terça-feira, 30 de agosto de 2011

Late night wander (98)

O Albergue Espanhol encerrou as portas , mas promete voltar com um projecto ainda mais ambicioso. Atendendo a que a maioria dos bloggers do Albergue encontrou refúgio em gabinetes ministeriais, ou noutros cargos políticos, presumo que o novo projecto se vá chamar " A Toca do Coelho".


Entretanto, Pedro Correia começa a justificar a nomeação como especialista, tecendo loas ao governo, na sua qualidade de blogger. Basta um upgrade na conta bancária para desmascarar um sonso. No meu tempo chamavam-lhes lambe-botas. O Miguel Esteve Cardoso chamou-lhes lambe-cús.

Portalegre. Ou será triste?

Fotografia de Majoca, seleccionada para o Google Earth




Tarde de sábado. No Alentejo, sente-se o calor que tem andado arredio do litoral. Estamos perto de Portalegre e, ao final da tarde, empreendemos uma visita à cidade. Estaciono no Rossio e começamos a subir até ao castelo, onde a câmara fez um grande investimento.
Vamos fazendo a escalada ( pouco íngreme) , trocando dois dedos de conversa aqui e ali. À falta de indicações, pergunto a um ancião, em gozo dos favores de uma sombra, se vamos no bom caminho. Afirmativo. Temos sede. Aproveito para perguntar se há alguma esplanada no castelo.
" Não me parece! Já houve lá várias, mas faliram todas. Quem é que vai almoçar ao castelo aqui em Portalegre?"
- "Então e os turistas?"
Sorri...



"Se estivéssemos à espera dos turistas morríamos de fome...isto aqui não há nada p'ra ver"
Dou-lhe razão. A cidade evoluiu muito pouco desde o tempo em que lá vivi, durante três meses, nos anos 70. Parece que o tempo por ali parou. Continuamos a subir. Cruzamo-nos com uma família espanhola e, num cotovelo da rua, com duas jovens escandinavas em sentido descendente.



Avistamos uma estrutura em madeira e vidro, que me parece de extraordinário mau gosto. Estamos no castelo. Como algumas mulheres meticulosamente maquilhadas, ao longe o castelo parecia mais bonito... a maquilhagem modernaça, principalmente quando vista de perto, desfeia-o e rouba-lhe fulgor. A visita, no entanto, valerá a pena porque de lá se podem desfrutar belas vistas.



Chegamos à porta do castelo. São 18h15m. Está fechado! Horário de funcionamento da parte da tarde? Das 14 às 18!



(Ó senhor presidente da Câmara! Acha que alguém vai visitar o castelo nessas horas num dia de Verão? Talvez aquela estrutura de madeira e vidro - que me faz lembrar a marquise da rua do Possolo- tenha ar condicionado, mas visitar um castelo, como se estivesse a viajar dentro de um casulo, não me parece boa ideia...)


Um casal de turistas, cuja nacionalidade não conseguimos identificar, mostra o seu desalento. Perscruta um mapa, quiçá pensando numa alternativa a onde ir.


Descemos outra vez até ao Rossio. Alguns velhos conversam à sombra de um plátano secular,em diálogos compassados. Sentamo-nos numa esplanada a tomar uma bebida.


Chegam três carros topo de gama: Mercedes, Audi e TT. Por esta ordem. De lá de dentro saem pessoas cuja indumentária sublinha, a cintilantes traços de ouro, a sua classe social. Dirigem-se para a Igreja. Provavelmente, para assitir à Missa. São todos de meia idade, deveriam ter pouco mais de 20 anos quando os cravos floriram numa longínqua manhã de Abril.


Acabamos a bebida. Regressamos a casa cantarolando canções de Abril, já o sol se começa a esconder no horizonte. Que nem para todos se abriu, apesar de Abril...

Big Brothers are f.... you

Em 2009, o governo inglês teve uma ideia peregrina: a criação de uma ‘entidade reguladora’ para monitorizar os cestos de almoço que as crianças levam para a escola, vigiando a correcta aplicação dos princípios de uma ‘dieta saudável’. No caso de haver uma falha, os pais receberiam uma admoestação em casa e o almoço podia mesmo ser confiscado. Depois poderia haver penalizações no acesso aos serviços de saúde. Chegou a ser equacionada a hipótese de impedir o acesso aos serviços de saúde, a pessoas cuja obesidade fosse provocada por práticas alimentares incorrectas.


Pedro Passos Coelho teve a mesma ideia, mas o ministro Relvas, a conselho de um especialista contratados para o seu gabinete, alertou-o:


- Eh pá, isso é capaz de não ser boa ideia, porque as criancinhas portuguesas já não têm nada para levar nos cestos do almoço. E que tal se puséssemos esta ideia em prática? Não te parece baril?


- Boa, mano! - respondeu Coelho em alvoroço. E depois até podemos vender os dados às seguradoras! És um crâneo, pá. Aumenta já o especialista que te deu a ideia e tens autorização para contratar mais dois iguais a esse!

Neste frio mês de Agosto...

...percebi, ainda melhor, a falta que fazem os partidos políticos.

Post roubado

- Afinal o Crespo sempre foi para Washington.
- Como é que sabes?
- Houve lá um terramoto…
( Roubei aqui)

Sucessos de Verão (37)




Quando acabava o mês de Agosto, esta canção era muito requisitada nos bailes de garagem da rentrée. Quantos não dançavam agarrados ao parceiro(a) a pensar no amor de férias que ficara enterrado na areia?