quarta-feira, 4 de maio de 2011

Um mensageiro incompetente, ou um Coelho aldrabão?

Chegam-me notícias de que a ajuda financeira a Portugal vai implicar, no essencial, a aplicação das medidas previstas no PEC IV. Aliviadas, porque a redução do défice para os 3 por cento foi adiada para 2013. Eh pá, não acredito! Então os jornais não passaram a última semana a anunciar o holocausto? Cortes nos salários dos funcionários públicos, pagamento do 13º mês e do subsídio de férias em títulos de dívida, cortes nas pensões dos reformados, despedimentos à fartazana, anunciados como garantidos e era tudo mentira?No meu tempo os jornais não inventavam... Criar falsas notícias para vender jornais seria uma forma abjecta de fazer jornalismo. Por isso, não acredito que Sócrates tenha dito aos portugueses o que me garantiam que ele disse. O mensageiro omitiu-me a parte má, mas já lhe pedi que não me trouxesse essas notícias. Só quero conhecê-las quando regressar a Lisboa. Até lá, deixem-me acreditar que só há notícias boas e que o acordo com a troika não é pior do que o PEC IV.

Entretanto, asseguram-me que o PSD está muito satisfeito e considera que o sucesso das negociações foi vitória sua. Há aqui qualquer coisa que não bate certo…

Então PPC não dizia que chumbara o PEC, porque as medidas eram insuficientes? Como se compreende que rejubile com umas negociações que contrariam aquilo que defendia?Se as notícias que me chegam fossem verídicas, como é que o PSD iria explicar aos portugueses o chumbo do PEC?

Das duas uma: ou despeço o mensageiro ou, quando regressar a Lisboa, vou à São Caetano chamar aldrabão a Pedro Passos Coelho. Talvez o apanhe no meio de uma reunião com jornalistas disfarçados de bloggers e fique a perceber como é que aparecem tantas notícias falsas nos jornais, apresentadas como "garantidamente verdadeiras". Será que os jornalistas vão denunciar as fontes que lhe impingiram tanta mentira? Eu denunciava.

A importância de se chamar Fernando

A escolha de Fernando Nobre para encabeçar a lista de deputados do PSD por Lisboa, com o fito de ser presidente da AR e se colocar na linha de sucessão de Cavaco se ele tiver algum azar, fez-me recordar o episódio de Fernando Gomes, ex-presidente da câmara do Porto.

Muito estimado pelos portuenses, pelo trabalho desenvolvido ( tanto que até a minha mãe, habitual votante do CDS, se rendeu aos seus encantos e votou PS) Fernando Gomes não resistiu ao apelo de um lugarzinho de ministro em Lisboa e abandonou a câmara.

Quando Guterres bateu com a porta, Fernando Gomes voltou a candidatar-se à presidência da câmara. Os portuenses não lhe perdoaram a traição e, contra todas as expectativas e sondagens, Rui Rio ganhou folgadamente.O PS compensou Fernando Gomes com um lugar na Galp. Qual será o lugar que PPC terá reservado para Fernando Nobre se não o conseguir eleger presidente da AR?

Os filmes da minha vida (3)

Bem... este até eu, que sou um nabo neste tipo de passatempos, adivinhava...





Next!

Nos meandros das agências de rating as opiniões dividem-se: Who is the next? Alguns pensam que devia ser a Bélgica mas, atendendo a que Bruxelas é a capital da UE, não arriscam. Outros defendem que seja a Itália, mas Berlusconni não é para brincadeiras e, além do mais, o futuro presidente do BCE será muito provavelmente italiano e não dá jeito nenhum comprar uma briga. Assim, por exclusão de partes, a próxima vítima será a Espanha. Lá para final do ano ou, o mais tardar, em 2012.

Grandes realizadores (3)

Claude Chabrol

Surpreendidos com esta escolha? Para mim é um dos maiores nomes da "nouvelle vague". Cativou-me com "Les Cousins" e abriu-me as portas para a exploração de uma nova forma de ver cinema.