terça-feira, 31 de maio de 2011

Porque será, Brites Maria?

Há coisas engraçadas. O Carlos, a propósito do DSK, lembrou-se ontem de ir ao fim do mundo buscar um escritor argentino ( ainda não sei se haverá alguma coisa que não lhe faça recordar a Argentina, mas isso é outra estória) que pelos vistos era um bocado amalucado. Pois eu, quando ouvi falar pela primeira vez do escândalo DSK, pensava que estavam a falar disto, e comecei logo a pensar que andava ali dedo dos alemães. Imaginem só, onde eu às vezes tenho a cabeça!







Os filmes da minha vida (22)




Encerro esta série com um filme facilmente identificável e, creio, apreciado por toda a gente que o viu.


Ao terminar, constato que foram muitos mais os filmes que me marcaram, do que imaginava. Enquanto fazia a selecção, lembrava-me de outros e mudei a lista várias vezes. Mesmo depois de concluída a lista, acabei por trocar alguns filmes. Este foi um deles. No fim de semana troquei o que aqui estava a encerrar a série por este.


Admito, por isso, continuar com esta série e a dos grandes realizadores ( em Junho ou depois de regressar de férias) mas apenas com uma periodicidade semanal.

Só se esqueceu de dizer...

... e fui eu que os ajudei a concretizar o sonho!

Pedro Passo Coelho deu entrevista exclusiva ao CR

Pedro Passos Coelho concedeu uma entrevista à Brites, que será publicada aqui na próxima quinta-feira. Para aguçar o apetite dos leitores, aqui deixamos um pequeno excerto


Brites: Mantém a sua promessa de constituir um governo com apenas 10 ministérios?


PPC-Ouça. Eu não estou agarrado ao poder e não faço promessas que não vá cumprir. O meu governo terá 10 ministérios e os meus ministros irão trabalhar de bicicleta ou de transportes públicos . Se for obrigado a coligar-me com o CDS eles que tenham os ministérios que quiserem, mas isso não é nada comigo.




- Os seus ministros irão trabalhar de transportes públicos?
-Claro! sendo conduzidos por motoristas em Audis A 8 , BMW ZX , Mercedes 250 SL, Land Rovers ( só para o ministério da agricultura) São tudo carros pagos com o dinheiro dos contribuintes. Quer transportes públicos melhores do que estes?





-E quanto aos feriados? Promete que os vai reduzir e colar os restantes ao fim de semana?
-Sem dúvida. Comprometo-me desde já que essa será a primeira medida do meu governo, se os portugueses me derem a sua confiança e me elegerem primeiro –ministro. Asseguro-lhe, sob a minha palavra de honra, que o próximo feriado de 10 de Junho será numa sexta-feira e o dia de Santo António, dia 13, numa segunda, para que os casamentos se realizem no domingo como é tradição do povo português.



Na próxima quinta feira, pela manhã, não perca a leitura da entrevista na íntegra.

Vai ser um despertar doloroso

Será razoável a saída de Portugal da zona Euro, como admite o PCP? Penso que não. A questão que se coloca é se algum dia deveríamos ter entrado.

Quando faço esta afirmação lembro-me imediatamente da Argentina. Já aqui falei, várias vezes, sobre a forma como Buenos Aires solucionou a crise. Conheci a Argentina no seu período de esplendor económico. Vivi de perto a amargura de muitas famílias que, durante o Corralito, passaram de uma vida confortável à miséria e conheço Argentina actual que cresce sete a nove por cento ao ano.

Ultrapassar a crise foi um processo de extrema violência para os argentinos e ainda hoje muitas famílias lambem as feridas provocadas pelo neoliberalismo de Menem.

Quando vejo imagens da crise grega, estou a ver ao espelho o nosso futuro muito próximo. Mas vejo também imagens da crise argentina. Sei que a cura será mais ou menos dolorosa, consoante a receita que for aplicada. A Argentina teve um Kirchner que uniu os argentinos. A Grécia tem um governo e uma oposição de candeias às avessas, incapazes de se porem de acordo.

Nós, quase de certeza, vamos ter Passos Coelho. Um ultra-liberal elitista e que aceita, sem um remoque, os tiques xenófobos de alguns dos seus correligionários. Os portugueses vão votar na mudança, porque têm esperança que um novo rosto a dirigir o país lhes devolva a esperança.

Não serão precisos mais do que seis meses para perceberem o erro. Será muito mais dolorosa a cura prescrita por um médico estagiário ultra-liberal, do que por um médico que, apesar de alguns laivos de liberalismo, tem experiência e crédito no Hospital de loucos em que se transformou a União Europeia. Quando perceberem a diferença será tarde. Mas talvez os portugueses precisem de passar por essa experiência dolorosa para se recomporem. Felizes dos que se puderem pirar daqui, a tempo de evitar a ressaca.

Grandes realizadores (22)

Agnès Varda

Escolher o último de uma lista é sempre a tarefa mais delicada, porque sabemos que muitos ficaram de fora e mereciam estar aqui. Assim, optei por escolher uma mulher. E que mulher! dirão alguns, com razão. Na verdade, quem realizou um filme como "Os Respigadores e a Respigadora" ( que me serviu de inspiração para este post) não poderia deixar de estar incluída numa lista de grandes realizadores. Em minha opinião, a melhor entre as mulheres.