terça-feira, 22 de março de 2011

Brutus e Pilatos

De regresso a Lisboa fico a saber que Sócrates não está disponível para governar com o FMI. Parece-me uma atitude sensata. Já Pedro Passos Coelho não só parece estar disponível, mas também ansioso por o fazer. Ao inviabilizar o PEC IV, recusando qualquer negociação, PC assume-se definitivamente como o "betinho" de vida fácil que passa a vida a lamentar-se e a culpar os outros da má-sorte, mas quando lhe perguntam se quer trabalhar apenas responde "arranjem-me um emprego", porque não sabe o que quer fazer na vida, excepto ter um bom ordenado.

É verdade que o PEC IV revela a insensibilidade de Sócrates em relação aos trabalhadores, a quem são pedidos todos os sacrifícios, enquanto continua a manter intocáveis os privilégios da banca, mas alguém acredita que PPC irá proteger os interesses dos desempregados e de quem trabalha? A entrada do FMI em Portugal permitir-lhe-á arranjar desculpas para ser o coveiro das derradeiras esperanças dos portugueses e mitigar a sua visível falta de preparação para conduzir os destinos do país. Enquanto expõe Portugal ao ridículo, salva a pele, satisfazendo a gula dos seus correligionários interessados em ir rapidamente ao pote e prontos para o apearem no caso de o PSD continuar a assistir, na oposição, ao desenrolar dos acontecimentos.

A atitude de PC não revela apenas a traquinice de um catraio que passa uma rasteira ao inimigo da turma, para ficar bem visto junto dos colegas. Revela também irresponsabilidade que tresanda a traição. Além de recusar qualquer negociação, não apresenta alternativas e duvido que as venha a apresentar na campanha eleitoral, porque confia numa vitória nas eleições. Não pelo mérito, mas pelo cansaço dos portugueses em relação a Sócrates. Votar em PC será um suicídio colectivo dos trabalhadores portugueses, dos desempregados e mais desfavorecidos. Como disse um dia Marcelo Rebelo de Sousa, o líder do PSD é uma versão de Sócrates...mas pior!

Enquanto PC se comporta como Brutus, Cavaco continua a portar-se como Pilatos. Permanece em silêncio, como se não fosse nada com ele. Não é tão estranho como possa parecer este conceito de magistratura activa do PR. Afinal, não escreveu na ficha da PIDE que estava integrado no regime do Estado Novo? Talvez sinta saudades...

Gostava que as próximas eleições, com o país mergulhado numa crise em que PS e PSD não estão isentos de culpas, fossem aproveitadas pelo povo português para dar um correctivo a ambos. Infelizmente não tenho ilusões. Os portugueses não vão aproveitar as eleições para escolher um governo que mude a política ruinosa do país. Vão apenas escolher entre dois gestores da coisa pública, meros executores das ordens da senhora Merkel.

Quanto ao PR, inerte e inapto para a função, co-responsável na crise pela inação e pelo teor dos seus últimos discursos, deveria ter a dignidade de se demitir. Mas para ter dignidade também é preciso ter vergonha, por isso, vai tudo ficar na mesma. Aliás...pior, porque os custos de eleições para o país apenas contribuirão para agravar a crise e não para nos tirar do fosso que Cavco começou a cavar quando foi Primeiro Ministro.

Mulheres do Mundo (8)

Rugiatu Turay

Rugiatu Turay nasceu na Serra Leoa . É jornalista, tem 33 anos e foi sujeita à excisão feminina. Tinha apenas 12 anos e era órfã.
Inconformada, iniciou uma luta para evitar o sofrimento das crianças africanas a esta prática ignominiosa. Sabe que o peço a pagar pode ser a morte mas, embora conhecendo o perigo que corre, fundou em 2002 o Amazonian Initiative Movement, com um grupo de mulheres que conheceu num campo de refugiados na Guiné, onde esteve durante a guerra civil na Serra Leoa. Desde a criação do movimento, quatro activistas receberam ameaças de morte e abandonaram o movimento. Apesar de ameaçada- e mesmo depois de ser raptada por outras mulheres que a obrigaram a caminhar nua pelas ruas da cidade de Knema- continua a sua luta. Visita aldeias e vai às escolas, onde esclarece as excisoras sobre os perigos e consequências da excisão e tenta convencê-las a renunciar à sua prática.Afirma que já conseguiu demover cerca de 700 mulheres em 111 aldeias da Serra Leoa. Será uma ínfima parte, mas é pelo menos um começo.

A Química do amor


Há tempos, numa escola onde fui conversar com alunos sobre meios de comunicação, “obrigaram-me” a responder a um questionário baseado naqueles inquéritos idiotas que qualquer revista publica, pelo menos no Verão. Uma das perguntas era mais ou menos assim:
“ Que tipo de mulheres prefere? Loiras ou morenas?”
Respondi apenas: mulheres!
Os alunos encarregados de fazer a revistinha mensal da escola insistiram para que eu dissesse se preferia loiras ou morenas.Expliquei-lhes então que para mim não é importantea a mulher ser loira ou morena, alta ou baixa, gorda ou magra.
Para mim as mulheres sempre se dividiram entre feias e bonitas, mas não na aparência e sim pela química que me despertam.Um aluno mais inconformado perguntou-me então:
- Já se apaixonou por uma mulher feia e gorda?
Provavelmente já, respondi perante a estupefacção de alguns jovens. Depois acrescentei:
Para vocês, poderia ser gorda e feia mas, para mim, era uma mulher bonita. Porque me atraía e gostava de estar com ela em todas as ocasiões e me fazia feliz.
( Afinal não é também isso que se passa com as mulheres, em relação aos homens?)

Anti-repelente

Deixo-vos aqui a sugestão de um anti-replente especialmente recomendado para quando aparecem nos ecrãs alguns comentadores.

Blogs no feminino

Há dias assim
São
Teresa Santos

Late night wander (65)

Qual será o próximo ditador a quem o Ocidente irá vender armas, para depois o atacar em nome da democracia?