida com diversas multas por prática de infracções ambientais…) se tinha ali à mão de semear o expediente do corte de subsídio de Natal de quem trabalha, sem ter de se chatear, nem ouvir protestos? Como o totoloto, sacar dinheiro a quem trabalha é fácil, é barato e dá milhões!

(Eu sei que há uma grande diferença... os irmãos Metralha assaltavam bancos e este governo assalta cidadãos indefesos, mas isso agora é irrelevante...)
2) Por outro lado, a proposta de Moreira da Silva só iria trazer problemas ao governo. É muito mais eficaz colocar na Rua do Século uma ministra que tome medidas folclóricas. Convenhamos que a aversão da ministra Cristas ao símbolo fálico das gravatas (provocam-lhe suores frios) foi uma tirada propagandística de grande mestria. É ineficaz, mas muito mais popularucha e fácil de tomar, do que medidas que, além de serem benéficas para o ambiente, ainda teriam a vantagem de aliviar as já tão depauperadas finanças dos trabalhadores portugueses.

É verdade que há muitos anos (desde Elisa Ferreira), nunca mais tivemos nenhum ministro do Ambiente com visibilidade e peso político but... who cares?

Muito obrigado! Tchim-tchim




A todos os leitores que ontem me deixaram mensagens de incentivo no CR. Espero que o bolo não vos tenha feito mal.

A Maloud teve de enviar o champagne pelo correio, porque está com um problema no blogger, mas chegou a tempo e em boas condições. Os brigadeiros enviados pela Turmalina chegaram em bom estado e estavam deliciosos. A música não terá sido da melhor, mas o convívio convosco foi, como sempre, muito agradável.

Estou de partida para o Norte, mas espero ainda ter tempo de passar pelas casas onde ontem não pude ir, para um agradecimento pessoal. Entretanto, o CR não pára e os posts pré-agendados seguirão, embora a um ritmo mais lento do que o habitual, a partir de amanhã.

Sucessos de Verão (43)

A maioria dos presentes no aniversário do CR já se foi embora, mas ainda ficaram alguns para dançar uma última canção. Este foi talvez o maior sucesso de Dalida, não concordam? E como ela era bonita!