quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Pim, pam, pum!

(cada bala mata um)
Falava ao fim da tarde com um amigo, a quem expressava o meu receio pela possível balcanização da Líbia.
"Isso irá colocar problemas aos países que já prometeram o seu apoio aos rebeldes, sem saberem que grupo apoiar" - dizia-me ele.
Não creio que isso seja problema. Apoiarão aquele que ficar com o petróleo. O grande problema é saber quanto tempo vai demorar ( e quantas mortes irá custar) até que um dos 114 grupos que integram os rebeldes, consiga impôr-se aos restantes ficando com o melhor quinhão.


Adenda: Já lembrei aqui, diversas vezes, as honrarias com que o Ocidente cumulou Kadhafi e alertei para a euforia da sua queda. Mas, por favor, não percam o que escreve, Neste post, o embaixador Seixas da Costa

Com Borges em Buenos Aires






Hoje, quando pela hora do almoço comecei a googlar, deparei com a imagem acima. Não a tendo identificado, cliquei sobre ela e fiquei surpreendido. É uma homenagem do Google a Jorge Luis Borges, nascido a 24 de Agosto de 1899 em Buenos Aires.




Fui ao meu baú e desencantei este post que reproduzo parcialmente,em homenagem ao grande escritor argentino que, segundo consta, teria uma costela portuguesa, pois um dos seus bisavós era natural de Torre de Moncorvo, tendo emigrado para a ASrgentina no século XVIII




" ...Continuei a caminhar e, claro, acabei em Palermo, um dos tradicionais “barrios” bonaerenses onde Jorge Luis Borges passou uma boa parte da sua infância , mas que só conheceu verdadeiramente quando para lá voltou em 1921, depois de regressar da Europa.
No "viejo Palermo", redescubro em cada pedra um pedaço da história da época, escuto através das típicas ventanas de uma "cantina"ecos de um tango de Gardel e imagino Borges a verter para o papel, como uma epopeia, uma cena de facadas ao ritmo de uma milonga.
Como escrevia Borges, “mais do que uma cidade Buenos Aires é um país e nela se deve encontrar a poesia, a música , a pintura, a religião, a metafísica, de acordo com a sua grandeza.”
E tão fácil é entabular relações com os porteños, ou ceder à tentação de acariciar a cidade com a mesma ternura da descoberta de um corpo de mulher, que o difícil é mesmo não dar razão a Borges. Porque quem não conseguir descobrir essa multiplicidade de facetas que envolve Buenos Aires num longo abraço, não conseguirá apreciar a cidade e dificilmente compreenderá a Argentina.



( Para ler o post integral, clicar aqui)



Adenda: uma das melhores formas de conhecer Buenos Aires é seguir o percurso de Borges, calcorreando as ruas que ligam as diversas casas onde viveu, ou os locais que frequentou.

Allô, allô!

Senhor primeiro- ministro. Não sei se ainda está de férias, por isso peço desculpa se o estou a incomodar, interrompendo-lhe a sesta...


Só o queria avisar que depois de Warren Buffet ter pedido aos políticos para não mimarem os ricos, os milionários franceses vieram dizer que estão dispostos a pagar um imposto extraordinário para ajudar a combater a crise. Não acredita? Então leia aqui, s.f.f.
Como reagiram os nossos ricos?




Em minha opinião depende de o senhor lhe dar o brinquedo nuclear, mas não estou bem certo que ele se contente com tão puco. Sabe como são os americanos... ( pois, eu sei que ele não é americano, mas isso agora também não interessa nada...)


Vá lá, senhor primeiro-minsitro, acorde e venha trabalhar, que os ricos estão à sua espera para o ajudar a salvar o país.
Está desconfiado? Olha que coincidência!Também eu...

Abutres

Na Europa não há dinheiro para combater a pobreza, ajudar os países em dificuldades, ou matar a fome. Mas há dinheiro para alimentar a guerra .
Apesar da crise, tudo como dantes...

Figura da semana


Faz hoje cem anos que Manuel Arriaga tomou posse do cargo de presidente da República, que exerceria até Maio de 1915. Eleito pelo Congresso, o primeiro presidente da República recebia 1 conto e quinhentos por mês, mais 500 escudos para despesas de representação. Estava-lhe vedado o direito de utilizar como residência qualquer propriedade do Estado.

Continuou a viver num quinto andar da Baixa e alugou uma casa apalaçada, paga do seu bolso, para receber as personalidades que o visitavam.

Manuel de Arriaga era açoriano e foi eleito deputado pelo círculo da Madeira. ( à época Jardim ainda não era presidente do governo regional…) Quando foi escolhido pelo Congresso para presidente da República, tinha um curriculum invejável que deixará qualquer um dos nossos actuais políticos corado de vergonha ( aqueles que ainda a têm, entenda-se…)

Morreu em 1917 , tendo os seus restos mortais sido trasladados para o Panteão Nacional em 2004.

Sucessos de Verão (31)



Estes manos mandavam-nos sonhar e nós gostávamos. Agora nem com sonhos vamos lá, mas isso agora não interessa nada. O importante é que naquele Verão muitos jovens fartaram-se de sonhar dançando agarradinhos ao som desta canção