domingo, 3 de julho de 2011

Humor fim de semana

Cansado da agitação da vida urbana, Celso larga o emprego, compra um pedaço de terra no Amazonas e muda-se para lá.
Vê o carteiro uma vez por semana e vai à mercearia uma vez por mês. No mais, é paz e tranquilidade.
Seis meses depois, em Dezembro, alguém bate à porta.
Celso abre e vê um enorme homem negro barbudo de 1,90, mal encarado, com um facão na mão e um revólver na cinta que lhe diz:
- Meu nome é Chicão, seu vizinho, 7 léguas daqui. Festa de Natal lá em casa, sexta-feira. Começa às cinco.
Celso fica entusiasmado:
- Óptimo, amigo... depois de seis meses por aqui, na solidão, nada melhor que isso.Muito obrigado, vou sim.
Chicão começa a ir embora, pára e diz:
- Seguinte: vai rolar bebida.
- Sem problema. Eu topo.
Novamente Chicão começa a ir embora, mas pára e diz:
- Olha, também pode ter briga.
- Nenhum problema também... eu me dou bem nesses lugares e sei me virar.... Mais uma vez obrigado.
Chicão continua:

- Ah..... e também pode ter sexo meio selvagem...

Celso, cada vez mais empolgado, retruca:

- Também não é empecilho algum.... Eu estou aqui faz 6 meses, sozinho.... Mais um motivo para eu ir.- E, aproveitando, me diz uma coisa: qual é o traje?
Chicão:

- Você que sabe. A festa é só nós dois...

Bate, bate, coração (14)

Rita Coolidge

Talvez seja uma canção mais apropriada a uma tarde de Inverno, mas não resisti a deixá-la aqui num dia de Verão que, espero, esteja soalheiro.