quinta-feira, 14 de abril de 2011

Eles comem tudo...



O animalzinho da imagem papa formigas, o Nobre papa jantares.

Cada um(a) impõe os seus argumentos


Uma vez que a campanha eleitoral se adivinha trauliteira, enfadonha e falha de ideias, talvez fosse boa ideia, há falta de outros argumentos, que algumas das candidatas, seguissem o exemplo desta deputada espanhola.
Aliás, disse-me uma joaninha, Pedro Passos Coelho, quando convidou Manuela Ferreira Leite, ter-lhe-á proposto a ideia e foi por não concordar que a ex-líder laranja recusou integrar as listas do PSD, vindo a ser substituída por Fernando Nobre.
De qualquer modo, não vai faltar animação à campanha laranja. O Quim Barreiros do PSD ( Mendes Bota) vai encabeçar a lista no Algarve. Não, não é a brincar, é mesmo verdade!

De Lampedusa ao futuro da Europa




Se a crise económica e financeira já tinha demonstrado que a União Europeia está longe do espírito dos seus fundadores, a invasão da Líbia( sim, o que se passa hoje na Líbia é uma invasão e não o cumprimento de uma Resolução da ONU, cujo âmbito já foi há muito ultrapassado) veio lançar sinais ainda mais preocupantes sobre o futuro europeu.

Confrontado com a chegada diária de milhares de emigrantes à ilha de Lampedusa, Berlusconni decidiu trazê-los para a Itália continental, na expectativa de que se disseminassem pela Europa. Como reagiu a França? Sarkozy mandou controlar as fronteiras com Itália, fazendo tábua rasa dos acordos de Schengen.

A senhora Merkel fez como Pilatos e a restante Europa, enquanto fingia criticar Sarkozy, respondeu a Berlusconni : desenrasca-te que nós não queremos cá mais emigrantes.

Este episódio é sintomático da ficção que é, hoje em dia, a União Europeia, mas é também um mau presságio para o futuro. Perante a pressão da chegada de milhares de emigrantes a Lampedusa, Berlusconni não vai ficar de braços cruzados, à espera que a Europa dê ouvidos aos seus protestos e venha em seu socorro.

Ângela Merkel e Sarkozy estão a esticar demasiado a corda da União Europeia e talvez um dia destes ela rebente. Resta saber quando e com que consequências para todos nós.

Será que o homem se mete nos copos?

Peço desculpa se vou ser um bocado grosseiro, mas há coisas que me fazem passar dos carretos. Depois de ter dito que não podiam se pedidos mais sacrifícios aos portugueses, Pedro Passos Coelho veio afirmar que chumbara o PEC IV porque não ia suficientemente longe. Agora vem dizer que espera não ser preciso pedir mais sacrifícios aos portugueses, nem mais medidas de austeridade.


Chumbou a avaliação dos professores e depois veio dizer que quer um sistema de clssificação. Sem explicar quais as diferenças porque...não sabe!


Convida um adversário do PR cuja candidatura apoiou há dois meses para ser cabeça de lista por Lisboa, prometendo-lhe o lugar de presidente da AR, ignorando que não pode prometer um lugar que será escolhido pelos deputados na AR.


Diz que está disposto a fazer uma coligação com o PS, mas não com Sócrates, como se tivesse alguma autoridade para exigir a um partido que demita o seu líder a bem do interesse de Portugal.


Diz ao país que soube do PEC através de um telefonema de Sócrates e, passado um mês, numa entrevista, confessa que mentiu, porque esteve reunido com Sócrates em S. Bento na véspera. Será que o homem se mete nos copos, ou chuta na veia?


Uma coisa é certa: Lá diz o povo "o que torto nasce, tarde ou nunca se endireita". E PPC começou mal, com todas aquelas trapalhadas sobre a proposta de revisão Constitucional. Desde aí, tem sido um suceder de trapalhadas, inconstâncias e incoerências. Tanta incoerência, ignorância e mentira, fazem-me ter medo que este homem um dia chegue a S. Bento. Mas Sócrates deve estar-lhe grato porque, cada vez que PPC abre a boca, ou anuncia uma decisão, há mais eleitores a pensar que talvez seja menos arriscado votar no PS.

Rostos de Abril ( The End)

Depois de Otelo Saraiva de Carvalho ter dito " se soubesse como o país ia ficar não teria feito a Revolução", decidi interromper a minha homenagem aos capitães de Abril. Não gosto de arrependidos e, muito menos, que dêem argumentos àqueles que continuam a afirmar despudoradamente que se vivia melhor em Portugal há 40 anos.


Sei que Otelo é um desbocado e, muitas vezes, não pensa no que diz, mas foi demais ouvir esta declaração de um dos principais obreiros do 25 de Abril. Ficarei com as memórias de Abril dentro de mim. Tentarei retirar Otelo do meu álbum de recordações desse dia magnífico.

Late night wander (83)

Pela primeira vez, na História da democracia portuguesa os portugueses vão ser chamados a eleger o presidente da AR. A particularidade é que o candidato já anunciou que, se não for eleito, se demite.
Será este o propalado "sangue novo" que Passos Coelho pretende introduzir na sociedade portuguesa?