segunda-feira, 11 de julho de 2011

Um dia de domingo

Domingo à tarde. Aproveito escala em terra para ir a um Cibercafé ler os vossos comentários. Quando entro o televisor está sintonizado na BBC e começo a ler as notícias de rodapé. Fico a saber que um português ganhou a etapa do Tour de France, a Moodys classificou Portugal como lixo e que a União Europeia não gostou.

Não quero estragar as férias, por isso nem me preocupo em ler a imprensa on line. Terei tempo suficiente para me chatear depois do regresso a Lisboa. Até lá fico a pensar se Passos Coelho irá culpar Sócrates por este corte no rating e aproveitará para justificar um corte nos salários da função pública. Ou privá-los do subsídio de Natal, o que seria bem feito, para ver se aprendem a votar com a cabeça.

Quanto ao sr. presidente, se ainda não tiver partido de férias para a Coelha e mandado interditar o espaço aéreo circundante, provavelmente já terá avisado, uma vez mais, que não podemos irritar o mercado.

Desculpem se me enganei… Até breve! No início da próxima semana voltarei ao convívio com os leitores que ainda não tiverem partido de férias.

As praias da minha vida

Praia dos Beijinhos (Leça da Palmeira)


A minha mãe diz que a primeira vez que pisei a areia foi em Espinho, mas não tenho memória desse momento.

Tanto quanto me lembro, foi na Praia dos Beijinhos que pela primeira vez senti a sensação de pisar a areia. A praia deve o nome ao facto de, ao longo do areal, ser possível encontrar, com imensa facilidade, aqueles búzios em forma de lábios a que chamávamos "beijinhos".

Lembro-me de ir para a praia com um sol esplendoroso e, ao fim de algum tempo ser obrigado a recolher à barraca, porque um nevoeiro se abatia inesperadamente sobre a praia, deixando toda a gente tolhida de frio.

E lembro-me, também, de apanhar beijinhos e os guardar em casa em caixas de fósforos até ao ano seguinte.